Adesão, permanência e barreiras percebidas na prática do Futebol Feminino

Paula Celina Sobral Gavião, Phillip Vilanova Ilha, Clodomiro Paiva Falcão

Resumo


 

O presente estudo teve como objetivo de identificar os aspectos motivacionais que promovem a adesão, a permanência e as barreiras percebidas de mulheres à prática do futebol sete amador. A amostra foi composta por dezessete mulheres de um grupo de jovens de um município da região oeste do Rio Grande do Sul. Como instrumento de recolha dos dados utilizou-se de um questionário sobre a caracterização sociodemográfica (ABEP, 2016), Inventário de Motivação à Pratica Regular de Atividade Física e Esportiva, desenvolvido e validado por Balbinotti (2010) e questionário sobre as motivações para adesão e barreiras percebidas. Os dados foram analisados através da estatística descritiva e pela análise de conteúdo (BARDIN, 2011). Os resultados demonstraram que as atletas encontram distribuídas em cinco extratos econômicos (A, B1, B2, C1 e C2) e tinham como aspecto motivacional predominante, para a prática do futebol, a dimensão prazer, seguida do controle de stress. A principal influência para adesão ao futebol foi a Educação Física escolar e as barreiras para a prática do futebol feminino foram poucas evidências, restringindo-se a espaço físico, situação financeira, jornada dupla de trabalho e preconceitos relativos ao machismo cultural. Conclui-se que as atletas de futebol feminino se motivam principalmente pelo prazer individual de cada componente, onde o controle de stress e a sociabilidade tem grande influência na participação dessas meninas no esporte e que o apoio da família e amigos é muito importante para o grupo e esse torna-se incentivo diário na permanência no meio futebolístico.

 

ABSTRACT 

Accession, permanence and barriers perceived in the practice of women's football

The present study aims to identify the motivational aspects that promote the adhesion, permanence, and the obstacles noticed by women in the practice of amateur seven-a-side football. The sample consisted in seventeen women of a youth group from a municipality on the western region of Rio Grande do Sul. As a data collection instrument, a questionnaire about the sociodemographic characterization (ABEP, 2016), “Motivation Inventory of Regular Practice of Physical and Sports Activity”, developed and validated by Balbinotti (2010), and questionnaire about motivations for adhesion and perceived obstacles, were used. Data were analyzed through the descriptive statistic and content analysis (BARDIN, 2011). The results showed that the athletes are distributed in five economic extracts (A, B1, B2, C1 and C2) and had as predominant motivational aspect to the soccer practice, the pleasure dimension, followed by the stress control. The main influence on the adhesion to the soccer was the Scholar Physical Education and the obstacles to the practice of women’s soccer were little evidences, restricted to physical space, financial situation, double shift and prejudices related to cultural machismo. It’s concluded that the women’s soccer athletes are mainly motivated by the individual pleasure of each member, where the stress control and sociability have a great influence on the participation of these girls in the sport and that the family and friends’ support is very important for the group and becomes daily incentive to their permanence in the soccer world.


Palavras-chave


Futebol; Mulheres; Esportes

Texto completo:

PDF

Referências


-ABEP. Critérios de classificação econômica de 2016. Disponível em Acesso em 09 de julho de 2017.

-Balbinotti, M. A. A. Inventário de Motivos para a Prática Regular de Atividades Físicas e Esportivas (IMPRAF-132). 3ª versão. Service d’Intervention et de Recherche en Orientation et Psychologie (SIROP), Montréal, Canadá, 2010.

-Bardin, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

-Brah, A. Diferença, diversidade, diferenciação* In: Cadernos Pagu. Num. 26. p. 329-376. 2006.

-Chaves, W. M. O clima motivacional nas aulas de Educação Física: lima motivacional nas aulas de Educação Física: uma abordagem sócio a abordagem sócio a abordagem sócio – cognitivista cognitivista cognitivista. In: Coletâneas 2º Congresso Científico Latino, 2º Simpósio Científico Cultural em Educação Física e Esportes Brasil/ Cuba. UNIMEP, Piracicaba, 2002.

-Franzini, F. Futebol é “coisa para macho”? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista brasileira de história. Vol. 25. Num. 50. 2005.

-Gáspari, J. C.; Schwartz, G. M. Adolescência, Esporte e Qualidade de Vida Motriz. Vol. 7. Num. 2 . 2001.

-Gil, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2012.

-Girão, I. C. C. Representações sociais de gênero: suporte para as novas formas de organização do trabalho. 2001. 130f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

-Goellner, S. V. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. In: Mulher e Esporte – mitos e verdades. Simões, A. C. (org). Barueri, Manole, p.165-175, 2003.

-Gonçalves, H. T.; e colaboradores. Motivos à prática regular de futebol e futsal. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano. Vol. 27. Num. 2. 2015.

-Hirota, V. B. Futebol: o Esporte e suas Possibilidades. In: Anais do 7º Congresso de produção Científica e 6º Seminário de Extensão da Universidade Metodista de São Paulo, UMESP. Maio, 2004.

-Knijnik, J. D.; Vasconcellos, E. G. Mulheres na área no país do futebol: perigo de gol. In: SIMOES, A. C.(org). Mulher e Esporte: mitos e verdades. São Paulo, Manole, 2003.

-Mourão, L.; Morel, M. As narrativas sobre o futebol feminino. Revista Brasileira de Ciências do Esporte Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 26. Num. 2. 2005.

-Parreira, C. A. Formando Equipes Vencedoras: Lição de Liderança e Motivação do Esporte aos Negócios. Rio de Janeiro: Ed. Bestseller, 2006.

-Scalon, R. M. Psicologia do Esporte e a Criança. Porto Alegre: Edipucrs. 2004.

-Souza Jr.; Darido, S. C. A prática do futebol feminino no Ensino Fundamental. Revista Motriz. Vol. 8. Num. 1. 2002.

-Ventura, T. S.; Hirota, V. B. Futebol e salto alto: Por que não? Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 6. Num. 3. p. 155-162. 2007.

-Voser, R. C.; Giusti, J. G. O futsal e a escola: uma perspectiva pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui