Análise do nível de estresse dos árbitros de Futsal da região de Londrina-PR

Murilo Luiz Burim, Arli Ramos de Oliveira

Resumo


O árbitro convive com ameaças, conflitos, pressões e medo de errar, na função de garantir o cumprimento das regras do jogo. Situações essas que podem desencadear o estresse e prejudicar o seu desempenho. Logo, o objetivo foi caracterizar o nível de estresse dos árbitros da região de Londrina, Paraná, pertencentes à Federação Paranaense de Futebol de Salão. Participaram 28 árbitros, com média de 33,2 (±6,3) anos. Os instrumentos utilizados foram os questionários “Critério Brasil 2015” e “Teste de Estresse Psíquico dos Árbitros dos Jogos Esportivos com/sem contato – TEPA”. Para análise aplicou-se o Teste de Wilcoxon; Coeficiente de Correlação de Pearson; Qui-Quadrado e Exato de Fisher (p≤0,05). Não houve diferenças significativas e correlações entre variáveis e dimensões, exceto o nível socioeconômico na dimensão psicológica (p=0,034). “Competição desorganizada” e “Falta de segurança para chegar e principalmente voltar para casa” possuem as maiores médias de percepção de estresse. O desenvolvimento deste no árbitro independe de idade, sexo, experiência, nível de atuação ou escolaridade. A percepção de estresse é variável e individual. Árbitros com melhor renda média domiciliar apresentam menores índices de estresse.

 

ABSTRACT 

Analysis of stress level of the futsal referee from the region of Londrina, Parana

The referee coexists with threats, conflicts, pressures and fear of making mistakes in the search to ensure compliance with the rules of the game. Situations that might cause stress and impair their performance. Thus, the aim was to characterize the stress level of the referees from the region of Londrina, Parana belonging to the Paranaense Futsal Federation. 28 referees with a mean age of 33.2(±6,3) years were participed. The instruments were the questionnaires “The 2015 Brazil Criterion” and “The Psychic Stress Test of Sports Games Referees with/without contact”. For analysis was aplicated the Wilcoxon Test; Pearson Correlation Coefficient; Chi-Square and Fisher’s exact test (p≤0,05). There isn’t significant diferences and correlations between variables and dimensions, except the socioeconomic level in the psychological dimension (p=0.034). “Disorganized competition” and “Lack of safety to arrive and mainly return to home” have the highest means of perceived stress. The stress development is independente of age, sex, experience, level of performance or schooling. The perception of stress is variable and individual. Referee with better average house incoming have lower stress indexes.


Palavras-chave


Psicologia do Esporte; Esporte; Estresse Psicológico

Texto completo:

PDF

Referências


-ABEP (Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa). Critério Brasil 2015. Disponível em: . Acesso em 27/05/2016.

-Borges, J. C. S. Análise do nível de estresse em árbitros e apontadores de vôlei do Distrito Federal. Brasília: UniCEUB, 2014. Trabalho de Conclusão de Curso. Bacharelado em Educação Física. Faculdade de Ciências da Educação e Saúde. Centro Universitário de Brasília, 2014.

-Boschilia, B. Elementos para o trabalho de preparação psicológica dos árbitros de Futsal do Paraná. Curitiba: FPFS, 2014. Curso de Formação de Oficiais de Arbitragem de Futsal – 4º Bloco – Psicologia Desportiva.

-Cillo, E. Análise de jogo como fonte de dados para intervenção em psicologia do desporto. In Rubio, K. (Org.) Psicologia do Esporte Aplicada. São Paulo. Casa do Psicólogo. 2007.

-Confederação Brasileira de Futebol de Salão-CBFS. O esporte da bola pesada que virou uma paixão. 2015. Disponível em: . Acesso em: 28/05/2016.

-Costa, J. Inteligência geral e conhecimento específico no futebol. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto. Portugal. 2010.

-Costa, V.; Ferreira, R; Penna, E.; Costa, I.; Noce, F.; Simim, M. Análise do estresse psíquico em árbitros de futebol. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte. São Paulo. Vol. 3. Núm. 2. p. 2-16. 2010.

-Dorcsh, K. D.; Paskevich, D. M. Stressful experiences among six certification levels of ice hockey officials. Psychology of Sport and Exercise. Núm. 8. p. 585-593. 2007.

-Federátion Internationale de Football Association (FIFA). Futsal: Laws of the game 2014-2015. Zurich: FIFA. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30/01/2016.

-Ferreira, H. C. A.; Simim, M. A. M.; Noce, F.; Samulski, D.M.; Costa, V.T. Análise do estresse em árbitros de futsal. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 8. Núm. 1. p. 43-48. 2009.

-Franzblau, A. A primer of statistics for nonstatisticians. New York: Harcourt, Brace e World. 1958.

-Goldsmith, P. A.; Williams, J. M. Perceived stressors for football and volleyball officials from three rating levels. Journal of Sport Behavior. Vol. 15. Núm. 2. p. 106. 1992.

-Kaissidis-Rodafinos, A.; Anshel, M. H. Sources of and responses to acute stress in adult and adolescent Australian basketball referees. Australian Journal of Science and Medicine in Sport. Vol. 25. p. 97-103. 1993.

-Lima, J. C. Estresse policial. Via Digital. 2002.

-Nahas, M. V. Atividade Física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 6ª edição. Midiograff. 2013.

-Nitsch, J. Stress: theorien, untersuchungen und massnahmen. Stuttgart, Alemanha. Verlag Hans Huber. 1981.

-Samulki, D; Noce, F.; Chagas, M. Estresse. In Samulski, D. Psicologia do Esporte. Manole. p. 157-194. 2002.

-Samulski, D.; Silva, S. P. Psicologia aplicada à arbitragem. In Samulski, D. (Ed.). Psicologia do Esporte: conceitos e novas perspectivas. Manole. p. 461-486. 2009.

-Seyle, H. Geschichte und grundzüge des stresskonzepts. In Nitsch, J. Stress: theorien, untersuchungen und massnahmen. Stuttgart. Alemanha. Verlag Hans Huber. 1981.

-Silva, S. A. Construção e validação de um instrumento para medir o nível de estresse dos árbitros dos jogos esportivos coletivos. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2004.

-Spielberger, C. Stress and anxiety in sports. In: Hackford, D.; Spielberger, C. Anxiety in Sports: an International Perspective. New York. Estados Unidos. Hemisphere Publishing Corporation. 1989.

-Storey, A. G.; e colaboradores. Stress responses to short‐term intensified and reduced training in competitive weightlifters. Scandinavian journal of medicine & science in sports. Vol. 26. Núm. 1. p. 29-40. 2016.

-Taylor, A. H.; Daniel, J. V. Sources of stress in soccer officiating: An empirical study. In: Science and football: Proceedings of the first World Congress of Science and Football. 1988. p. 538-544.

-Taylor, A. H.; e colaboradores. Perceived stress, psychological burnout and paths to turnover intentions among sport officials. Journal of Applied Sport Psychology. Vol. 2. Núm. 1. p. 84-97. 1990.

-Thomas, J.; Nelson, J.; Silverman, S. Métodos de pesquisa em atividade física. 6ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2012.

-Weinberg, R. Foundations of sport and exercise psychology. 2ª edição. Champaign. Estados Unidos. Human Kinetics. 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui