Torcida única nos clássicos paulistas de Futebol: cobertura da mídia e efeitos no público e nas receitas de bilheteria

Ivan Furegato Moraes, Flávia da Cunha Bastos, Ary José Rocco Junior

Resumo


A violência no futebol, existente desde seus primórdios, persiste, principalmente entre os torcedores, apesar da profissionalização e mercantilização da modalidade. No Brasil, esse problema é crescente, com destaque aos conflitos ocorridos em São Paulo em 2016. Em resposta, autoridades decretaram medidas restritivas destacando-se a proibição de torcida visitante nos jogos entre as quatro principais equipes paulistas. A partir desse contexto a pesquisa objetivou evidenciar como a mídia abordou tal determinação e qual foi, após um ano, o seu efeito no público e nas receitas de bilheteria dos clubes. A análise da cobertura da mídia foi baseada no conteúdo publicado pela Folha de S. Paulo e pelo O Estado de S. Paulo no momento da decretação da medida e após um ano, com o material analisado pela Análise de Conteúdo. Sobre o público e a arrecadação, foi realizada uma análise documental e comparativa dos borderôs dos clássicos paulistas realizados no Campeonato Paulista de 2016 e 2017 e no Campeonato Brasileiro de 2015 e 2016 com foco no público total e visitante; na renda bruta geral e visitante; e no valor médio dos ingressos. Grande parte do material analisado era informativo, os principais personagens retratados foram representantes dos clubes, autoridades e especialistas e o conteúdo era majoritariamente contrário à medida, sendo verificado um aumento no público total e um saldo financeiro positivo. A pesquisa concluiu que, apesar dos jornais analisados terem sido contrários, a proibição de torcida visitante nos clássicos paulistas colaborou para o aumento de público e da renda dos clubes envolvidos.

 

ABSTRACT 

One team only´s fans at são paulo's football classics matches: media coverage and effects at public and in ticket office revenues

Violence in football, which existed since its beginnings, persists, especially among fans, despite its professionalization and commercialization. In Brazil, this problem has been increasing, with emphasis on the conflicts that occurred in São Paulo in 2016. In response, authorities decreed restrictive measures, especially the prohibition of away fans in matches between the four main teams of the state of São Paulo. From this context, the research aimed to show how the media approached this determination and what was the effect of it, after one year, on the public and on ticket office revenue of the affected clubs. The analysis of the media coverage was based on the content published by Folha de S. Paulo and O Estado de S. Paulo at the moment of the decree and after one year, with the material analyzed by Content Analysis. About the public and the tickets' revenue, a documentary and comparative analysis of the financial reports of the São Paulo's classics games held in the São Paulo Championship of 2016 and 2017 and in the Brazilian Championship of 2015 and 2016 was carried focused on the total and away public; on general and away gross income; and on the average value of the tickets. Most of the material analyzed was informative, the main characters portrayed were representatives of the clubs, authorities, and experts, and the content was largely contrary to the measure, with an increase in the total audience and a positive financial balance. The research concluded that, although the newspapers analyzed were contrary, the ban of away fans in the São Paulo's classics games contributed to the increase in the public and income of the clubs involved.


Palavras-chave


Futebol; Gestão do Esporte; Jornalismo Esportivo

Texto completo:

PDF

Referências


-Aldé, A. As eleições presidenciais de 2002 nos jornais. ALCEU. Vol. 3. Num. 6. p. 93-121. 2003. Disponível em:

-Associação Nacional De Jornais. Maiores jornais do Brasil em 2015. [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 05/06/2017.

-Bardin, L. Análise de conteúdo. 5ª edição. Lisboa. Edições 70. 281 p. 2013.

-Brasil. Secretaria Especial de Comunicação Social. Manual de Comunicação da Secom. [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 08/06/2017.

-Campos, C. Clássicos em São Paulo terão torcida única até o fim de 2016. O Estado de S. Paulo. São Paulo. 2016. Disponível em: . Acesso em: 08/06/2017.

-Campos, C.; Batista, D.; Marques, V. Torcida única nos estádios dará mais renda aos clubes. O Estado de S. Paulo. São Paulo. 2016. Disponível em: . Acesso em: 08/06/2017.

-Confederação Brasileira de Futebol. 2016. Regulamento Geral de Competições 2017. Disponível em: . Acesso em: 08/03/2018.

-Damatta, R. A bola corre mais que os homens. Rio de Janeiro. Rocco. 211 p. 2006.

-ESPN. A crise chegou? Preço médio do ingresso no Campeonato Brasileiro despenca. São Paulo. 2016. Disponível em: . Acesso em: 04/05/2018.

-Farias, A. M. L. D.; Laurencel, L. D. C. Estatística descritiva. Rio de Janeiro, RJ. Apostila. Universidade Federal Fluminense. 128 p. 2006.

-Federação Paulista de Futebol. Competições. [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 04/05/2018.

-Franzini, F. Corações na ponta de chuteira: Capítulos iniciais da história do futebol brasileiro (1919-1938). Rio de Janeiro. DP&A. 96 p. 2003.

-Freitas, A.; Vieira, S. O que é futebol?. Rio de Janeiro. Casa da Palavra. COB. 123 p. 2006.

-Gil, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª edição. São Paulo. Atlas. 176 p. 2002.

-Grellet, C. O marketing do futebol. In: A. C. K. Aidar; M. P. Leoncini; J. J. Oliveira (Org.), A nova gestão do futebol. 2ª edição. São Paulo. Editora FGV. 2002. p. 135-144. 2002.

-Gurgel, A. O futebol como agente de globalização. Revista de Economia & Relações Internacionais. Vol. 6. Num. 12. p. 48-64. 2008. Disponível em:

-Guterman, M. O Futebol Explica o Brasil: uma história da maior expressão popular do país. São Paulo. Contexto. 270 p. 2014.

-Kaser, K.; Oelkers, D. B. Sports and entretainment marketing. 4ª edição. Boston. South-Western. Cengage Learning. 440 p. 2014.

-Magalhães, Á. História natural do futebol. Lisboa. Assírio & Alvim. 256 p. 2004.

-Marin, E. C. Entretenimento: uma mercadoria com valor em alta. Movimento. Vol. 15. Num. 2. p. 211-213. 2009. Disponível em:

-Mascarenhas, G. Entradas e bandeiras: a conquista do Brasil pelo futebol. Rio de Janeiro. EdUERJ. 256 p. 2014.

-Mattoso, C. Governo impõe torcida única para clássicos em São Paulo. Folha de S. Paulo. São Paulo. 2016. Disponível em: . Acesso em: 04/05/2018.

-Mazzei, L. C.; Rocco Júnior, A. J. Um ensaio sobre a Gestão do Esporte: um momento para a sua afirmação no Brasil. Revista de Gestão e Negócios do Esporte (RGNE). Vol. 2. Num. 1. p. 96-109. 2017. Disponível em:

-Mendes Júnior, F. A.; Chiapeta, S. M. S. V. A violência nos estádios de futebol: uma análise dos pontos de vista intrínseco e extrínseco. efdeportes.com. Vol. 12. Num. 113. p. 1-5. 2007. Disponível em:

-Miguel, L. F. Quanto vale uma valência?. Revista Brasileira de Ciência Política. Num. 17. p.165-178. 2015. Disponível em:

-Moraes, R. Análise de conteúdo. Revista educação. Vol. 22. Num. 37. p. 7-32. 1999.

-Murad, M. A violência no futebol: novas pesquisas, novas ideias, novas propostas. 2ª edição. São Paulo. Benvirá. 264 p. 2017.

-Murad, M. Práticas de violência e mortes de torcedores no futebol brasileiro. Revista USP. Num. 99. p.139-152. 2013. Disponível em: https://goo.gl/Iz8xNF>

-Murad, M. 2012. Para entender a violência no futebol. São Paulo. Saraiva. 212 p.

-Nascimento, M. SSP, FPF, MP e Poder Judiciário definem medidas de combate à violência das torcidas organizadas. Secretaria de Segurança Pública. São Paulo. 2016. Disponível em: . Acesso em: 04/05/2018.

-Paneghine, R. Torcida única será mantida para clássicos de futebol em 2017. Secretária de Segurança Pública. São Paulo. 2016. Disponível em: . Acesso em: 04/05/2018.

-Portinari, N. Desde 2010, 113 pessoas morreram em brigas de torcida. Folha de S. Paulo. São Paulo, 4 abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 04/05/2018.

-Rocco Júnior, A. J. Marketing e gestão do esporte. São Paulo. Atlas. 120 p. 2012.

-Rodrigues, E. Torcida única em São Paulo reduz briga e causa discórdia. Folha de S. Paulo, São Paulo. 2017. Disponível em: . Acesso em: 04/05/2018.

-Rodrigues, F. X. F. A formação do jogador de futebol no Sport Club Internacional (1997-2002). Porto Alegre-RS. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 200 p. 2003.

-Sanglard, F. N. A representação da política no Jornal Nacional e a construção das identidades políticas dos jovens juiz-foranos. Juiz de Fora-MG. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Juiz de Fora. 147 p. 2012.

-Santos Neto, J. M. D. Visão do Jogo: Primórdios do futebol no Brasil. São Paulo. Cosac & Naify, 117 p. 2002.

-Somoggi, A. Entendendo as finanças dos clubes brasileiros em 2016. Lance!. São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 04/05/2018.

-Veal, A.; Darcy, S. Research methods in sport studies and sport management. Londres. Routledge. 584 p. 2014.

-Zenone, L. C. Marketing futebol clube. São Paulo. Atlas. 142 p. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui