Análise de aptidão física de adolescentes praticantes de Futsal

Victor Célio Silva, Francisco Alex Alves Teixeira, Felipe Rocha Alves, Evanice Avelino de Souza

Resumo


Nesse sentido o presente estudo objetivou analisar a aptidão física de adolescentes praticantes de futsal, bem como investigar sua relação com a categoria e frequência semanal de treinos. Participaram desta investigação 38 adolescentes do sexo masculino com idades entre 13 e 17 anos, de uma escola particular da cidade de Caucaia, Ceará. A aptidão física foi estimada pelos seguintes testes propostos pelo Projeto Esporte Brasil (PROESP-BR), força explosiva de membros inferiores (salto horizontal), força explosiva de membros superiores (arremesso de medicineball), agilidade (teste do quadrado), velocidade de deslocamento (corrida de 20 metros) e capacidade cardiorrespiratória: resistência geral (9 minutos). Inicialmente, recorreu-se a estatística descritiva (médias e desvio padrão), adotando-se p<0,05. Analisando a aptidão física por categorias (sub-13, sub15 e sub-17) foi registrado melhor desempenho para o sub-17, nos seguintes testes: agilidade (6,06±4,79), velocidade (3,67±5,09), força de membros inferiores (FMI) (195,50±24,11) e força de membros superiores (FMS) (397,00±119,00). O sub-15 apresentou melhor desempenho na resistência geral (9 minutos) com uma média de (165,18m). Em relação à frequência semanal de treinos os adolescentes que treinam 5 vezes por semana apresentaram melhor desempenho em todos os testes. Os resultados mostraram que aptidão física pode estar relacionada à faixa etária e frequência de treinamentos, sugere-se que estudos sobre aptidão física tenham seus resultados apresentados aos professores e/ou técnicos de modalidades esportivas como ferramenta de auxílio na preparação de seus treinos.

 

ABSTRACT 

Analysis of physical fitness among adolescent futsal players

In this sense, the present study aimed to analyze the physical fitness of teenage soccer players, as well as to investigate their relationship with the category, and weekly training frequency. Thirty-eight male adolescents between the ages of 13 and 17 participated in this study, from a private school in the city of Caucaia, Ceará. Physical fitness was estimated by the following tests proposed by PROESP-BR, explosive strength of lower limbs (horizontal jump), explosive upper limb force (medicine ball pitch), displacement velocity (20-meter run), cardiorespiratory capacity general resistance (9 minutes). Initially, we used descriptive statistics (means and standard deviation), adopting p <0.05. Analyzing the physical fitness by categories (sub-13, sub15 and sub-17) the best performance for sub-17 was recorded in the following tests:  agility (6.06 ± 4.79), velocity (3.67 ± 5, 09), lower limb strength (IMF) (195.50 ± 24.11), upper limb strength (FMS) (397.00 ± 119.00). The sub-15 presented better performance in the general resistance (9 minutes) with a mean of (165.18m). Regarding the weekly training frequency, adolescents who train 5 times a week presented better performance in all tests. The results showed that physical fitness may be related to age group and frequency of training, it is suggested that studies on physical fitness have their results presented to teachers and / or coaches of sports modalities as a tool to assist in the preparation of their training.


Palavras-chave


Futsal; Avaliação; Aptidão Física

Texto completo:

PDF

Referências


-Alves, C.; Lima, R.V.B. Impacto da atividade física e esportes sobre o crescimento e puberdade de crianças e adolescentes. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 26. Num. 4. 2008. p.388-391.

-Barbanti, V.J. Dicionário de Educação Física e Esporte. Barueri. Manole. 2003.

-Bello, J.N. A ciência do esporte aplicada ao futsal. Rio de Janeiro. Sprint. 1998.

-Bompa, P.O. Treinamento total para jovens campeões. Tradução de Cássia Maria Nasser. Revista Cientifica de Aylton J. Figueira Jr. Barueri: Manole, 2002. p. 120.

-Coledam, D.H.C.; Pinto, F. P.; Santos, J. W. Desenvolvimento da flexibilidade, impulsão vertical e agilidade, através da prática do futebol utilizando os métodos global e situacional. V Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana e XI Simpósio Paulista de Educação Física. Rio Claro. Motriz. 2007.

-Cyrino, E.S; Altimari, L.R.; Okano, A.H; Coelho, C.F. Efeitos do treinamento de futsal sobre a composição corporal e o desempenho motor de jovens atletas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento Brasília. Vol. 10. Num. 1 p. 41-46. 2000.

- Duarte, C.R.; Matsudo, V.K.R. Efeito de dois programas de atividade física sobre aptidão física geral de escolares. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 2. Num. 2. 1985. p.67-72.

-Ferreira, M.; Böhme, M. T. S. Diferenças sexuais no desempenho motor de crianças: influência da adiposidade Corporal. Revista Paulista de Educação Física. Vol.12. Num. 2. 1998. p. 92-181.

-Gaya, A.; Silva, G. Projeto Esporte Brasil. Manual de aplicação de medidas e testes, normas e critérios de avaliação. PROESP-BR. Porto Alegre. 2007.

-Gallahue, D.L. Conceitos para maximizar o desenvolvimento da habilidade de movimento especializado. Revista de Educação Física/UEM. Vol. 16. Num. 2. 2005.

-Gallahue, D. L. Educação física desenvolvimentista. Cinergis, Santa Cruz do Sul. Vol. 1. Num. 1. 2000. p. 7-18.

-Gallahue, D.L.; Ozmun J.C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebes, crianças, adolescentes e adultos. Phorte. 2005. p. 600.

-Guedes, D.P.; Barbanti, V.J. Desempenho motor em crianças e adolescentes. Revista Paulista de Educação Física, Vol. 9. Num. 1. 1995. p. 37-50.

-Guedes, D.P.; Guedes, J.E.R.P. Esforços físicos nos programas de Educação Física Escolar. Revs. Paul. Educ. Física. Vol. 15. Num. 1. 2001. p. 33-44.

-Haywood, K.M.; Getchell, N. Desenvolvimento motor ao longo da vida. 3ª edição. Artmed. 2004. 344p.

-Jones, M.A.; Hitchen, P. J.; Stratton, G. The importance of considering biological maturity when assessing physical fitness measures in boys and girls aged 10 to 16 years. Annals of Human Biology, Vol. 27. 2000. p. 57-65.

-Junior, A.; Gasparatto, J. A prática do futsal como meio de iniciação esportiva e suas implicações pedagógicas. Revista Digital, Buenos Aires. Num. 128. 2009. Disponível em: . Acesso em: 13/06/2016.

-Lima, A.M.J.; Silva, D.V.G.; Souza, A.O.S. Correlação entre as medidas direta e indireta do VO2 max em atletas de futsal. Revista Brasileira Medicina do Esporte. Vol. 1. Num. 3. 2005. p. 164-166.

-McArdle, W.D.; Katch, F.I.; Katch, V.L. Fisiologia do Exercício: Energia, Nutrição e Desempenho Humano. Tradução de Giuseppe Taranto. 3ª edição. Guanabara Koogan. 1991. p. 510.

-Machado, F.A.; Guglielmo, L.G.A; Denadai, B.S. Velocidade de Corrida Associada ao Consumo Máximo de Oxigênio em Meninos de 10 e 15 anos. Revista brasileira de medicina do esporte. Vol. 8. Num. 1. 2002. p. 1-6.

-Malina, R.M.; Bouchard, C. Growth, maturation and physical activity. Champaign: Human Kinetics Books. 1991.

-Oliveira, M.C. Influência do ritmo na agilidade em futebol. In: XXIII Simpósio Internacional de Ciências do esporte: 2000. São Paulo. Simpósio do Milênio. São Caetano do Sul. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2000. p. 146.

-Platonov, V. N. Tratado geral de treinamento desportivo. São Paulo: Phorte 2008.

-Ré, A.H.N.; Bojikian, L.P.; Teixeira, C.P.; Bohme, M.T.S. Relações entre crescimento, desempenho motor, maturação biológica e idade cronológica em jovens do sexo masculino. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 19. 2005. p. 153-162.

-Silva, A.; Ulbrich, A. A iniciação ao futsal para crianças: os riscos da especialização precoce. Revista Caminhos. “Dossiê Saúde”. Rio do Sul. Num. 3. 2011. p. 121-133.

-Weineck, J. Treinamento Ideal. Manole. 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui