O Brasil dimensionado pelo Futebol

Agnaldo Kupper

Resumo


O tema futebol não recebeu, por parte da grande maioria dos historiadores e acadêmicos, atenção. Pelo menos até os anos finais da década de 1970 e início dos anos 1980.  Muitos o veem como algo menor. Talvez por preconceitos adquiridos através da visão de anarquistas, anarcossindicalistas, socialistas e comunistas, que viam no esporte um fator de alienação à causa operária. Talvez por ter sido usado como veículo para a popularização de governos, especialmente no período militar. Talvez, mais recentemente, pelas denúncias de corrupção por ocasião da organização da Copa de 2014 no Brasil. Não há como negar que, particularmente no Brasil, a prática futebolística está inserida nas relações sociais e, como tal, sujeita a novas participações, a novos sentidos e a novos significados.  Desta forma, é parte integrante das mudanças engendradas pelo processo histórico brasileiro. Desta forma, desprezar o tema é rejeitar o cotidiano, o lúdico, o sentimento que permeia gerações, por onde insatisfações, frustrações e explorações são extravasadas, mesmo sem clareza, de um povo que sempre lutou, que continua lutando, mesmo quase sempre seguindo a sina da perda, da derrota diária. Certo é que o futebol é um reflexo do que somos e de como temos olhos ao mundo.

 

ABSTRACT 

The designed by Brazil football

The theme of football is not, on the part of the great majority of historians and academics, attention. At least until the late 1970s and early 1980s. Many see it as something minor. Perhaps because of prejudices acquired through the vision of anarchists, anarcho-syndicalists, socialists and communists, who saw in sport a factor of alienation from the cause of the working class. Perhaps because it was used as a vehicle for a popularization of governments, especially in the military period. Perhaps more recently, allegations of corruption during the organization of the 2014 World Cup in Brazil. There is no denying that, particularly Brazil, a physical practice is embedded in social relations, as such, subject to new participations, new senses and new meanings. In this way, it is an integral part of the changes engendered by the Brazilian historical process. In this way, to despise the theme is to reject the daily, the playful, the feeling that permeates generations, where dissatisfactions, frustrations and exploitations are spilled, even without clarity, of a people who always fought, who continues fighting, even almost always following the sina of loss, of daily defeat. Football is a reflection of who we are and how we look at the world.


Palavras-chave


Futebol; Proliferação; Imaginário; Controle social

Texto completo:

PDF

Referências


-Aquino, A. Futebol uma paixão nacional. Rio de Janeiro. Jorge Zahar. 2002.

-Benjamin, W. “Brinquedos e Jogos”. In Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. Tradução de Marcos Mazzari. São Paulo. Duas Cidades/Editora 34. 2004.

-Boaventura, J. C. Sociologia Desportiva: o Taylorismo no futebol. Futebol em Revista, Lisboa. Ed. Perspectivas e Realidades, s/d.

-Buarque, F. “O moleque e a bola”, em Eduardo Coelho (org.). Donos da Bola. RJ. Língua Geral. 2006.

-Cunha, L. B. A verdadeira História do Futebol Brasileiro. RJ. Editora Publicitária. 1994.

-Damo, A. Do dom à profissão: Uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. Tese de Doutorado. Porto Alegre. UFRGS. 2005.

-Filho, M. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro. Firmo. 1994.

-Franco Junior, H. A Dança dos Deuses: futebol, sociedade, cultura. SP. Companhia das Letras. 2007.

-Giulianotti, R. Sociologia do futebol: dimensões históricas e socioculturais do esporte das multidões. São Paulo. Nova Alexandria. 2002.

-Guttmann, A. Games and Empires: modern sports and cultural imperialism. N. York: Columbia University Press, 1994, 275 p. Tony Mason. Passion of the people? Football in South America. London: Verso, 1995; Eduardo Santa Cruz. Origen y futuro de una passión: futbol, cultura y modernidad. Santiago: LOM – ARCIS. 1996.

-Herschmann, M.; Lerner, K. Lance de Sorte: o futebol e o jogo do bicho na Belle Époque. RJ. Diadorim. 1993.

-Hobsbawn, E. Nações e nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990; Benedict Andersen. Nação e consciência nacional. RJ. Ática. 1989.

-Houellebeck, M. O soldado de Tocqueville. Folha de S. Paulo. Caderno Mais!. 03/02/2008.

-Kfoer, F. Com o futebol explica o mundo. Trad. De Carlos Alberto Medeiros. RJ. Jorge Zahar. 2005.

-Mascarenhas, G. A bola nas redes e o enredo do lugar. Uma geografia do futebol e de seu advento no Rio Grande do Sul. Tese de Doutorado em Geografia Humana. Universidade de São Paulo. 2001.

-Mazzoni, T. História do futebol no Brasil. SP. Leia. 1950.

-Pasolini, P. P. Il calcio è um linguaggio com i suoi sporti e prosatori. Il Giorno, 3/01/1971.

-Pereira, A. M. Footballmania: uma História Social do Futebol no Rio de Janeiro, 1902-1938. RJ. Nova Fronteira. 2000.

-Santos, J. R. História política do futebol brasileiro. São Paulo. Brasiliense. 1981.

-Sevcenko, N. Orfeu Estático na Metrópole. São Paulo. Cia. das Letras. 1992.

-Verdú, V. El fútbal: mitos, ritos y símbolos. Madri. Alianza Editorial. 1980.

-Vinnai, G. Futsbollsport als ideologie. Alemanha: EuropaischeVerlagsanstalt. 1970.

-Wahl, A. Le footballeur français: de l'amateurisme au salariat (1890-1926). Le Mouvement Social. Núm. 135. 1986.

-Wisnik, J. M. Veneno Remédio - o futebol e o Brasil. São Paulo. Cia. das Letras. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui