Um olhar sobre o campeonato gaúcho de futebol feminino adulto através das reportagens da Gaucha ZH

Martina Gonçalves Burch Costa

Resumo


O Futebol Feminino praticado no Brasil sofreu com ascensões e interrupções na sua trajetória histórica, diversas mulheres que tentaram se tornar jogadoras profissionais tiveram suas carreiras abreviadas pela falta de interesse e de incentivo dos clubes, federações e confederações. Através do fator CONMEBOL até o ano de 2019 diversos clubes “de camisa” formaram e irão formar equipes de futebol feminino no continente Sul Americano. Por meio destas mudanças, o cenário brasileiro de clubes e competições, está passando por constantes transformações e o que vem resultando em um maior número de clubes grandes participando dos campeonatos estaduais.  Nosso objetivo através desta pesquisa foi analisar o campeonato gaúcho feminino adulto no ano de 2017, através das reportagens da Gaúcha ZH. Como um caminho metodológico nos apropriamos de recortes da revista eletrônica da Zero Hora do ano de 2017 para compreender a estruturação deste campeonato. Por meio deste levantamento, percebemos as disparidades entre os clubes de maior poder aquisitivo e os de menores, além da falta organização das instituições responsáveis pelo campeonato. Concluímos que além de uma questão de gênero, a falta de uma melhor profissionalização do futebol feminino, perpassa por uma questão política.

 

ABSTRACT 

A look at the Gaucho Women's Football Championship Adult through the reports of Gaucha ZH

Women's football practiced in Brazil suffered with ascensions and interruptions in its historical trajectory, several women who tried to become professionais players had their careers shortened due to lack of interest and encouragement from clubs, federations and confederations. Through the CONMEBOL factor until the year 2019 several "shirt" clubs have formed and will form women's football teams on the South American continent. Through changes, the Brazilian scenario of clubs and competitions is undergoing constant transformations and what has resulted in a larger number of large clubs participating in state championships. Our objective, through the research, was evaluated by the gaucho adult female championship in 2017, through the reports of Gaucha ZH. As a methodological path, our cutting codes from the electronic magazine Zero Time of the year 2017 for a structuring of this championship. Through the survey, we perceive disparities between the clubs with higher purchasing power and those of minors, as well as the lack of organization of the insurance companies for the championship. We conclude that in addition to a gender issue, a lack of a better professionalization of women's football is a political issue.


Palavras-chave


Futebol Feminino; Questão Política; Campeonato Gaúcho

Texto completo:

PDF

Referências


-AGFF. 2017. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2017

-Ballaryni, H. Por que a mulher não deve praticar o futebol. Revista Educação Physica. Vol. 49. p.52. 1940.

-Castellani Filho, L. Educação física no Brasil: a história que não se conta. Campinas. Papirus, 1988.

-Cunha, T. C. P. M. Araguari, berço do futebol feminino no Brasil. In: Portal de Araguari. Araguari, 9 outubro 2011. Disponível em: . Acesso em: 10/03/2017

-FranzinI, F. Futebol é “coisa para macho”? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista Brasileira de História. Vol. 25. Núm. 50. p.315-328. 2005.

-GAUCHAZH. Times femininos do Interior vivem de vaquinhas, rifas e até venda de trufas. 2017a. Disponível em: . Acesso em: 08/10/2017

-GAUCHAZH. Caravana da resistência a saga do futebol feminino no Rio Grande do Sul. 2017b. Disponível e: . Acesso em: 14/10/2017

-GAUCHAZH. Viagem na madrugada e dois jogos no mesmo dia a saga do esporte clube Ijui. 2017c. Disponível em: . Acesso em: 14/10/2017

-Huyssen, A. Seduzido pela memória – arquitetura, monumentos e mídia. Rio de Janeiro. Aeroplano. 2000.

-Ribeiro, A. P. G. Fim do ano: tempo de rememorar. In: Fausto Neto, A.; Pinto, M. J. (org.) O indivíduo e as mídias- ensaios sobre comunicação, política, arte e sociedade no mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Diadora/Compôs. 1996.

-Moura, E. J. L. As relações entre lazer, futebol e gênero. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação da Unicamp. Campinas. 2003.

-Rigo, L. C.; e colaboradores. Notas acerca do futebol feminino pelotense em 1950: um estudo genealógico. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 29. Núm. 3. p.173-188. 2008.

-Sgarbieri, A. N. Representações do gênero feminino na mídia impressa. Estudos linguísticos. Vol. 35. p. 386-371. 2006.

-Sousa, E. S. Meninos, à marcha! Meninas, à sombra! A história da Educação Física em Belo Horizonte (1897-1994). Tese de Doutorado em Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação da Unicamp. Campinas. 1994.

-Souza Júnior, O. M. Futebol como projeto profissional de mulheres: interpretações da busca pela legitimidade. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação Física. Campinas, SP. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui