Cinética e cinemática da marcha e chute em atletas de futebol: uma revisão de literatura

  • Lucas de Bessa Couto Couto Graduando em Educação Física, Centro Universitário de Anápolis, Anápolis, Goiás, Brasil.
  • Ronaldo Matias Ferreira da Silva Silva Graduando em Educação Física, Centro Universitário de Anápolis, Anápolis, Goiás, Brasil.
  • Kevin César Neves de Oliveira Oliveira Graduando em Educação Física, Centro Universitário de Anápolis, Anápolis, Goiás, Brasil.
  • Nataly Afifeh Caetano Yacoub Graduando em Educação Física, Centro Universitário de Anápolis, Anápolis, Goiás, Brasil.
  • Patrícia Espíndola Mota Venâncio Doutora em Educação Física, Centro Universitário de Anápolis, Anápolis, Goiás, Brasil.
Palavras-chave: Marcha, Chute, Cinética, Cinemática, Futebol

Resumo

Introdução: O futebol é um esporte praticado a nível mundial e a cada novo ano surgem mudanças e avanços científicos que podem aperfeiçoar ainda mais esse esporte que arrasta milhões de pessoas.   Objetivo: Analisar como deve ser os padrões de marcha e chute dos jogadores de futebol, bem como, identificar as respectivas ações musculares que ocorrem no momento da execução para que se tenha êxito nas partidas de futebol. Materiais e Métodos: Este trabalho consiste em uma revisão de literatura nas principais bases de dados Google Scholar, Scielo, Pubmed e livros, com artigos e livros publicados entre os anos 1976 e 2020, indexados na língua portuguesa e inglesa. Para os critérios de inclusão, foram utilizados artigos originais e livros, foram excluídos trabalhos com a ausência dos temas chute, marcha e futebol e artigos que não possuíam o texto na íntegra. Resultados: Foi avaliado 131 artigos completos e 40 livros, e destes, 51 foram utilizados para fundamentação da presente revisão literária. 3 artigos concluíram que há diferenças nos padrões cinemáticos de chute entre praticantes e não praticantes de futebol, chute com bola parada e rolando são semelhantes e ação muscular interfere diretamente na velocidade da bola, 1 artigo concluiu que cada modalidade tem suas características específicas de marcha. Conclusão: A biomecânica pode contribuir no avanço para compreensão dos padrões de marcha e chute, contudo, estudos mais aprofundados são necessários para compreender e fornecer informações atualizadas e material de ponta que possa qualificar os profissionais envolvidos nas respectivas áreas de atuação.                 

Referências

-Ackland, T. R.; Elliott, B.C.; Bloomfield, J. Anatomia E Biomecânica Aplicadas No Esporte. 2ª edição. Manole. 2011.

-Alexandre, P. F.; Lacerda, R. C.; Deus, L. A.; Melo, F. T.; Santos Alves, M. G. Análise comparativa do desempenho muscular isocinético entre jogadores de futebol e futsal. Educação Física em Revista. Vol. 3. Núm. 2. 2009. p. 1-12.

-Amadio, A. C.; Costa, P. H. L.; Sacco, I. C. N.; Serrão, J. C.; Araújo, R. C.; Mochizuki, L.; Duarte, M. Introdução à biomecânica para análise do movimento humano: descrição e aplicação dos métodos de medição. Revista Brasileira de Fisioterapia. Vol. 3. Núm. 2. 1999. p. 41-54.

-Amadio, A. C.; Serrão, J. C. Contextualização da biomecânica para a investigação do movimento: fundamentos, métodos e aplicações para análise da técnica esportiva. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 21. Núm. 61. 2007. p. 61-85.

-Amorim, C. F. Avaliação do sincronismo do sinal eletromiográfico com o equilíbrio dinâmico de jogadores de futebol durante o chute. Tese de doutorado. Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá. São Paulo. 2012.

-Aquino, C. F. Eletromiografia: interpretação e aplicações nas ciências da reabilitação. Fisioterapia Brasil. Minas Gerais. Vol. 6. Núm. 4. 2018. p. 305-310.

-Barbanti, V. J. Treinamento Físico. 3ª edição. São Paulo. CLR. 2001.

-Barbieri, F. A.; Gobbi, L. T. B. Assimetrias laterais no movimento de chute e rendimento no futebol e no futsal. Motricidade. Vol. 5. Núm. 2. 2009. p. 33-47.

-Becker, R. O.; Da Silva, M. H.; Pereira, G. A. M.; Pavani, K.K.G.; Brum, L.F.S. Anatomia humana. Porto Alegre. Sagah. 2018.

-Brunieira, C. A. V. Análise biomecânica da locomoção humana: andar e correr. Treinamento Desportivo. Vol. 3. Núm. 3. 1998. p. 54-61.

-Campos, M. A. Biomecânica da Musculação. Rio de Janeiro. Sprint. 2000.

-Cardenas, G. C. Análise da corrida de aproximação: diferenças entre dois tipos de chutes. TCC bacharelado. Educação Física. Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências de Rio Claro. 2009.

-Castro, F. A. V.; Navarro, A. C. Relação entre vitórias ou derrotas e a quantidade de finalizações no jogo de futebol. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 2. Núm. 5. 2010.

-Cobalchini, R.; Silva, E. R. Treinabilidade do membro inferior não-dominante em atletas infantis de futebol. Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires. Ano 13. Núm. 125. 2008.

-Cunha, S. A. Análises biomecânicas no futebol. Revista Motriz. Vol. 9. Núm. 1. 2003. p. 21-24.

-Ferreira, A. R.; Gois, J. A. Análise da cinemática e dinâmica da marcha humana. Revista Militar de Ciência e Tecnologia. Vol. 35. Núm. 3. 2018.

-Frisselli, A.; Mantovani, M. Futebol: teoria e prática. São Paulo. Phorte.1999.

-Gomes, A. C.; Machado, J. A. Futsal: metodologia e planejamento na infância e adolescência. Midiograf. 2001.

-Gonçalves, M. Eletromiografia e a identificação da fadiga muscular. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 20. Núm. 5. 2006. p. 91-93.

-Hamill, J.; Knutzen, K. M. Bases biomecânicas do movimento humano. 3ª edição. Manole. 2012.

-Houglum, P. A.; Bertoti, D. B. Cinesiologia clínica de Brunnstrom. 6ª edição. Manole. 2014.

-Inman, V. T.; Ralston, H. J.; Tood, F. A Locomoção Humana. In: Rose, J.; Gamble, J. G. Marcha Humana. 2ª edição. Premier. 1998.

-Larsson, L. E.; Odenrick, P.; Sandlund, B.; Weitz, P.; Oberg, P. A. The phases of the stride and their interaction in human gait. Scandinavian journal of rehabilitation medicine. Vol. 12. Núm. 3. 1980. p.107-12.

-Less, A.; Nolan, L. The biomechanics of soccer: a review. Journal of sports sciences. Vol. 16. Núm. 3. 1998. p. 211-234.

-Magalhães Júnior, W. J. Padrão cinemático do chute no futebol: comparação entre indivíduos praticantes e não praticantes, nas situações de descanso e exaustidão. Dissertação Mestrado. Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências de Rio Claro. 2003.

-Magalhães, J.; Oliveira, j.; Ascensão, A.; Soares, J. M. C. Avaliação isocinética da força muscular de atletas em função do desporto praticado, idade, sexo e posições específicas. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. Vol. 1. Núm. 2. 2001. p. 13-21.

-Marchetti, P. H.; Duarte, M. Instrumentação em eletromiografia. Laboratório de Biofísica. Escola de Educação Física e Esporte. São Paulo. Universidade de São Paulo. 2006.

-Martini, F. H.; Timmons, M. J.; Tallitsch, R. B. Anatomia Humana. 6ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2009.

-Matta, R. Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro. Edições Pinakotheke. 1982.

-Mcardle, W. D.; Katch, F. I.; Katch, V. L. Fisiologia do exercício: Nutrição, energia e desempenho humano. 8ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2018.

-Meglan, D.; Todd, F. Cinética da Locomoção Humana. In Rose, J.; Gamble, J. G. Marcha Humana. Premier. 1993.

-Menuchi, M. R. T. P.; Vieira, L. H. P.; Bedo, B. L. Z.; Fornel, R. G.; Santiago, P. R. P. Alterações angulares dos membros inferiores na locomoção em superfícies arenosa e gramada. Revista Mineira de Educação Física. Vol. 24. Núm. 1. 2016. p. 7-24.

-Merege Filho, C. A. A.; França, E.; Hirota, V. B.; Costa, A. S.; Marco, A.; Verardi, C. E. L. Análise do chute de bola parada em indivíduos não praticantes de futebol. Revista Digital. Buenos Aires. Ano 16. Núm. 163. 2011. p. 1-6.

-Moreira, D.; Godoy, J. R. P.; Braz, R. G.; Machado, G. F. B.; Santos, H. F. S. Abordagem cinesiológica do chute no futsal e suas implicações clínicas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 12. Núm. 2. 2004. p. 81-86.

-Moreira, M. S. Biomecânica do chute: fatores que melhoram a performance do chute em jogadores de futebol. Repositório UFMG. Belo Horizonte. 2012.

-Mutti, D. Futsal: da iniciação ao alto nível. 2ª edição. São Paulo. Phorte. 2003.

-Noda, D. K. G.; Marchetti, P. H.; Junior, G. B. V. A Eletromiografia de superfície em estudos relativos à produção de força. Revista CPAQV-Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida. Vol. 6. Núm. 3. 2014. p. 2.

-Oliveira, A. F. Origem do futebol na Inglaterra no Brasil. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 4. Núm. 13. 2012.

-Powers, S. K.; Howley, E. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 9ª edição. Manole. 2017.

-Proni, M. W. A metamorfose do futebol. Campinas-SP. Unicamp. 2000.

-Ré, A. N. Características do futebol e do futsal: implicações para o treinamento de adolescentes e adultos jovens. Revista Digital EFDesportes. Bueno Aires. Ano. 13. 2008. p. 127.

-Rodrigues, F. X. F. Modernidade, disciplina e futebol: uma análise sociológica da produção social do jogador de futebol no Brasil. Porto Alegre. Sociologias. Núm. 11. 2004. p. 260-299.

-Santiago, P. R. P.; Moura, F. A.; Barbieri, F. A.; Lima Junior, R. D. S.; Cunha, S. A Relação do padrão cinemático de movimento com desempenho do chute em cobranças de falta no futebol. Revista Brasileira de Biomecânica. São Paulo. Vol. 8. Núm. 15. 2007. p. 54-60.

-Sherwood, L. Fisiologia humana: das células aos sistemas. 7. ed. norte-americana. São Paulo. Cengage Learning. 2011.

-Silva Junior, J. E. P.; Ciccarelli, O. A. C.; Pita, I. M. C. R.; Carvalho, C. L. T. A importância da análise biomecânica do chute no futebol. Um estudo de caso. Lecturas: Educación física y deportes. Ano. 24. Núm. 251. 2019. p. 3.

-Silva, M. G. A biomecânica aplicada ao estudo e análise do chute em jogadores de futebol de campo. Revista Digital. Buenos Aires. Ano. 17. Núm. 178. 2013.

-Silva, P. R. S.; Visconti, A. M.; Roldan, A.; Teixeira, A. A. A.; Seman, A. P.; Lolla, J. C. C. R.; Zanin, M. T. Avaliação funcional multivariada em jogadores de futebol profissional-uma metanálise. Revista Acta Fisiátrica. Vol. 4. Núm. 2. 1997. p. 65-81.

-Silva, S. R. D.; Fraga, C. H. W.; Gonçalves, M. Efeito da fadiga muscular na biomecânica da corrida: uma revisão. Motriz. Vol. 13. Núm. 3. 2007. p. 225-235.

-Smith, K. L.; Weiss, E. l.; Lehmkuhl, l. D. Cinesiologia clínica de Brunnstom. 5ª edição. Manole. 1997.

-Sousa, A. S. Análise da marcha baseada em correlação multifactorial. Dissertação de mestrado em Engenharia Biomédica. Portugal. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. 2009.

-Sousa, A. S. P.; Tavares, J. M. A marcha humana: uma abordagem biomecânica. Instituto Politécnico do Porto. Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto. Politema. s.n. 2010.

-Suntherland, D. H.; Kaufman, K. R.; Moitoza, J. R. Cinemática da Marcha Humana Normal. In Rose, J.; Gamble, J. G. Marcha Humana. Premier. 1993.

-Tagliari, C. C. A Utilização aguda de dicas na performance do chute de precisão no futebol. Repositório Digital Institucional da UFPR. Curitiba. 2009.

-Tonini, M. D.; Giglio, S. S. A transferência de jogadores no sistema FIFA e a migração de brasileiros para a Europa (1920-1970). Estudos Históricos. Vol. 32. Núm. 68. 2019. p. 609-632.

-Tortora, G. J. Princípios de anatomia humana. 14ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2019.

-Vedovelli, K. S.; Antunes, M. D.; Jacob, W.; Nascimento Filho, J. R. A.; Oliveira, D. V. Análise comparativa da pisada durante a marcha entre atletas de diferentes modalidades esportivas. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício. Vol. 16. Núm. 1. 2017. p. 2-9.

-Wahl, A. Historia del fútbol: del juego al deporte Alfred Wahl; tr. Francesc Reyes Nota General: Incluye anexos sobre cronología, filmografía y crédito fotográfico materias. Ediciones B. 1997.

Publicado
2022-03-24
Como Citar
Couto, L. de B. C., Silva, R. M. F. da S., Oliveira, K. C. N. de O., Yacoub, N. A. C., & Venâncio, P. E. M. (2022). Cinética e cinemática da marcha e chute em atletas de futebol: uma revisão de literatura. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 13(56), 768-779. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/1116
Seção
Artigos Científicos - Revisão