Adesão, permanência e barreiras percebidas na prática do Futebol Feminino

  • Paula Celina Sobral Gavião Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana-RS
  • Phillip Vilanova Ilha Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana-RS
  • Clodomiro Paiva Falcão Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana-RS
Palavras-chave: Futebol, Mulheres, Esportes

Resumo

O presente estudo teve como objetivo de identificar os aspectos motivacionais que promovem a adesão, a permanência e as barreiras percebidas de mulheres à prática do futebol sete amador. A amostra foi composta por dezessete mulheres de um grupo de jovens de um municí­pio da região oeste do Rio Grande do Sul. Como instrumento de recolha dos dados utilizou-se de um questionário sobre a caracterização sociodemográfica (ABEP, 2016), Inventário de Motivação à Pratica Regular de Atividade Fí­sica e Esportiva, desenvolvido e validado por Balbinotti (2010) e questionário sobre as motivações para adesão e barreiras percebidas. Os dados foram analisados através da estatí­stica descritiva e pela análise de conteúdo (BARDIN, 2011). Os resultados demonstraram que as atletas encontram distribuí­das em cinco extratos econômicos (A, B1, B2, C1 e C2) e tinham como aspecto motivacional predominante, para a prática do futebol, a dimensão prazer, seguida do controle de stress. A principal influência para adesão ao futebol foi a Educação Física escolar e as barreiras para a prática do futebol feminino foram poucas evidências, restringindo-se a espaço fí­sico, situação financeira, jornada dupla de trabalho e preconceitos relativos ao machismo cultural. Conclui-se que as atletas de futebol feminino se motivam principalmente pelo prazer individual de cada componente, onde o controle de stress e a sociabilidade tem grande influência na participação dessas meninas no esporte e que o apoio da famí­lia e amigos é muito importante para o grupo e esse torna-se incentivo diário na permanência no meio futebolí­stico.

Biografia do Autor

Paula Celina Sobral Gavião, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana-RS

Graduando em Educação Fí­sica - Licenciatura, Universidade Federal do Pampa/ Campus Uruguaiana (2014). Bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência, subprojeto Educação Fí­sica.

Phillip Vilanova Ilha, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana-RS

Licenciatura Plena em Educação Fí­sica (2000), especialização em Ciência do Movimento Humano (2003), especialização em Mí­dias na Educação (2004), mestrado em Educação em Ciências: Quí­mica da Vida e Saúde (2013) e Doutorado em Educação em Ciências: Quí­mica da Vida e Saúde (2016), todos pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Professor do magistério superior da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), campus de Uruguaiana. Coordenador-Lí­der do Grupo de Estudos em Educação Fí­sica e Esportes - GEEFE, da Unipampa.

Clodomiro Paiva Falcão, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana-RS

Graduando em Educação Fí­sica - Licenciatura, Universidade Federal do Pampa/ Campus Uruguaiana (2017)

Referências

-ABEP. Critérios de classificação econômica de 2016. Disponível em <https://goo.gl/291p5U> Acesso em 09 de julho de 2017.

-Balbinotti, M. A. A. Inventário de Motivos para a Prática Regular de Atividades Físicas e Esportivas (IMPRAF-132). 3ª versão. Service d’Intervention et de Recherche en Orientation et Psychologie (SIROP), Montréal, Canadá, 2010.

-Bardin, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

-Brah, A. Diferença, diversidade, diferenciação* In: Cadernos Pagu. Num. 26. p. 329-376. 2006.

-Chaves, W. M. O clima motivacional nas aulas de Educação Física: lima motivacional nas aulas de Educação Física: uma abordagem sócio a abordagem sócio a abordagem sócio – cognitivista cognitivista cognitivista. In: Coletâneas 2º Congresso Científico Latino, 2º Simpósio Científico Cultural em Educação Física e Esportes Brasil/ Cuba. UNIMEP, Piracicaba, 2002.

-Franzini, F. Futebol é “coisa para macho� Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista brasileira de história. Vol. 25. Num. 50. 2005.

-Gáspari, J. C.; Schwartz, G. M. Adolescência, Esporte e Qualidade de Vida Motriz. Vol. 7. Num. 2 . 2001.

-Gil, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2012.

-Girão, I. C. C. Representações sociais de gênero: suporte para as novas formas de organização do trabalho. 2001. 130f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

-Goellner, S. V. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. In: Mulher e Esporte – mitos e verdades. Simões, A. C. (org). Barueri, Manole, p.165-175, 2003.

-Gonçalves, H. T.; e colaboradores. Motivos à prática regular de futebol e futsal. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano. Vol. 27. Num. 2. 2015.

-Hirota, V. B. Futebol: o Esporte e suas Possibilidades. In: Anais do 7º Congresso de produção Científica e 6º Seminário de Extensão da Universidade Metodista de São Paulo, UMESP. Maio, 2004.

-Knijnik, J. D.; Vasconcellos, E. G. Mulheres na área no país do futebol: perigo de gol. In: SIMOES, A. C.(org). Mulher e Esporte: mitos e verdades. São Paulo, Manole, 2003.

-Mourão, L.; Morel, M. As narrativas sobre o futebol feminino. Revista Brasileira de Ciências do Esporte Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 26. Num. 2. 2005.

-Parreira, C. A. Formando Equipes Vencedoras: Lição de Liderança e Motivação do Esporte aos Negócios. Rio de Janeiro: Ed. Bestseller, 2006.

-Scalon, R. M. Psicologia do Esporte e a Criança. Porto Alegre: Edipucrs. 2004.

-Souza Jr.; Darido, S. C. A prática do futebol feminino no Ensino Fundamental. Revista Motriz. Vol. 8. Num. 1. 2002.

-Ventura, T. S.; Hirota, V. B. Futebol e salto alto: Por que não? Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 6. Num. 3. p. 155-162. 2007.

-Voser, R. C.; Giusti, J. G. O futsal e a escola: uma perspectiva pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
Gavião, P. C. S., Vilanova Ilha, P., & Falcão, C. P. (2018). Adesão, permanência e barreiras percebidas na prática do Futebol Feminino. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 10(40), 550-556. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/622
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original