Influência de diferentes sistemas táticos sobre a intensidade de esforço e a fadiga de jogadores de futebol da categoria sub-17

Kevin Silva Araujo, Daniel dos Santos, Leonardo Ribeiro da Costa, Eliane Aparecida de Castro, Carlos Eduardo Pimenta, Luciana Moreira Motta Raiz, Belmar Ramos Junior, André Luiz Berzoti Ribeiro, Matheus Silva Queiroz

Resumo


O jogo de futebol é caracterizado como um esporte de alta intensidade com curtos intervalos de recuperação, sendo assim, parâmetros de mensuração de carga durante o jogo vem sendo analisados para evoluir o desempenho dos atletas. O objetivo deste estudo foi avaliar a influência de diferentes sistemas táticos sobre a intensidade de esforço (IE), potência e fadiga em 10 jogadores, com média de idade de 16,6 ± 0,5 anos. A frequência cardíaca (FC) foi monitorada através de monitores cardíacos (Firstbeat®) durante dois jogos simulados utilizando os sistemas táticos 1-4-4-2 (S-1) e 1-4-3-3 (S-2). Para quantificar os valores de potência máxima (Pmáx.) e potência mínima (Pmín) foi utilizado o teste de corrida anaeróbia RAST (Running-based anaerobic sprint test) em três momentos: T1– teste basal, T2 – teste pós (S-1), T3 – teste pós (S-2). Os valores de FC registrada nos jogos não demonstraram diferenças significativas quando comparado 1-4-4-2 x 1-4-3-3 (FCmáx S-1= 189.4 ± 8.18 e S-2= 193.6 ± 5.13 bpm) (p 0,151).  A FC média registrada no S-1 foi 162.6 ± 7.23 e S-2 = 164.3 ± 9.64 bpm (p 0,711). Os valores de potência não apresentaram alterações significativas quando comparadas nos três momentos (T1, T2, T2). Houve um aumento significativo nos valores do índice de fadiga entre os momentos T1 e T2 (*p < 0,05). Os resultados obtidos nesta pesquisa demonstram que ambos os sistemas táticos estudados apresentaram respostas semelhantes da FC e não foram capazes de alterar os valores de potência máxima e mínima nos jogadores.

 

ABSTRACT 

Influence of different tactical systems on the intensity of effort and fatigue of football players of the sub-17 category

The football game is characterized as a high intensity sport with short recovery intervals, thus, parameters of load measurement during the game have been analyzed to evolve the performance of athletes. The objective of this study was to evaluate the influence of different tactical systems on the intensity of effort (IE), power and fatigue in 10 players, with mean age of 16.6 ± 0.5 years. Heart rate (HR) was monitored through cardiac monitors (Firstbeat®) during two simulated games using the tactical systems 1-4-4-2 (S-1) and 1-4-3-3 (S-2). In order to quantify the values of maximum power (Pmáx) and minimum power (Pmin), the RAST (Running-based anaerobic sprint test) anaerobic running test was used in three moments: T1- baseline test, T2- ), T3 – post- test (S-2). The EI recorded in the games did not show significant differences when compared to 1-4-4-2 x 1-4-3-3 (HRmax S-1 189.4 ± 8.18 and 193.6 ± 5.13 bpm S-2) (p 0,151). The mean HR recorded in S-1 was 162.6 ± 7.23 and 164.3 ± 9.64 bpm S-2 (p 0,711). The power values did not present significant changes when compared in the three moments (T1, T2, T2). There was a significant increase in the values of the fatigue index between moments T1 and T2 (* p <0.05). The results obtained in this research demonstrate that both tactical systems studied presented similar responses of the HR and were not able to change the values of maximum and minimum power in the players.


Palavras-chave


Futebol; Índice de fadiga; Potência anaeróbia

Texto completo:

PDF

Referências


-Bangsbo, J.; e colaboradores. Activity profile of competition soccer. Canadian Journal of Sport Sciences. Vol. 16. Núm. 2. p. 110-116. 1991.

-Bara, M.; e colaboradores. Quantificação da carga de diferentes tipos de treinamento no futebol. Revista da Educação Física/UEM. Vol. 22. Núm. 2. p. 239-246. 2011.

-Bradley, P.S.; Vescovi, J.D. Velocity thresholds for women's soccer matches: sex specificity dictates high-speed running and sprinting thresholds - Female Athletes in Motion (FAIM). International journal of sports physiology and performance. Vol. 10. Núm. 1. p. 112-116. 2015.

-Costa, I.; e colaboradores. Princípios táticos do jogo de futebol: conceitos e aplicação. Motriz Revista de Educação Física. Vol. 15. Núm. 3. p. 657-668. 2009.

-Coelho, D.; e colaboradores. Intensidade de sessões de treinamento e jogos oficiais de futebol. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 22. Núm. 3. p. 211-18. 2008.

-Dal Pupo, J.; e colaboradores. Potência muscular e capacidade de sprints repetidos em jogadores de futebol. Revista Brasileira Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 12. Núm. 4. p. 255-261. 2010.

-Delextrat, A.; e colaboradores. Effect of a simulated soccer match on the functional hamstringsto-quadriceps ratio in amateur female players. Scandinavian Journal Medicine Science Sports. Vol. 23. p. 478-486. 2013.

-Draganidis, D.; e colaboradores. Recovery kinetics of knee flexor and extensor strength after a football match. PLoS One. Núm. 10. Num. 4. 2015.

-Karvonen MJ, Kentala E, Mustala O The effects of training on heart rate a longitudinal study. Annales Medicinae Experimentalis et Biologiae Fenniae. Vol. 35. p. 307-315. 1957.

-Krustrup P, Mohr M, Steensberg A, Bencke J, Kjaer M, Bangsbo J. Muscle and blood metabolites during a soccer game: Implications for sprint performance. Medicine Science Sports Exercise. Vol. 38. Núm. 6. p. 1165-1174. 2006.

-Krustrup, P.; e colaboradores. Maximal voluntary contraction force, SR function and glycogen resynthesis during the first 72 h after a high-level competitive soccer game. European Journal Applied Physiology. Vol. 111. Núm. 12. p. 2987-2995. 2011.

-Kunrath, C. A.; e colaboradores. Avaliação da intensidade do treinamento técnico-tático e da fadiga causada em jogadores de futebol da categoria sub-20. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 30. Núm. 2. p. 217-225. 2016.

-Mohr, M.; e colaboradores. Muscle temperature and sprint performance during soccer matches beneficial effect of re-warm-up at half time. Scandinavian Journal of Medicine Science Sports. Vol. 14. Núm. 3. p. 156-162. 2004.

-Mortimer, L.; e colaboradores. Comparação entre a intensidade do esforço realizada por jovens futebolistas no primeiro e no segundo tempo do jogo de Futebol. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. Vol. 6. Núm. 2. p. 154-159. 2006.

-Pelegrinotti, I. L.; e colaboradores. Análise da potência anaeróbia de jogadores de futebol de três categorias, por meio do “teste de velocidade para potência anaeróbia” (TVPA) do running based anaerobic sprint teste (RAST). Revista da Escola de Educação Física e Desporto-UFRJ. Vol. 4. Núm. 2. 2008.

-Pelegrinotti, I. L.; Braghin, R. S.; Stanganelli, L. C. R.; Mota, G. R.; Lopes, C. R. Comparação das respostas da frequência cardíaca de futebolistas juvenis em jogos oficiais com o teste de esforço. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 5. Núm. 17. p. 227-232. 2013. Disponível em:

-Shona, LH. Monitoring Training Load to Understand Fatigue in Athletes. Sports Medicine. Vol. 44. Núm. 2. p. 139-147. 2014.

-Stolen, T.; e colaboradores. Physiology of soccer. Sports Medicine. Vol. 35. Núm. 6. p. 501-536. 2005.

-Zacharogiannis, E.; e colaboradores. An evaluation of tests of anaerobic power and capacity. Medicine Science Sports Exercise. Vol. 36. Núm. 5. p. 116. 2004.

-Zagatto, A.; e colaboradores. Validity of the running anaerobic sprint test for assessing anaerobic power and predicting short-distance performances. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 23. Núm. 6. p. 1820-1827. 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui