Prática constante na estabilização e adaptação da habilidades motoras: uso de diferentes estruturas constante-variada com jogadores de Futsal

  • José Carlos Leal Centro Universitário de Formiga, Formiga-MG, Brasil.
  • Milena da Silveira Nunes Centro Universitário de Formiga, Formiga-MG, Brasil.
  • Lucas Donner Gonçalves Centro Universitário de Formiga, Formiga-MG, Brasil.
Palavras-chave: Desenvolvimento motor, Futsal, Validade ecológica

Resumo

O Futsal é o esporte mais praticado no Brasil, especialmente pela população jovem. Então, entender os mecanismos do aprendizado e desenvolvimento motor dos praticantes se torna fundamental para estabelecer melhores estratégias de ensino, de modo a proporcionar aos atletas um aprendizado mais eficiente e dinâmico. A compreensão dessa relação é um processo bastante complexo, onde têm sido explicados como um processo contínuo e cíclico, com uma fase de estabilização do movimento e outra de adaptação ao movimento, gerando novas e diferentes experiências motoras. Ainda, é necessário que esse aprendizado seja feito de forma bastante específica à tarefa executada pelo praticando no “mundo real” da modalidade praticada e que não haja treinamentos ou repetições desnecessárias e exageradas da tarefa motora a ser aprendida. O objetivo do estudo foi analisar a quantidade “ótima” de prática constante no aprendizado de habilidades motoras com validade ecológica em jogadores de Futsal. Foi realizado um estudo transversal com 60 alunos entre 9 e 10 anos, com experiência prévia no Futsal de 3 meses. O primeiro experimento envolveu a rebatida da bola no tênis de mesa, o segundo a tacada do golfe, o terceiro, adaptado, envolveu o chute ao gol com a bola em movimento e o quarto o chute ao gol com a bola parada, em alvos fixados no gol. Foram realizadas análises descritivas dos dados e comparações entre grupos através do teste t não pareado ou Mann-Whitney, de conforme distribuição dos dados. Nos movimentos fechados, o percentual de acerto diminuiu conforme o aumento da distância para o alvo. Nos movimentos abertos, os melhores índices de desempenho se deram durante a fase de adaptação. Conclui-se que a experiência prévia impactou no índice de acerto dos participantes. A prática constante, influencia no desempenho posterior durante a adaptação do movimento, não sendo suficiente, porém, na fase aleatória.

Biografia do Autor

José Carlos Leal, Centro Universitário de Formiga, Formiga-MG, Brasil.

GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINÉSIOLOGIA DO EXERCÍCIO

MESTRADO EM PROMOÇÃO DA SAÚDE

ALUNO DE DOUTORADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

PROFESSOR DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E FISIOTERAPIA DO UNIFOR-MG

Milena da Silveira Nunes, Centro Universitário de Formiga, Formiga-MG, Brasil.

Graduanda em Educação Física Bacharelado do UNIFOR-MG.

Bolsista do Programa de Iniciação Científica do UNIFOR-MG.

Lucas Donner Gonçalves, Centro Universitário de Formiga, Formiga-MG, Brasil.

Graduando em Educação Física Bacharelado do UNIFOR-MG.

Bolsista do Programa de Iniciação Científica do UNIFOR-MG.

Referências

-Corrêa, U.; C.; e colaboradores. Em busca da quantidade “ótima” de prática constante na estrutura constante-variada: um olhar para a validade ecológica e a especificidade da tarefa. Revista Brasileira de Educação Física da UEM. Vol. 24. Núm. 2. p. 195-205. 2013.

-Corrêa, U.; C.; e colaboradores. A prática constante-variada e o processo adaptativo de aprendizagem motora: efeitos da quantidade de prática constante. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 21. Núm. 4. p. 301-314. 2007.

-Freudenheim, A. Estabilidade e variabilidade na aquisição de habilidades motoras. In.: Tani, G (Ed.) Comportamento motor: aprendizagem e desenvolvimento. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2013. Cap. 9. p.117-128.

-Gonçalves, L. A.; Santos, S.; Corrêa, U. C. Estrutura de prática e idade no processo adaptativo da aprendizagem de uma tarefa de “timing” coincidente. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 24. Núm. 4. p.433-443. 2010.

-Machado Filho, R. Comparação dos índices de flexibilidade, agilidade e força em escolares praticantes de Futsal da região metropolitana de São Paulo antes e após um programa de atividade física. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 7. Núm. 25. p. 355-359. 2015. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/227>

-Massigli, M.; e colaboradores. Estrutura de prática e validade ecológica no processo adaptativo de aprendizagem motora. Revista brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 25. Núm. 1. p.39-48. 2011.

-Meira Junior, C. M. Conhecimento de resultados no processo adaptativo em aprendizagem motora. 2005. Tese de Doutorado em Educação Física. Universidade de São Paulo. São Paulo. 2005.

-Pinheiro, J.; P. A prática constante-aleatória e a diversificação de habilidades motoras. 2009. Tese de Doutorado em Educação Física. Universidade de São Paulo. São Paulo. 2009.

-Saemi, E; e colaboradores. Feedback after good versus poor trials enhances motor learning in children. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 25. Núm. 4. p. 673-681. 2011.

-Silva, J. A. O.; e colaboradores. Estrutura de prática e complexidade da tarefa no processo adaptativo de aprendizagem motora. Revista da Educação Física/UEM Maringá. Vol. 20. Núm. 3. p.313-323. 2009.

-Tani, G. Processo adaptativo: uma concepção de aprendizagem motora além da estabilização. In: Tani, G. (Ed.). Comportamento motor: desenvolvimento e aprendizagem. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2005. p.60-70.

-Ugrinowitsch, H.; Manoel, E.; J. Aprendizagem motora e a estrutura da prática: o papel da interferência contextual. In.: Tani, G (Ed.) Comportamento motor: aprendizagem e desenvolvimento. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2013. Cap. 9. p.117-128.

-Walter, C.; e colaboradores. Estrutura de prática e liberdade de escolha na aprendizagem de habilidades motoras. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. Vol. 8. Núm. 3. p. 337-346. 2008.

Publicado
2019-11-27
Seção
Artigos Científicos - Original