Influência da pré-temporada na composição corporal de atletas de Futsal

  • Ruan Portela Núcleo de Educação Fí­sica. Núcleo de Pesquisa em Saúde Coletiva/NUPESC, Universidade do Contestado, Campus Mafra, Mafra-SC, Brasil.
  • Letí­cia Hacke Núcleo de Educação Fí­sica. Núcleo de Pesquisa em Saúde Coletiva/NUPESC, Universidade do Contestado, Campus Mafra, Mafra-SC, Brasil.
  • Ademir Flores Núcleo de Educação Fí­sica. Núcleo de Pesquisa em Saúde Coletiva/NUPESC, Universidade do Contestado, Campus Mafra, Mafra-SC, Brasil.
  • Daniel Rogerio Petreca Núcleo de Educação Fí­sica. Núcleo de Pesquisa em Saúde Coletiva/NUPESC, Universidade do Contestado, Campus Mafra, Mafra-SC, Brasil.
Palavras-chave: Futebol, Educação física e treinamento, Composição corporal, Atletas

Resumo

A pré-temporada é um perí­odo em que os atletas iniciam sua preparação após uma interrupção. Muitos atletas iniciam essa fase com variações de desempenho fí­sico e de composição corporal. O presente estudo tem como objetivo verificar a influência de um microciclo no perí­odo de pré-temporada na composição corporal em atletas de uma equipe profissional de futsal. A amostra contou com 15 atletas profissionais de futsal, que disputaram a Divisão Especial do Campeonato Catarinense 2017. O microciclo de pré-temporada consistiu de 11 dias dispostos em 23 sessões de treinamento. No iní­cio e final do microciclo foram realizadas medidas antropométricas da massa corporal, estatura, perí­metros corporais, dobras cutâneas e diâmetros ósseos. Após, determinou-se o somatotipo e calculou-se o índice de massa corporal, o somatório de dobras cutâneas e o percentual de gordura. Foram verificadas diferenças estatí­sticas significativas entre pré-teste e pós-teste nas dobras cutâneas da crista íliaca (p-valor=0,006), abdominal (p-valor=0,002), no somatório de dobras cutâneas (p-valor=0,004) e no percentual de gordura (p-valor=0,002). Os resultados demonstraram que apesar de um perí­odo curto de tempo, variações de composição corporal ocorreram nos atletas.

Referências

-Benda, R. N.; Greco, P. J. Iniciação Esportiva Universal: da aprendizagem motora ao treinamento técnico. Belo horizonte, MG. UFMG. 2001.

-Braz T. V.; e colaboradores. Análise do desenvolvimento das capacidades físicas potência anaeróbica, potência aeróbica velocidade e força explosiva durante período preparatório de 6 semanas em futebolistas profissionais. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 6. Núm. 1. 2207. p. 61-72.

-Dantas, E. H. M. A prática da preparação física. 5ª edição. Rio de Janeiro. Shape. 2003.

-Dias, R. D. G.; e colaboradores. Efeito da pré-temporada no desempenho de atletas de futebol feminino. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 22. Núm. 2. 2016. p. 138-141.

-Frisselli, A.; Mantovani, M. Futebol: teoria e prática. São Paulo. Phorte. 1999.

-Heath, B. H.; Carter, J. E. L. A modified somatotype method. American Journal of Physical Anthropology. Vol. 27. 1967. p. 57-74.

-Housh, T. J.; Thorland, W. G.; Johnson, G. O.; Tharp, G. D.; Cisar, C. J.; Refsell, M. J.; Ansorge, C. J. Body composition variables as discriminators of sports participation on elite adolescent female athletes. Research Quartely. Vol. 55. Núm. 3. 1984. p. 302-304.

-Mala, L.; Maly, T.; Zahalka, F.; Bunc, V.; Kaplan, A.; Jebavy, R.; Tuma, M. Body composition of elite female players in five different sports games. Journal of human kinetics. Vol. 45. Num.1. 2016. p. 207-15.

-Matzenbacher, F.; Pasquarelli, B. N.; Rabelo, F. N.; Stanganelli, L. C. R. Demandas fisiológicas del futsal de competición: características físicas y fisiológicas de jugadores profesionales. Revista Andaluza de Medicina del Deporte. Vol. 7. Núm. 3. 2014. p.122-131.

-Melchiorri, G.; Ronconi, M.; Triossi, T.; Viero, V.; De, D. S.; Tancredi, V.; Alvero, J. C. Detraining in young soccer players. The Journal of sports medicine and physical fitness. Vol. 54. Num.1. 2014. p. 27-33.

-Nogueira Filho, A.; Boas, Y. Modificações na composição corporal de atletas de futsal durante a fase preparatória. 1º Congresso Internacional de Biodinâmica da UNESP. Rio Claro. p. 68. 2006.

-Pecararo, S.P.; Greco, C.C. Comparação de diferentes equações propostas para a estimativa da densidade e do percentual de gordura corporal. Revista do Centro Universitário Claretiano. Batatais. Vol. 1. 2006. p. 174-182.

-Petroski, E. L. Antopometria: técnicas e padronizações. 4ª. edição. Porto Alegre. Edio. 2009.

-Prado, W. L. D.; Botero, J. P.; Guerra, R. L. F.; Rodrigues, C. L.; Cuvello, L. C. F.; Dâmaso, A. R. Perfil antropométrico e ingestão de macronutrientes em atletas profissionais brasileiros de futebol, de acordo com suas posições. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 12. Núm. 2. 2006. p. 61-65.

-Santos Filho, J. L. A. Futsal, preparação física. Rio de Janeiro. Sprint. 1995.

-Silva, K. S.; Silva, F. Perfil Morfológico e velocidade dos jogadores de Futsal e a relação com a posição de jogo. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 1. Núm. 1. 2009. p. 64-73. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/viewFile/8/8>

-Stewart, A.; Marfell-Jones, M.; Olds, T.; Ridder, H. International standards for anthropometric assessment. ISAK. Lower Hutt. New Zealand. 2011.

-Tubino, M. J. G. Metodologia científica do treinamento desportivo. 3ª edição. São Paulo. Ibrasa. 1984.

-Weineck, J. Treinamento Ideal: instruções técnicas sobre o desempenho fisiológico, incluindo considerações específicas de treinamento infantil e juvenil. São Paulo. Manole. 1999.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
Portela, R., Hacke, L., Flores, A., & Petreca, D. R. (2018). Influência da pré-temporada na composição corporal de atletas de Futsal. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 10(40), 557-563. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/623
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original