Fatores motivacionais que influenciam na prática do Futsal: um estudo de uma escolinha na cidade de Porto Alegre

  • Alam Camejo Sena Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)
  • José Augusto Evangelho Hernandez Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ.
  • Miguel Angelo Duarte Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)
  • Rogério da Cunha Voser Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)
Palavras-chave: Motivação, Psicologia do Esporte, Crianças

Resumo

O presente estudo teve como objetivo verificar a principal motivação para a prática do futsal em uma escola da cidade de Porto Alegre. Participaram do estudo 100 praticantes de futsal do sexo masculino, com idade entre 7 a 13 anos que fazem parte de duas sedes desta escola de futsal. Como instrumento de coleta de dados foi utilizado o Inventário de Motivação para a Prática Desportiva (IMPD), criado por Gaya e Cardoso (1998), composto por 19 itens subdivididos em 3 dimensões: a) competência desportiva (CD) b) amizade e lazer (AL) c) saúde (S). Cada motivo possui três níveis de resposta, ou seja, Muito Importante (MI) - 3, Pouco Importante (PI) – 2 e Nada Importante (NI) - 1. As coletas foram realizadas após autorização da escola, alunos e pais. O software utilizado nas análises foi o SPSS V.20. Ao analisar as dimensões de motivação de todos os 100 participantes é possível observar que não houve variação significativa na perspectiva estatística nos motivos aos quais levam estas crianças e jovens a praticarem o futsal, porém foi constatado que quanto maior a idade menos relevante se faz o fator de Amizade e Lazer para a prática do futsal. Os resultados do Teste t de Student revelaram que as médias dos participantes nas variáveis da motivação não foram significativamente diferentes entre si. Foi realizado o Coeficiente de correlação de Pearson onde não foram encontradas relações estatísticas (p<0,05) significativas entre idade, anos de experiência e as 3 dimensões estudadas (competência desportiva; amizade/lazer e saúde).

 

ABSTRACT 

Motivational factors that influence the futsal practice: A study in a futsal school in Porto Alegre city

This quantitative and descriptive study had the aim of verify the main motivation for the practice of indoor football in a school in the city of Porto Alegre. The study enrolled 100 male children that practices futsal, aged between 7 to 13 years old and who are part of two cedes this futsal school. As data collection instrument was used Motivation Inventory for Sports Practice (IMPD), created by Gaya and Cardoso (1998), composed of 19 objective questions divided into three dimensions: a) sportsmanship (CD) b) friendship and leisure (AL) c) health (S). Each reason has three levels of response, ie, Very Important (MI) - 3 Somewhat Important (PI) - 2 and Nothing Important (NI) - 1. Samples were collected after school authorization, students and their parents. The software used in the analysis was the SPSS V.20. By analyzing the dimensions of motivation of all 100 participants can be observed that there was no significant variation in statistical perspective the reasons which lead these children and young people to take futsal, but it was found that the higher the less relevant age becomes a factor Friendship and Leisure to practice futsal. The results of Student t test showed that the average of the participants in the variables of motivation were not significantly different. It was performed Pearson correlation coefficient which found no statistical relationship (p <0.05) significant between age, years of experience and 3 dimensions studied (sportsmanship, friendship / leisure and health).

Biografia do Autor

Alam Camejo Sena, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)
Licenciado em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atualmente é professor em escolas de futebol.
José Augusto Evangelho Hernandez, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ.
Bacharel em Direção Teatral pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Dirigiu e atuou em diversos espetáculos teatrais. Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Especialista em Hipnoterapia Ericksoniana pelo Instituto Milton Erickson. Especialista em Psicologia do Esporte pelo Conselho Federal de Psicologia. Mestre e Doutor em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi professor da graduação e pós-graduação dos cursos de Psicologia e Educação Física da ULBRA/Canoas/RS, onde atuou como psicólogo do Sport Club Ulbra em diversas modalidades desportivas. Além disso, ocupou os cargos de coordenador de TCC e de Pós-Graduação Lato sensu da Psicologia. Foi professor convidado do pós-graduação da Educação Física da PUCRS e da FACOS/Osório/RS. Foi professor substituto da graduação e convidado da pós-graduação da ESEF-UFRGS. Foi professor da Faculdade Sogipa de Educação Física na graduação e pós-graduação e, também, da Instituição Educacional São Judas Tadeu. Atualmente, é docente do Departamento de Fundamentos da Psicologia e do Programa de Pós Graduação em Psicologia Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Parecerista Ad Hoc do Sistema de Avaliação de Testes Psicológicos - Satepsi do Conselho Federal de Psicologia, da FAPERJ, da FACEPE e revisor de diversos periódicos nacionais e internacionais. Tem experiência de pesquisa em gênero (gender schema theory), relacionamentos íntimos (amor e satisfação conjugal), psicologia do esporte (rendimento, saúde e educação) e adaptação e validação de instrumentos e medidas em psicologia.
Miguel Angelo Duarte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)
Bacharel em Nutrição (2014) UNISINOS. Acadêmico em Educação Física pela ESEFID/UFRGS. Atualmente desenvolve atividades de orientação nutricional, prescrição de dietas e suplementação com ênfase em nutrição esportiva. Bolsista do Núcleo de Avaliação da Unidade e Bolsista BIC-UFRGS Iniciação Científica. Possui qualificação internacional concedida pela Sociedade Internacional para Avanço da Cineantropometria (ISAK). Tem como áreas de interesse o esporte, avaliação, cineantropometria e nutrição.
Rogério da Cunha Voser, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)
Doutor em Ciências da Saúde na PUCRS, em 2006. Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Escola de Educação Física da UFRGS, em 1998. Especialista em Ciências do Futebol e do Futebol de Salão pelas Faculdades Integradas Castelo Branco Centro Educacional de Realengo, em 1990. Licenciado em Educação Física pela ESEF-UFPEL, em 1988. Graduado em Fisioterapia pela ULBRA, em 1999. Foi atleta de várias equipes de Futsal do estado, atuou na Espanha, preparador físico do Inter/ULBRA e técnico da equipe juvenil da ULBRA. Tem experiência em escolas do município e particular. Consultor de vários cursos de Graduação e Especialização. É avaliador de Cursos Superiores e.MEC-INEP. Atualmente é Professor Associado nível 1 da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul nas Disciplinas de Futsal, Bases das Práticas Corporais: esporte, Supervisão de estágio do Bacharelado e de TCC1 e TCC2. Na mesma Instituição é coordenador do NAU (Núcleo de Avaliação da Unidade - ESEFID/UFRGS).É um dos lideres do Grupo de Estudos em Esporte (GEE) da UFRGS/CNPQ. É coordenador do Programa Institucional de Bolsa de iniciação à Docência/PIBID - Educação Física da UFRGS. É vice-coordenador da Equipe Colaboradora 18 (RS) do Programa Segundo Tempo do Ministério do Esporte. Desenvolve Projetos de Extensão Universitária na área do Futsal. Já trabalhou também na ULBRA, PUCRS, Facos e São Judas Tadeu/RS. Ministra cursos de Futsal e Iniciação aos Esportes por todo o Brasil (extensão e pós-graduação). Autor dos livros Iniciação ao futsal: abordagem recreativa; Análise das Intervenções Pedagógicas em Programas de Iniciação ao Futsal; A Criança e o Esporte: uma perspectiva lúdica; Futsal: princípios técnicos e táticos; Futsal e a Escola: uma perspectiva pedagógica; Futebol: História, Técnica e Treino de Goleiro; Ensino dos Esportes Coletivos: uma abordagem recreativa; PIBID na Educação Física: uma proposta metodológica e práticas para o ensino do esporte na escola e Futsal: ensino através dos jogos de inteligência e capacidade tática.

Referências

-Cabral, G. M.; Negreiros, A. A. Fatores Motivacionais na Prática Esportiva. 5ª Jornada de Iniciação Científica e Extensão. Instituto Federal do Tocantins. 2014.

-Cardoso, L. M. Fatores Motivacionais para a Prática do Futsal Feminino, numa Equipe de Rendimento Sub-17: Um Estudo de Caso. TCC de Bacharelado em Educação Física da Universidade do Extremo Sul Catarinense. UNESC. 2012.

-Cavalcanti, L. A. Fatores que motivam alunos, professores gestores na prática e desenvolvimento do futsal escolar. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 5. Num. 18. Edição Especial: Pedagogia do Esporte. p.284-290. 2013. Disponível em: < http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/189/198>

-Cervo, A. L.; Bervian, P. A. Metodologia Cientifica Metodologia Cientifica. 5ª edição. São Paulo. Prentice Hall. 2004.

-Confederação Brasileira de Futebol de Salão. Títulos. Disponível em: http://www.cbfs.com.br/2015/cbfs/historico/index.html. Acesso em: 20 maio 2016.

-David, C. E. B. Aspectos motivacionais e desempenho técnico tático em praticantes de futsal com 10 e 13 anos de idade. Dissertação de Mestrado em Educação Física da Universidade Federal de Pelotas. 2012.

-Gaya, A.; Cardoso, M. Os fatores motivacionais para a prática desportiva e suas relações com o sexo, idade e níveis de desempenho desportivo. Revista perfil. Porto Alegre: Editora da UFRGS. Vol. 2. 1998.

-Gould, D.; Horn, T. Participation motives in young athletes. In: Silva, J.M.; Weinberg, R.S. (Eds.). Psychological foundations of sport. Champaign: Human Kinetics, p.359-370. 1984.

-Lawther, J. D. Psicologia del deporte y del deportista. Buenos Aires: Editora Paidos, 1978.

-Nuñez, P.; e colaboradores. Motivos que levam Adolescentes a Praticar o Futsal. Revista Conexões. Vol. 6. Núm. 1. 2008.

-Pacheco, C. H. Motivação à prática regular de atividades esportivas: um estudo com praticantes de escolinhas de futebol e futsal (13 a 17 anos). Trabalho de conclusão de curso. Curso de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

-Paim, M. C. C. Fatores Motivacionais e Desempenho no Futebol. Revista da Educação Física/UEM. Maringá, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10/04/2017.

-Reis Junior, A. F.; Lisboa, P. G.; Rodrigues, M. A. S. Habilidade e gênero na escola: uma abordagem a partir do futsal. 2013.

-Rondini, O. M. Fatores Motivacionais que levam Adolescentes do sexo Masculino entre 15 e 17 anos a Praticarem Futsal. Revista Enaf Science. Vol. 8. Núm. 4. p.11-21. 2013.

-Sá, T. A. A Motivação de Crianças entre 11 e 14 anos para a Prática do Futsal. Porto Alegre. TCC Graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. 2009.

-Terra, G. B.; Hernandez, J. A. E.; Voser, R. C. A motivação de crianças e adolescentes para a prática do futsal. Revista Digital, Buenos Aires, Año 13. Num. 128. 2009.

-Valentini, N. C. Competência e Autonomia: desafios para Educação Física Escolar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 20. p.158-187. 2006.

-Voser, R. C. Iniciação ao Futsal: Abordagem Recreativa. 2ª edição. Canoas. Ed. ULBRA. 1999.

-Weinberg, R. S.; Gould, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. Porto Alegre. Artmed. 2008.

Publicado
2017-09-10
Como Citar
Sena, A. C., Hernandez, J. A. E., Duarte, M. A., & Voser, R. da C. (2017). Fatores motivacionais que influenciam na prática do Futsal: um estudo de uma escolinha na cidade de Porto Alegre. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 9(35), 416-421. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/550
Seção
Artigos Científicos - Original