Análise comparativa da capacidade cardiorrespiratória e da potência de membros inferiores em atletas de futebol e voleibol

Dalton Pinheiro Pinto, Evaldo Menezes Araujo, Waldivino Farias Batista Filho

Resumo


Objetivos: Analisar e comparar a potência de membros inferiores e a capacidade cardiorrespiratória em atletas de futebol e voleibol das categorias Sub-14 e Sub-15 em período competitivo em um clube na cidade de Ipatinga-MG. Amostra: Compuseram a amostra 32 atletas das categorias Sub-14 e Sub-15 em período competitivo, sendo 16 em cada modalidade, todos do sexo masculino, recrutados em um clube na cidade de Ipatinga-MG. Os 16 primeiros atletas de cada modalidade á preencherem os requisitos de inclusão participaram da pesquisa. Métodos: A coleta de dados foi realizada em quatro dias, durante os horários de treinamento. No primeiro dia foi realizado o preenchimento do questionário, no segundo realizou-se as avaliações antropométricas (peso e estatura) e estimativa de percentual de gordura (%G), no terceiro o Test Counter Moviment Jump (CMJ) e no quarto foi aplicado o Yo-Yo Test. Todos os voluntários assinaram um termo de assentimento, seguido pela assinatura dos pais ou responsáveis do termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais. Resultados: Encontrou-se diferença estatisticamente significativa (p<0.05) para a variável aptidão cardiorrespiratória entre os atletas de futebol para os atletas de voleibol, diferente para a potência de MMII onde não foi encontrada diferença estatisticamente significativa (p<0,05) para as modalidades. Conclusão: Observou-se diferença estatisticamente significativa entre os atletas de futebol para o voleibol na variável capacidade cardiorrespiratória, entretanto na potência de MMII os valores encontrados não apresentaram diferença significativa.

 

ABSTRACT 

Comparative analysis of cardiorespiratory capacity and lower limb potency in football and volleyball athletes

Objectives: To analyze and compare the power of lower limbs and cardiorespiratory capacity in football and volleyball athletes of the Sub-14 and Sub-15 categories during a competitive period in a club in the city of Ipatinga-MG, (besides verifying if the variables meet the standards proposed for health in the literature). Methods: The data collection was carried out in 4 days, during the training schedules of the sports modalities. On the first day, the questionnaire was filled in. On the second day, anthropometric assessments (weight and height), percentage of fat (% G), on the third day, the Test Counter Moviment Jump (CMJ) was administered to the MMII and on the fourth and last day the Yo-Yo Test was applied to evaluate the cardiorespiratory capacity. All the volunteers signed a consent form, followed by the signature of the parents or guardians. The present study was approved by the Ethics and Research Committee of the University Center of the East of Minas Gerais. Results: A statistically significant difference (p <0.05) was found for the cardiorespiratory aptitude variable among football athletes for volleyball athletes [54.25 ± 2.66 vs 49.42 ± 3.77 *], different for the power of lower limbs where no statistically significant difference (p <0.05) was found for the modalities [48.50 ± 6.49 vs 51.93 ± 5.37]. Conclusion: It was observed that there was a statistically significant difference among football athletes for volleyball in the variable cardiorespiratory capacity, however in the power of MMII the values found did not present significant difference between the modalities. Regarding the health standards proposed in the literature for the cardiorespiratory capacity variable, football athletes are classified as good, while volleyball athletes presented values considered to be bad. Analyzing the reference standards suggested by the literature, the power of LLM in both modalities obtained values considered normal for health. We suggest that more studies be carried out in order to compare different modalities, supporting more conclusively the results presented in this study.


Palavras-chave


Futebol; Voleibol; VO2 máximo; Potência de membros inferiores (MMII)

Texto completo:

PDF

Referências


-Añez, C. R. R.; Hino, A. A. F. Manual prático para a aplicação do teste de Vai-e-Vem (20m) de Léger. Disponível em:

-Bacheladenski, M. S.; Cassiano, F.; Queiroga, M. R. Estudo correlacional entre medidas antropométricas e altura de impulsão vertical em jogadores de voleibol infanto-juvenil. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 3. Num. 13. 2011. Disponível em:

-Bompa, T. O. Periodização: teoria e metodologia do treinamento. Phorte. 2002.

-Botelho, J. D. Análise do salto vertical em atletas do ensino fundamental do sub-15 ao sub-17 feminino da cidade de Rio Grande da Serra do estado de São Paulo. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 7. Num. 27. p. 512-516. 2016. Disponível em:

-Calheiros, S. D. T. P.; De Souza, T. M. F. Correlação entre medidas indiretas de mensuração do VO2 Máx em jogadores de futebol. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 5. Num. 15. 2013. Disponível em:

-Deurenberg, P.; Pieters, J. J.; Hautvast, J. G. The assessment of the body fat percentage by skinfold thickness measurements in childhood and young adolescence. British Journal of Nutrition. p. 293-303. 1990.

-Di Salvo, V.; e colaboradores. Performance characteristics according to playing position in elite soccer. International journal of sports medicine. Vol. 28. Num. 3. p. 222-227. 2007.

-Figueira, F. R.; Dos Santos, T. F.; Navarro, A. C. Identificação do volume de oxigênio máximo através do teste yo-yo em atletas de futebol da categoria sub-14 do grêmio foot-ball porto alegrense. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 1. Num. 1. p. 9. 2009. Disponível em:

-Giannichi, R. S.; Marins, J. Avaliação & Prescrição de Atividade Física. Guia Prático. Rio de Janeiro: Shape, 1996.

-Godik, M. A.; Gomes, A. C.; Mantovani, M. Futebol: preparação dos futebolistas de alto nível. Grupo de Palestra Sport. 1996.

-Gomes, A. C. Treinamento Desportivo: Estruturação e Periodização. Artmed. 2009.

-Gomes, A. C.; De Souza, J. Futebol: treinamento desportivo de alto rendimento. Artmed. 2009.

-Gomes, M. M.; e colaboradores. Características cinemáticas e cinéticas do salto vertical: comparação entre jogadores de futebol e basquetebol. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. Vol. 11. Num. 4. p. 392-399. 2009.

-Lees, A.; Vanrenterghem, J.; De Clercq, D. Understanding how an arm swing enhances performance in the vertical jump. Journal of biomechanics. Vol. 37. Num. 12. p. 1929-1940. 2004.

-Marins, J. C. B.; Giannichi, R. S. Avaliação e prescrição de atividade física. Rio de Janeiro. Shape. 2003.

-Marques, M. C.; Travassos, B.; Almeida, R. A força explosiva, velocidade e capacidades motoras específicas em futebolistas juniores amadores: Um estudo correlacional. Motricidade. Vol. 6. Num. 3. p. 5-12. 2010.

-Mcardle, W. D.; Katch, F. I.; Katch, V. L. Fisiologia do exercício: nutrição, energia e desempenho humano. Rio Janeiro: Traduzido por Giuseppe Taranto. 7ª edição. Rio Janeiro. Guanabara Koogan. 2011.

-Peterson, M. D.; Alvar, B. A.; Rhea, M. R. The contribution of maximal force production to explosive movement among young collegiate athletes. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 20. Num. 4. p. 867. 2006.

-Pinto, M. R.; De Azevedo, V. B.; Navarro, F. Alterações da composição corporal de jogadores profissionais de futebol do Rio Preto Esporte Clube. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 1. Num. 4. 2012. Disponível em:

-Rocha, C. D.; Ugrinowitsch, C.; Barbanti, V. J. A especificidade do treinamento e a habilidade de saltar verticalmente. Um estudo com jogadores de basquetebol e voleibol de diferentes categorias. Revista Digital EFDesportes. Vol. 10. p. 84. 2005.

-Sampaio, I. Estatística aplicada à experimentação animal. reimpressão. Belo Horizonte: Fundação de Estudo e Pesquisa em Medicina Veterinária e Zootecnia. [S.l.]: [s.n.], 2010.

-Santos Neto, J. N.; Navarro, F. Perfil do VO2 máximo em atletas de voleibol da categoria sub 17. RBPFEX-Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 3; Num. 17. 2011. Disponível em:

-Sargentim, S. Treinamento de força no futebol. São Paulo. Phorte. 2010.

-Serpa, T. K. F.; e colaboradores. Padrão de referência de jogadores de futebol de base do fluminense football club-aptidão física cardiorrespiratória. Biológicas & Saúde. Vol. 2. Num. 6. 2012.

-Silva, C. D.; Bloomfield, J.; Marins, J. C. B. A review of stature, body mass and maximal oxygen uptake profiles of U17, U20 and first division players in Brazilian soccer. Journal of sports science & medicine. Vol. 7. Num. 3. p. 309. 2008.

-Sousa, P.; Garganta, J.; Garganta, R. Estatuto posicional, força explosiva dos membros inferiores e velocidade imprimida à bola no remate em Futebol. Um estudo com jovens praticantes do escalão sub-17. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. Vol. 3. Num. 3. p. 27-35. 2003.

-Tricoli, V. A.; Barbanti, V. J.; Shinzato, G. T. Potência muscular em jogadores de basquetebol: relaçäo entre dinamometria isocinética e salto vertical. Rev. paul. educ. fís. p. 14-27. 1994.

-Vasques, F. E. A. S. Consumo máximo de oxigênio (VO2 MAX) em atletas amadores de futebol durante o período de competição. RBFF-Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 1. Num. 1. 2009. Disponível em:

-Wisloff, U.; e colaboradores. Strong correlation of maximal squat strength with sprint performance and vertical jump height in elite soccer players. British journal of sports medicine. p. 285-288. 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui