Questões étnico-raciais no futebol Gaúcho: subsídio teórico para disciplina de Educação Física

Otávio Nogueira Balzano, Gilberto Ferreira da Silva, João Albert Steffen Munsberg

Resumo


No início do século XXI, a problemática das relações entre educação e diferenças étnico-raciais tem sido objeto de inúmeros debates, reflexões e pesquisas no Brasil e em todo o continente latino-americano, principalmente no campo das ciências sociais. Mas essa temática parece não sensibilizar os gestores e docentes dos cursos de formação em Educação Física, pois tanto no meio acadêmico como no senso comum persiste a ideia de que essa disciplina esteja relacionada apenas ao corpo (físico) e à prática esportiva. Este trabalho tem como objetivo contribuir para que o professor de Educação Física da escola básica, embasado em recursos teóricos, adote estratégias pedagógicas de valorização da diferença, reforçando a luta antirracista e questionando as relações étnico-raciais baseadas em preconceitos e comportamentos discriminatórios. Em termos metodológicos, trata-se de estudo de cunho bibliográfico exploratório, apresentando a discussão do tema das diferenças étnico-raciais contextualizadas ao futebol, mais especificamente no processo de inserção, resiliência e protagonismo do afro-brasileiro no futebol gaúcho. O texto está estruturado em três tópicos. Em Primeiro tempo abordam-se as principais formulações teóricas do Grupo Modernidade/Colonialidade (GM/C) sobre o processo de colonização do poder, do ser e do saber na América Latina, especificamente na relação com o afrodescendente e as questões étnico-raciais. No Segundo tempo apresenta-se um relato teórico da inclusão, resiliência e protagonismo do afro-brasileiro no futebol gaúcho, processo que ratifica os conceitos de “colonialidade do poder” e de raça trazidos pelo GM/C. Na Prorrogação analisa-se a disciplina de Educação Física na perspectiva de uma prática pedagógica transformadora para o ensino da mesma na escola, utilizando-se da modalidade futebol com o intuito de uma reflexão outra sobre as práticas dessa disciplina. Utiliza-se o futebol gaúcho como meio gerador para o processo de valorização e anunciação, pois esse esporte é de grande representatividade sociocultural no Rio Grande do Sul, fazendo parte do saber popular dos estudantes e estando inserido na formação sócio histórica e cultural do pesquisador. Constata-se que é fundamental que o professor de Educação Física valorize e divulgue, em suas aulas, a verdadeira história da contribuição do afro-brasileiro no Brasil, dando visibilidade e empoderamento a um grupo étnico ainda veladamente discriminado.

 

ABSTRACT 

Ethnic-racial issues in gaucho soccer: theoretical subsidy for physical education discipline

In the beginning of the XXI century, the problematic of the relations between education and ethnical-racial differences has been object of countless debates, reflections and researches in Brazil and in the Latin American continent, especially in the field of social sciences. This thematic seems not to sensitize the managers and docents of the formations courses in sport science, because even in the academic environment as in the common sense persists the idea that this discipline is related only to the body (physical) and the sportive praxis. This research has as a goal to contribute to that the teacher of sport science of the basic school, based in theoretical resources, adopts pedagogical strategies of the valorization of the differences, reinforcing the antiracist fight and questioning the ethnical-racial relations based in preconceptions and discriminatory behaviors. In methodological terms, it’s an exploratory bibliographical study, presenting the discussion of the ethnical-racial differences among soccer, specifically in the process of insertion, resilience and protagonism of the afro descendant in the gaucho soccer. Soccer is used as a generator mean to the process of valorization and annunciation, because this sport has a great sociocultural representability in the Rio Grande do Sul state, making part of the students’ popular knowledge and it’s inserted in the sociohistorical and cultural formation of the researcher. It was verified that is very important that the sport science’s teacher valorizes and proclaims, in his classes, the true history of the afro descendant in Brazil, giving visibility and empowering to a ethnical group still veiled discriminated.


Palavras-chave


Discriminação étnico-racial; Docência na Educação Física; Futebol Gaúcho; Educação básica

Texto completo:

PDF

Referências


-Anjos, J. L. Futebol no Sul: história da organização e resistência étnica. Revista Pensar a Prática. Vol. 10. Núm. 1. 2007.

-Pereira Filho, J. M.; Balzano, O. N. O futebol como proposta de atividade teórico reflexiva na Educação Física. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 16. Num. 155. 2011. Disponível em:

-Balzano, O. N.; Oliveira, D. M. N.; Pereira Filho, J. M. A retrospectiva histórica da discriminação e inserção dos jogadores de origem negra no futebol brasileiro. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15. Num. 149. 2010. Disponível em:

-Braga, H. P. A doce recordação do que não vivi: a formação da identidade nacional no futebol (1938-1950). Dissertação Mestrado. Universidade estadual de Campinas Faculdade de Educação Física. Campinas. 2015.

-Braga, K. Rolo Compressor: memória de um time fabuloso. 2ª edição. Porto Alegre. Já Editores. 2008.

-Brasil. Diretrizes Curriculares Nacionais Lei Federal nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que “estabelece diretrizes e bases da educação nacional”. 1996.

-Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais. Parecer nº 15, de 2 de junho de 1998. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. 1998.

-Brasil. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC. 2004.

-Candau, V. M. F.; Oliveira, L. F. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista. Belo Horizonte. Vol. 26. Núm. 1. p.15-40. 2010.

-Coimbra, D.; Pinto, A. A. N. História dos Grenais. Porto Alegre. Artes e Ofícios. 1994.

-Damatta, R. Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro. Pinakotheke. 1982.

-Damo, A. Futebol e identidade social: uma leitura antropológica das rivalidades entre torcedores e clubes. Porto Alegre. Editora da UFRGS. 2002.

-Daolio, J. Da cultura do corpo. Campinas. Papirus. 1995.

-Daolio, J. Cultura: educação física e futebol. 2ª edição. Campinas. Editora da UNICAMP. 2003.

-Darido, S. C. Os conteúdos da Educação Física Escolar: influências, tendências dificuldades e possibilidades. Revista: Perspectiva em Educação Física Escolar. Vol. 2. Núm.1. 2001.

-Endler, S. Tesourinha. Porto Alegre: Tchê/RBS. Coleção "Esses Gaúchos". 1984.

-Gerchmann, L. Somos azuis, pretos e brancos. Porto Alegre. Editora LPM. 2015.

-Guterman, M. O futebol explica o Brasil: uma história da maior expressão popular do país / Marcos Guterman. - São Paulo: Contexto, 2009.

-Helal, R.; Gordon Junior, C. Sociologia, história e romance na construção da identidade nacional através do futebol. In: A Invenção do País do Futebol: Mídia, Raça e Idolatria. Rio de Janeiro. Mauad. 2001.

-Jesus, G. M. Esporte e mito da democracia racial no Brasil: Memórias de um apartheid no futebol. 2001. Lecturas: Educación Física y Deportes Revista Digital. Disponivel em: . Acesso em: 25/05/2017.

-Jesus, G. M. A mutante dimensão espacial do futebol: forma simbólica e identidade. Revista Espaço e Cultura. Rio de Janeiro. Núm. 19-20. p. 61-70. 2005.

-Kunz, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí. Unijuí. 1994.

-Kunz, E. Esclarecimento e emancipação: pressupostos de uma teoria educacional crítica para a Educação Física. In: Revista Movimento. Escola de Educação Física. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Ano 5. Núm. 10. 1999.

-Mignolo, W. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In Lander, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires. Clacso. 2005. p. 71-103.

-Murad, M. “O Lugar Teórico da Sociologia do Futebol”. In: Futebol e Cultura Brasileira... (Pesquisa de Campo) (2). Rio de Janeiro: Departamento Cultural/UERJ. 1995.

-Oliveira, V. M. Educação Física humanista. Rio de Janeiro. Ao Livro Técnico. 1986.

-Pesavento, S. J. Os Excluídos da Cidade in Presença Negra no RS. Cadernos Ponto e Vírgula. Porto Alegre. Unidade Editorial. 1995.

-Pires, E. A História do Grêmio FBPA. Porto Alegre. Firmo. 1967.

-Quijano, A. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. in Lander, E. (Org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires. Clacso. 2005. p. 227-277.

¬¬¬30-Quijano, A. Colonialidad del poder y clasificación social. In Castrogómez, S.; Grosfoguel, R. (Orgs.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidade epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores. 2007. p. 93-126.

-Rodrigues Filho, M. O negro no futebol brasileiro. 4ª edição. Rio de Janeiro. Mauad, 2003.

-Schwarcz, L. M. Nomeando as diferenças: A construção da ideia de raça no Brasil. São Paulo. USP. 1992.

-Soares. A. J.; Lovisolo, H. R. A construção histórica do estilo nacional. Revista Brasileira de Ciência do Esporte. Campinas. Vol. 25. Núm 1. 2003.

-Walsh, C. Pensamiento crítico y matriz (de)colonial. Reflexiones latinoamericanas. Quito. Ediciones Abya-Yala. 2005. p. 13-35.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui