Torcedores de clubes de Futebol da cidade de Florianópolis: perfil sociodemográfico e comportamental

Walan Robert Silva, Kamyla Thais Dias De Freitas, Helton Perereira De Carvalho, Thiago Emannuel Medeiros, Fernando Luiz Cardoso

Resumo


O objetivo do estudo foi verificar os perfis sociodemográfico e comportamental dos frequentadores de estádios de futebol, associados ao seu time e às torcidas organizadas ou não. Foi aplicado um questionário que mensurou o perfil sociodemográfico e comportamental dos torcedores de futebol. Participaram da presente pesquisa 638 torcedores, com idade média de 29,5 (dp 12,4) anos, sendo 69,6% homens e 30,4% mulheres. Os resultados mostraram que torcedores mais velhos de forma geral têm melhores condições financeiras. Os torcedores organizados, seguido pelos torcedores associados possuem maior vínculo com o clube, além de serem os que mais consomem produtos relacionados ao clube. Ainda, os torcedores organizados foram os que mais se mostraram irritados após uma derrota do clube. Assim, conclui-se que quanto maior a ligação do torcedor com o clube, maior são seus gastos com o mesmo, além de uma maior quantidade e intensidade de emoções vinculadas a ele e a sua performance.

 

ABSTRACT

Florianopolis city football clubs: sociodemographic and behavioral profile

The aim of study was to verify the sociodemographic and behavioral profiles of the football stadium goers, associated or not, to their teams and groups of football fans. A questionnaire was applied that measured the socioedemographic profile and behavior of football fans. Participated in this study 638 people with an average age of 29.5 ± 12.4 years; 69.6% male and 30.4% female. The results showed that the older fans generally have better financial conditions. Organized fans, followed by the associate’s supporters have greater bond with the club, and they are the ones who consume more products related to their clubs. Still, the organized fans were the group that showed angry after a defeat of their clubs. Thus, we conclude that the greater the fan connection with the club, the greater are their costs with the same, besides a larger amount of emotions and intensity linked to clubs performances. 


Palavras-chave


Futebol; Torcedores; Esporte

Texto completo:

PDF

Referências


-Anjos, L. A. “Vôlei masculino é para homem”: representações do homossexual e do torcedor a partir de um episódio de homofobia. Revista Movimento. Porto Alegre. Vol. 21. Núm. 1. 2015.

-Bee, C.; Kahle, L. Relationship marketing in sports: A functional approach. Sports Marketing Quarterly. Vol. 15. Núm. 2. p. 102-110. 2006.

-Biscaia, R.; Correia, A.; Rosado, A. Perfil sociodemográfico e motivos do espectador de basquetebol. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. Vol. 32. Núm. 2-4. p. 199-216. 2010.

-Braga, J. As Torcidas Uniformizadas (Organizadas) de Futebol no Rio de Janeiro nos anos 1940. Esporte e Sociedade. Vol. 5. Núm. 14. 2010.

-Critcher, C. Football since the war. In: Clarke, J.; Critcher, C.; Johnson, R. (Orgs.). Working class culture: Studies in history and theory. Londres. Hutchinson. p. 161-184. 1979.

-Damatta, R. Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro. Pinakotheke. 1982.

-Fagundes, A. F. A.; Veiga, R. T. Fatores que influenciam a satisfação dos torcedores na ida aos estádios de futebol no Brasil e sua intenção de retorno. In: Anais EnANPAD. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. ANPAD. 2013.

-Hansen, V. Torcida organizada Os Fanáticos: relacionamento e sociabilidade. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Departamento de Educação Física. Setor de Ciências Biológicas. Universidade Federal do Paraná. 2007.

-Hollanda, B. B. B. Torcidas organizadas no Brasil e na França: considerações preliminares para uma comparação. Razón y Palabra. Núm. 69. p. 1-18, 2009.

-Huizinga, J. Homo Ludens: O Jogo Como Elemento da Cultura. 6ª edição. São Paulo. Perspectiva. 2010. 243 p.

-Kowalski, M. Futebol: a esportivização do brasileiro. Viçosa. Ed. da Univ. Fed. de Viçosa. 2009.

-Lagemann, F. Análise do sentimento de segurança dos torcedores no estádio de futebol: um estudo a partir da instituição do JECrim no Estádio Olímpico Monumental. TCC de Bacharel em Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2010.

-Laraia, R.B. Cultura: um conceito antropológico. 24ª edição. J. Zahar. 2009.

-Lima, G. E. Estudo sobre a satisfaço e associação dos frequentadores da arena do Grêmio. TCC de Bacharel em Administração. Departamento de Ciências Administrativas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2014.

-Lopes, F. T. P.; Cordeiro, M. P. Torcidas organizadas do futebol brasileiro: singularidades e semelhanças com outros grupos de torcedores da América do Sul e da Europa. Revista Espaço Acadêmico. Núm. 104. p. 75-83. 2010.

-Mullin, B. J.; Sutton, W. A. Marketing Esportivo. 2ª edição. Porto Alegre. Artemd. 2004.

-Pimenta, C. A. M. Violência entre Torcidas Organizadas de Futebol. São Paulo em Perspectiva. São Paulo. Vol. 14. p.122-128. 2000.

-Rinaldi, W. Futebol: manifestação cultural e ideologização. Revista da Educação Física /UEM. Maringá. Vol. 11. Núm. 1. p.167-172. 2000.

-Rosenfeld, A. Negro, macumba e futebol. São Paulo. Edusp/Perspectiva. 1993.

-Rubio, K. O imaginário da derrota no esporte contemporâneo. Psicologia e Sociedade. Porto Alegre. Vol. 18. Núm.1. p. 86-91. 2006.

-Rufino, A. Guia Brasileiro de Arenas Multiuso. São Paulo. Trevisan Editora. 2012.

-Turner, J. C.; Oakes, P. The significance of the social identity concept for social psychology with reference to individualism, interactionism and social influence. British Journal of Social Psychology. Vol. 25. Núm. 3. p.237-252. 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui