Jovens atletas e as mí­dias sociais: percepções e alterações no contexto esportivo

  • Guilherme Bagni Docente na UNIARARAS - Fundação Hermí­nio Ometto, Araras-SP, Brasil. Doutorando na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Rio Claro-SP, Brasil
  • Kauan Galvão Morão Doutorando na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Rio Claro-SP, Brasil
  • Renato Henrique Verzani Doutorando na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Rio Claro-SP, Brasil
  • Afonso Antonio Machado Docente na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Rio Claro-SP, Brasil
Palavras-chave: Psicologia do Esporte, Futebol, Mídias sociais

Resumo

As mídias sociais, trouxeram modificações no ambiente esportivo, sendo que seus efeitos ainda não são claros. Esta pesquisa possui como objetivo verificar como os atletas veem as relações entre o mundo do esporte e as novas mí­dias. Participaram deste estudo 211 atletas de 10 equipes, todos participantes de um campeonato de âmbito nacional da categoria sub-20. Os jogadores apresentaram média de idade de 18 anos (± 0,97) e tempo de prática médio de 9 anos (± 3,27). Como instrumento foi utilizado um questionário, desenvolvido especificamente para a finalidade de entender essas relações entre médias sociais e atletas, composto por 4 perguntas abertas. A análise de conteúdo proposta por Franco (1994) foi utilizada para análise dos dados. Como resultados, grande parte dos atletas enxergam modificações positivas quanto ao surgimento das redes sociais. Os jogadores concordam que a concentraçõo e a atenção podem ser prejudicadas pela utilização de aparelhos celulares, especialmente em momentos importantes da competição. Porém, não é bem vista pelos atletas a retirada dos aparelhos eletrônicos em períodos competitivos, pois os mesmos indicam que isso pode ter efeito negativo. Os aparelhos eletrônicos parecem facilitar a adaptação em diferentes cidades, principalmente em relação aos conhecimentos sobre a cidade. Notamos que diversas mudanças ocorreram no âmbito esportivo promovidas pelas novas médias sociais, entretanto ainda não há um consenso quanto aos efeitos e possibilidades do uso dessas novas tecnologias. Assim, devemos ter atenção a tais alterações e buscar trabalha-las de modo que isso não prejudique ou tenha efeitos negativo na performance esportiva.

Referências

-Alcântara, C. Cumplicidade Virtu@l. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013.

-Bagni, G. Cyberhooligans: a manifestação da violência nas redes sociais. 91 f. 2016. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2015.

-Dias, D. G.; Santos, S. F.; Ernesto, T. S. O esfacelamento da identidade do sujeito pós -moderno vulnerável ao novo e antigo mal: o bullying. Persp. Online: hum. & sociais aplicadas, Campos dos Goytacazes. Vol. 2. p. 29-44. 2012.

-Filo, K.; Lock, D.; Karg, A. Sport and social media research: a review. Sport Management Review, Oxford. Vol.18. p.166-181. 2015.

-Franco, M.L.P.B. Ensino Médio: desafios e reflexões. Campinas: Papirus, 1994.

-Halloran, L. Mobile devices can be a real pain. The Journal for Nurse Practitioners, Philadelphia. Vol. 11. Num. 8. p. 832-833. 2015.

-Linhares, T. T. A proteção da criança e do adolescente em tempos de globalização e novas tecnologias. In: Congresso Internacional de Direito e Contemporaneidade: mídias e direitos da sociedade em rede, 2. 2013, Santa Maria. Anais... Santa Maria, 2013, p. 795-808.

-Morão, K. G. Os efeitos do sexting no contexto esportivo universitário: uma tentativa de traçar o perfil dos envolvidos. 134 f. 2017. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2017.

-Morão, K. G.; Verzani, R. H.; Bagni, G.; Machado, A.A. Redes sociais virtuais e o contexto esportivo: alterações emocionais em atletas. Simpósio Nacional ABCiber, 9., 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: PUC, 2016. p. 1166-1170.

-Picon, F.; Karam, R.; Breda, V.; Restano, A.; Silveira, A.; Spritzer, D. Precisamos falar sobre tecnologia: caracterizando clinicamente os subtipos de dependência de tecnologia. Revista Brasileira de Psicoterapia, Porto Alegre. Vol. 17. Num. 2. p.44-60. 2015.

-Rebustini, F.; Zanetti, M. C.; Moioli, A.; Schiavon, M. K.; Machado, A. A. Twitter e Esporte de Alto Rendimento. Coleção Pesquisa em Educação Física, Várzea Paulista. Vol. 10. Num. 6. p. 141-146. 2011.

-Sfoggia, A.; Kowacs, C. Sexualidade e novas tecnologias. Revista Brasileira de Psicoterapia, Porto Alegre. Vol. 16. Num. 2. p. 4-17. 2014.

-Verzani, R. H. Novas mídias sociais, atletas e coping: relações impertinentes. 2017. 130f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 2017.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
Bagni, G., Galvão Morão, K., Verzani, R. H., & Machado, A. A. (2018). Jovens atletas e as mí­dias sociais: percepções e alterações no contexto esportivo. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 10(40), 531-537. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/608
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original