A influência do tempo de posse de bola no resultado dos jogos da Liga Nacional de Futsal

  • Fabio Ramos de Oliveira Grupo de Pesquisas em Comportamento Motor, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG, Brasil.
  • Fabian Alberto Romero Clavijo Grupo de Pesquisas em Comportamento Motor, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG, Brasil.
  • Bruno Feijo Burkle Laboratório de Comportamento Motor, Escola Superior de Educação Física, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas-RS, Brasil.
  • Ricardo Drews Grupo de Pesquisas em Comportamento Motor, Faculdade de Educação Física e Fisioterapia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG, Brasil; Laboratório de Comportamento Motor, Escola Superior de Educação Física, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas-RS, Brasil.
Palavras-chave: Análise de desempenho, Esporte coletivo, Esporte de alto rendimento, Posse de bola, Futsal

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar a relação entre o tempo de posse de bola e os resultados em jogos da Liga Nacional de Futsal. Foram analisadas 176 partidas oficiais da Liga Nacional de Futsal do Brasil nos anos de 2016, 2017, 2018, 2019 e 2020. Foram coletados os dados dos times participantes, ano e fase do campeonato, placar e o percentual do tempo de posse de bola. Para verificar possíveis diferenças no percentual do tempo de posse de bola foram realizados Testes t de student para todos os jogos e, separadamente, por fase do campeonato. Para analisar as diferenças no percentual do tempo de posse de bola entre as equipes mandantes e visitantes em todos os jogos foi realizada uma Anova one-way. Além disso, foi realizada uma correlação de Pearson para examinar a relação entre a diferença de tempo de posse de bola e diferença de gols. Os resultados descritivos mostraram que as equipes com menor posse de bola venceram em 104 das 176 partidas analisadas. A análise inferencial considerando todos os jogos revelou que as equipes perdedoras tiveram maior posse de bola que as equipes vencedoras. Resultados similares foram encontrados nas análises específicas da fase de grupos, quartas de final e semifinal. Encontrou-se também que as equipes mandantes apresentaram maior posse de bola, em comparação com as visitantes. Os resultados do presente estudo permitem concluir que um menor tempo de posse de bola é um indicador de vitórias na Liga Nacional de Futsal.

Referências

-Álvares, J. C. B.; D'Ottavio, S.; Vera, J. G.; Castagna, C. Aerobic fitness in futsal players of different competitive level. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 23. Num. 7. 2009. p. 2163-2166.

-Arruda, A. F. S.; Aoki, M. S.; Miloski, B.; Freitas, C.G.; Moura, N.R.; Moreira, A. Playing match venue does not affect resting Salivary steroids in elite Futsal players. Physiology & Behavior. Vol. 155. 2016. p. 77-82.

-Caetano, R. A.; Voser, R. C.; Moraes, J. C.; Cardoso, M. S. Análise do tempo de posse de bola e a sua influência no resultado dos jogos do campeonato mundial de futsal. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 7. Num. 23. 2015. p. 16-20.

-Campos, F. A. D.; Pellegrinotti, I. L.; Pasquarelli, B.N.; Rabelo, F.N.; Santa Cruz, R.A.R.; Gómez, M.A. Effects of game-location and quality of opposition in futsal league. International Journal of Performance Analysis in Sport. Vol. 15. Num. 2. 2015. p. 598-607.

-Castagna, C.; D’Ottavio, S.; Vera, J. G.; Álvarez, J. C. B. Match demands of professional Futsal: a case study. Journal of Science and Medicine in Sport. Vol. 12. Num. 4. 2009. p. 490-494.

-Collet, C. The possession game? A comparative analysis of ball retention and team success in European and international football, 2007-2010. Journal of Sports Sciences. Vol. 31. Num. 2. 2013. p. 123-136.

-Corrêa, U. C.; Davids, K.; Silva, S. L.; Denardi, R. A.; Tani, G. The influence of a goalkeeper as an outfield player on defensive subsystems in futsal. Advances in Physical Education. Vol. 4. Num. 2. 2014. p. 84-92.

-Delani, F.; Prazeres, M. S.; Mendes. L.; Melo, G. F.; Ferreira, S. M. B.; Santos, P. L. S. Diferenças entre o futebol brasileiro e o europeu sob a perspectiva de um jogador. Lecturas: Educación Física y Deportes. Num. 87. 2005. p. 8.

-Dogramaci, S. N.; Watsford, M. L.; Murphy, A. J. Time-motion analysis of international and national level futsal. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 25. Num. 3. 2011. p. 646-651.

-Dogramaci, S.; Watsford, M.; Murphy. A. Changes in futsal activity profiles in a multiday tournament. The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness. Vol. 55. Num. 7. 2015. p. 722-729.

-Duarte, R. Análise da utilização da posse de bola durante o processo ofensivo no futsal. Contributo para a determinação da eficiência colectiva. Motricidade. Vol. 4. Num. 2. 2008. p. 78-83.

-Gómez, M. Á.; Moral, J.; Lago-Peñas, C. Multivariate analysis of ball possessions effectiveness in elite futsal. Journal of Sports Sciences. Vol. 33. Num. 20. 2008. p. 2173-2181.

-Franco Júnior, H. Brasil, país do futebol? Revista USP. Num. 99. 2013. p. 45-56.

-Hopkins, W. G. A Scale of Magnitudes for Effect Statistics. 2002. Disponível em: http://www.sportsci.org/resource/stats/effectmag.html. Acesso em: 18/03/2021.

-Ismail, S. I.; Nunome, H. The key performance indicators that discriminate winning and losing, and successful and unsuccessful teams during 2016 FIFA Futsal World Cup. Science and Medicine in Football. Vol. 3. 2020. p. 68-75.

-Kumahara, R.; Barbieri, F. A.; Leme, J. A.; Machado, A. A. Análise qualitativa das ações e do sistema de jogo de equipes profissionais de futsal. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 8. Num. 1. 2019. p. 65-70.

-Lago-Ballesteros, J.; Lago-Peñas, C. Performance in Team Sports: Identificando as Chaves para o Sucesso no Futebol. Journal of Human Kinetics. Vol. 25. Num. 2010. 2010. p. 85-91.

-Lago, C.; Martín, R. Determinants of possession of the ball in soccer. Journal of Sports Sciences. Vol. 25. Num. 9. 2007. p. 969-974.

-Leite, W. S. S. The effect of home advantage in professional futsal. Trends in Sport Science. Vol. 2. Num. 24. 2017. p. 81-85.

-Leite, W. S. S.; Almeida, C. H. Competitive-level and mid-term effects on the magnitude of home advantage in Portuguese futsal. International Journal of Performance Analysis in Sport. Vol. 18. Num. 1. 2018. p. 184-194.

-LNF. Liga nacional de futsal. 2021. Disponível em: https://ligafutsal.com.br/. Acesso em: 18/03/2021.

-Machado, M. A. P. A posse de bola como fator determinante para a vitória na Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 3. Num. 8. 2011.

-Makaje, N.; Ruangthai, R.; Arkarapamthu, A.; Yoopat, P. Physiological demands and activity profiles during futsal match play according to competitive level. Journal of Sports Medicine and Physical Fitness. Vol. 52. Num. 4. 2012. p. 366 -374.

-Michelini, M. C. O Futsal a partir da Teoria de Esportes Coletivos de Claude Bayer. TCC de Graduação. Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas. Campinas. 2007.

-Novaes, R. B.; Rigon, T. A.; Dantas, L. E. P. B. T. Modelo do jogo de futsal e subsídios para o ensino. Movimento. Vol. 20. Num. 3. 2014. p. 1039-1060.

-Oliveira, L. L.; Tamanini, L.; Dornelles, R. F. M.; Brancher, E. A. A relação entre o número de finalizações, passes e desarmes de bola com o resultado em jogos de futsal. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 10. Num. 37. 2018. p. 221-227.

-Paludo, A. C.; Rabelo, F. N.; Batista, M.M.; Maciel, I.R. Tartaruga, M.P.; Simões, A.C. Game location effect on pre-competition cortisol concentration and anxiety state: A case study in a futsal team. Revista de Psicología del Deporte. Journal of Sport Psychology. Vol. 29. Num. 1. 2020. p. 105-112.

-Santana, W. C. Futsal: Apontamento Pedagógicos na Iniciação e Especialização. 2ª edição. Autores Associados. 2008.

-Santana, W. C.; Istchuck, L. L.; Conceição, F. R. A.; Guilardi, C. S.; Ronque, Ê. E. V. Análise de jogo no futsal: ações defensivas e o contra-ataque. Pensar a Prática. Vol. 17. Num. 2. 2014.

-Santos, J.; Mendez-Domingues, C.; Nunes, C.; Gomez, M. A.; Travassos, B. Examining the key performance indicators of all-star players and winning teams in elite futsal. International Journal of Performance Analysis in Sport. Vol. 20. Num. 1. 2020. p. 78-89.

-Sarmento, H.; Bradley, P.; Aguera, M. T.; Polidos, T.; Resende, R.; Campaniços, J. Quantifying the offensive sequences that result in goals in elite futsal matches. Journal of Sports Sciences. Vol. 34. Num. 7. 2016. p. 621-629.

-Sarmento, H.; Marcelino, R.; Anguera, M. T.; Campaniço, J.; Matos, N.; Leitão, J. Match analysis in football: A systematic review. Journal of Sports Sciences. Vol. 32. Num. 20. 2014. p. 1831-1843.

-Travassos, B.; Davids, K.; Araújo, D.; Esteves, T.; P. Performance analysis in team sports: Advances from an Ecological Dynamics approach. International Journal of Performance Analysis in Sport. Vol. 13. Num. 1. 2013. p. 83-95.

-Voser, R.C. Futsal: princípios técnicos e táticos. Editora da Ulbra. 2003.

Publicado
2022-06-20
Como Citar
Oliveira, F. R. de, Clavijo, F. A. R., Burkle, B. F., & Drews, R. (2022). A influência do tempo de posse de bola no resultado dos jogos da Liga Nacional de Futsal. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 14(57), 81-93. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/1215
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original