Estudos sobre a visão dos árbitros em relação as suas atuações na categoria infantil, da modalidade Futsal nos jogos escolares Maranhenses 2014

  • Raimundo José de Jesus Faculdade Estácio de São Luís.
  • Bruno Luiz Galvão de Miranda Faculdade Estácio de São Luís.
  • Diogo Matheus Barros da Silva Faculdade Estácio de São Luís.
  • Ester da Silva Caldas Faculdade Estácio de São Luís.
  • Ezequias Rodrigues Pestana Universidade Ceuma. Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil.
  • Marlon Lemos de Araújo Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil. Faculdade Estácio de São Luís.
Palavras-chave: Educação Física Escolar, Futsal, Escolares, Esportiva, Prática Escolar

Resumo

O objetivo do presente estudo foi analisar a visão dos árbitros diante de suas atuações na categoria infantil, da modalidade futsal nos Jogos Escolares Maranhenses de 2014. A amostra foi composta por 14 árbitros, do gênero masculino, escalados para atuar no JEM's 2014. Para analisar a amostra foi aplicado um questionário com 09 perguntas semiabertas. Foi identificado que 78,57% da amostra está acima dos 31 anos, o ensino médio completo com 42,85% foi o maior nível de escolaridade, 100% dos árbitros possuem o curso de formação, com 42,85% o tempo de atuação encontrado foi 1-2 anos, a vocação com 92,85% foi maior motivo para a escolha profissional, 85,71% dos pesquisados acreditam não ser necessário uma formação específica para atuar na categoria infantil, o critério mais utilizado para atuar no JEM'S foi a indicação com 78,57%. Assim constata-se a falta de mulheres dentro do quadro de arbitragem da federação, o curso de formação de árbitros é obrigatório para atuar em jogos, o tempo de atuação mostra que a maior parte da amostra está no início da carreira, a vocação para o trabalho é maior que a rentabilidade e o critério para atuar no JEM's não considera ter experiência com o público ou o ambiente em questão. Conclui-se que é possível identificar tendências dentro desta profissão (árbitro), e torna-se claro que o árbitro necessita analisar sua forma de atuação nos JEM’s, pois a mesma deve ser direcionada aos objetivos da proposta escolar que o esporte oferece ao desenvolvimento infantil.

 

ABSTRACT 

Study about the referees' vision regarding their performances in the School Games of Maranhão 2014 in the infantile category of futsal sport

The objective of this study was to analyze the referees' view on their performances in the children's category, of the futsal modality in the School Games Maranhenses of 2014. The sample consisted of 14 male referees who worked at JEM's 2014. To analyze the sample, a questionnaire was applied with 9 semi-open questions. It was identified that 78.57% of the sample is over 31 years of age, the high school with 42.85% was the highest level of schooling, 100% of the referees had the training course, 42.85% of the participants presented the work time of 1-2 years, the vocation with 92.85% was the major reason for the professional choice, 85.71% of the sample believe that they do not need specific formation to work in the category of children, the criterion of choice to work at JEM's was the indication with 78.57%. The results showed the lack of women referees in the federation, training of referees is mandatory for work in games, working time shows that most of the sample is early in the career, vocation to work was higher than profitability and the criterion of choice to work at JEM's does not consider the experience with the public or the environment in question. It is concluded that it is possible to identify trends within this profession (referee), and it becomes clear that the referee needs to analyze his / her way of acting at JEM's, which should be directed towards the school objective that the sport offers for child development.

Biografia do Autor

Raimundo José de Jesus, Faculdade Estácio de São Luís.

Graduado em Educação Física pela Faculdade Estácio de São Luís.

Bruno Luiz Galvão de Miranda, Faculdade Estácio de São Luís.

2017 – Especialização em andamento em Treinamento Desportivo.

Centro Universitário Leonardo da Vinci – Uniasselvi, Brasil.

2014 – 2016 – Graduação em Educação Física.

Faculdade Estácio de São Luís

Diogo Matheus Barros da Silva, Faculdade Estácio de São Luís.

2017 – Especialização em andamento em Treinamento Desportivo.

Centro Universitário Leonardo da Vinci – Uniasselvi, Brasil.

2014 – 2016 – Graduação em Educação Física.

Faculdade Estácio de São Luís

Ester da Silva Caldas, Faculdade Estácio de São Luís.

2017 – Especialização em andamento em Treinamento Desportivo.

Centro Universitário Leonardo da Vinci – Uniasselvi, Brasil.

2014 – 2016 – Graduação em Educação Física.

Faculdade Estácio de São Luís

Ezequias Rodrigues Pestana, Universidade Ceuma. Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil.

2013 - 2015 - Mestrado em Saúde do adulto e da criança.

Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil.

1996 - 2002 - Graduação em Educação Física.

Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil.

Marlon Lemos de Araújo, Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil. Faculdade Estácio de São Luís.

2016 – Doutorado em andamento em Ciências da Saúde.
Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil.

2014-2016 – Mestrado em Saúde Materno-infantil.

Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil.

Professor do curso de Educação Física.

Faculdade Estácio de São Luis, MA, Brasil.

2010-2012 – Especialização em Engenharia Corporal.

Universidade Veiga de Almeida, UVA/RJ, Brasil.

2006-2010 – Graduação em Educação Física.

Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil.

Referências

-Bracht, V. Esporte de Rendimento na Escola. In: Stigger, M. P.; Lovisolo, H. (Orgs.) Esporte de Rendimento e Esporte na Escola. Campinas: Autores Associados. p.11-27. 2009.

-Cavalcante, C. S. Socializando Crianças de 9 à 11 anos através do Futsal. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Edição Especial: Pedagogia do Esporte. Vol. 5. Num. 18. p.302-307. 2013. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/204/201>

-Costenaro, L. A.; Mendes, J. C. Futsal: Reflexão da Prática Escolar. Medianeira-PR. 2009.

-Ferreira, H. C. A.; Simim, M. A. M.; Noce, F.; Samulski, D. M.; Costa V. T. Análise do estresse em árbitros de futsal. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 8. Num. 1. 2009.

-Hortmann, K.; Martins, M. V. Variáveis antropométricas de árbitros de futsal de guarapuava. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 5. Num. 15. p.15-20. 2013. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/160/159>

-Nunes R.; Shigunov V. Auto-estima do árbitro de futebol profissional do estado de Santa Catarina. R. da Educação Física/UEM. Vol. 13. Num. 2. p.71-79. 2002

-Ministério do Esporte. Segundo Tempo na Escola, 2013. Disponível em: <http://www.esporte.gov.br/index.php/institucional/acesso-a-informacao/150-ministerio-do-esporte/segundo-tempo-na-escola>. Acesso em: 20/03/2017.

-Pereira A. J.; Aladashvile G. A.; Silva A. I. Causas que levam algumas pessoas a desistirem da carreira de árbitro profissional de futebol. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 5. Num. 1. 2007.

-Rolim, R. M. O escolher “ser” árbitro de futebol e a motivação para prática sob o olhar da psicologia do esporte: investigação centrada na tecnologia do google™ docs. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Rio Claro. 2014.

-Rose Junior, D. Esporte e atividades físicas na infância e na adolescência: uma abordagem multidisciplinar. Porto Alegre. Artmed. 2002.

-Santana, W. C. Futsal: apontamentos pedagógicos na iniciação e na especialização. 2. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

-Silva, S.A. Construção e validação de um instrumento para medir o nível de estresse dos árbitros dos jogos esportivos coletivos. Dissertação de Mestrado. Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2004.

Publicado
2017-09-10
Como Citar
Jesus, R. J. de, Miranda, B. L. G. de, Silva, D. M. B. da, Caldas, E. da S., Pestana, E. R., & Araújo, M. L. de. (2017). Estudos sobre a visão dos árbitros em relação as suas atuações na categoria infantil, da modalidade Futsal nos jogos escolares Maranhenses 2014. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 9(35), 422-428. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/551
Seção
Artigos Científicos - Original