A percepção da dor e a motivação em jogadores de futebol: contribuições da neurociência

  • Victor Matheus Lopes Martinez Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Brasil.
  • Samuel Greggio Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Brasil.
Palavras-chave: Dor, Motivação, Futebol, Neurociência

Resumo

Este artigo trata sobre uma revisão bibliográfica acerca da percepção da dor e como esta afeta a motivação e os estados psicológicos em jogadores de futebol. Para tanto, foi realizada uma pesquisa narrativa de cunho bibliográfico utilizando as bases eletrônicas PubMed, Scielo e Capes. O objetivo geral deste estudo foi identificar a relação existente entre a percepção da dor e a motivação em jogadores de futebol. Com os resultados, percebeu-se que, mesmo com dor, os atletas, em casos de suportá-la, evitam informá-la à comissão técnica por medo de ficarem de fora do elenco (perdendo a titularidade e relevância). Além disso, os atletas são muito afetados na motivação, principalmente no que tange os fatores psicológicos em momentos de lesões, chegando a casos de depressão e estresse quando ficam longos períodos afastados. Conclui-se, então, que os atletas se motivam intrinsecamente em sua maioria. O treinador, bem como suas metodologias, são os principais fatores de motivação extrínseca A percepção subjetiva exacerbada da dor é um dos fatores desmotivacionais, principalmente em casos de lesões, o que ocorre em função do caráter heroico que se cria em torno do atleta e da alta competitiva de cobrança de rendimento. Justamente por isso, deve ser feito um acompanhamento psicológico com estes jogadores tanto de divisões maiores quanto menores, buscando auxiliá-los sempre, não somente em momentos de lesão. Sugere-se ainda que sejam conduzidos mais estudos na área para uma maior compreensão do fenômeno estudado.

Referências

-Appaneal, R. N.; Levine, B. R.; Perna, F. M.; Roh, J. L. Measuring postinjury depression among male and female competitive athletes. Journal of Sport and Exercise Psychology. Vol. 31. Núm. 1. p. 60-76. 2009.

-Araújo, D.M.E.; Ferreira, M.V.N.; Oliveira, W.R.S. Expectativas de crianças e adolescentes que frequentam escolinhas de futebol. Anais do III Encontro de Educação Física e Áreas Afins. Núcleo de Estudo e Pesquisa em Educação Física (NEPEF). Departamento de Educação Física. UFPI. 2008.

-Assa, T.; Geva, N.; Zarkh, Y.; Defrin, R. The type of sport matters: Pain perception of endurance athletes versus strength athletes. European Journal of Pain. Vol. 23. Núm. 4. p.686-696. 2019.

-Balbinotti M. A. A.; Zambonato F.; M. L. L. Barbosa, R. P.; Saldanha, C. A. A. Motivação à prática regular de atividades físicas e esportivas: um estudo comparativo entre estudantes com sobrepeso, obesos e eutróficos. Motriz. Vol. 17. Núm. 3. p.384-394. 2011.

-Borg, G. Psycophysical bases of perceived exertion. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 14. p.377-81. 1982.

-Brown, D. J.; Fletcher, D. Effects of Psychological and Psychosocial Interventions on Sport Performance: A Meta-Analysis. Sports of Medicine. Vol. 47. Núm. 1. p.77-99. 2017.

-CBF. Confederação Brasileira de Futebol. Raio x do futebol: Salário dos jogadores. 2016. Disponível em: https://www.cbf.com.br/a-cbf/informes/index/raio-x-do-futebol-salario-dos-jogadores> . Acesso em: 03/06/2020.

-Cohen, S.; Kamarck, T. E; Mermelstein, R. A global measure of perceived stress. Journal of health and social behavior. Vol. 24. Núm. 4. 385-396. 1983.

-Corrêa, D.K.A.; e colaboradores. Excelência na produtividade: a performance dos jogadores de futebol profissional. Psicologia: Reflexão e Crítica. Vol. 15. Núm. 2. p.447-460. 2002.

-Dantas, T. M.; Lima, D. L. F. Projeto Estácio fic/fut3: o que ele representa para adolescentes. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 10. Núm. 36. p.58-62. 2018.

-Deci, E.; Ryan, R. M. Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum Press. 1985.

-Deci, F. Why We do What We do: understandig self-motivation. Penguin Books. 1995.

-Dubois, D. Y.; Gallagher, R. M.; Lippe, P. M. Pain medicine position paper. Pain Medicine, Glenview. Vol. 10. Núm. 6. p. 973-1000. 2009.

-Engelmann, E. A motivação de alunos dos cursos de artes de uma Universidade Pública do Norte do Paraná. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Londrina-PR. 2010

-Foster, C.; e colaboradores. A new approach to monitoring exercise training. Journal of Strength and Conditioning Research, Champaign. Vol. 15. Núm. 1. p.109-115. 2001.

-Markunas, M. Reabilitação Psicológica do Atleta Lesionado. In Rúbio, K. Psicologia do Esporte Aplicada. São Paulo. Casa do Psicólogo. 1º edição. 2003.

-Martinez, V. M. L. A educação física escolar e os fatores motivacionais. Piracanjuba-GO. Editora Conhecimento Livre. 2020.

-Maximiano, A. C. A. Teoria Geral da Administração. São Paulo. Editora Atlas. 2004.

-Monteiro, D.; Teixeira, D. S.; Travassos, B.; Duartne-Mendes, P.; Moutão, J.; Machado, S.; Cid, L. Perceived Effort in Football Athletes: The Role of Achievement Goal Theory and Self-Determination Theory. Frontiers in Psychology. Vol. 9. p.1575. 2018.

-Moura, P. V.; Silva, Emília A . P. C.; Silva, Priscilla P. C.; Freitas, Clara M. S. M.; Caminha, I. O. Revista Brasileira de Ciência do Esporte. Vol. 35. Núm. 4. p.1005-1019. 2013.

-Nicholls, J. Achievement Motivation: Conceptions of Ability, Subjective Experience, Task Choice, and Performance. Psychological Review. Vol. 91. Núm. 3. p. 328-346. 1984.

-Oliveira, E. H. Motivação nas Aulas de Educação Física: perspectiva dos alunos do ensino fundamental. Dissertação de Mestrado em Educação. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. 2018.

-OMS. Organização Mundial da Saúde. CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. São Paulo. EDUSP. 2003.

-Pereira, A. M.; Silva, M. C. Perfil e perspectivas de jogadores das categorias sub-13 e sub-15 de clubes profissionais de futebol de campo da cidade de Pelotas-RS. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 7. Núm. 25. p.342-348. 2015.

-Peterson, L. Lesões do esporte: prevenção e tratamento. 3ª edição. Manole. 2002.

-Pizani, J.; Barbosa-Rinaldi, I. P.; Miranda, A. C. M.; Vieira, L. F. (Des) motivação na Educação Física escolar: uma análise a partir da teoria da autodeterminação. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 38. Núm. 3. p. 259-266. 2016.

-Redelmeier, D. A.; Kahneman, D. Patients' memories of painful medical treatments: real-time and retrospective evaluations of two minimally invasive procedures. Pain. Vol. 66. Núm. 1. p.3-8. 1996.

-Redelmeier, D. A.; Katz, J.; Kahneman, D. Memories of colonoscopy: a randomized trial. Pain. Vol. 104. Núm. 1-2. p.187-94. 2003.

-Rezer, R. A prática pedagógica em escolinhas de futebol/ futsal: possíveis perspectivas de superação. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Universidade Federal de Santa Cantarina. 2003.

-Ribeiro, V. B.; Oliveira, S. R. G.; Silva, F. G. Preditores psicológicos, reações e o processo de intervenção psicológica em atletas lesionados. Ciências e Cognição. Vol. 18. Núm. 1. p. 70-88. 2013.

-Rubio, K.; Godoy Moreira, F. A representação da dor em atletas olímpicos brasileiros. Revista Dor. Vol. 8. Núm. 1. p. 926-935. 2007.

-Samulski, D. M. Psicologia do Esporte: teoria e aplicação prática. Belo Horizonte. Universidade Federal de Minas Gerais. 1992. 167 p.

-Silva, J.A.; Ribeiro-Filho, N. P. Avaliação psicofísica da percepção da dor. Psicologia USP. São Paulo. Vol. 22. Núm. 1. p.223-263. 2011.

-Silva, E. M.; Rabelo, I.; Rúbio, K. A dor entre atletas de alto rendimento. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte. Vol. 3. Núm. 4. 2010.

-Simões, R.; Pellegrinotti, I. L. Elaboração e validação do instrumento percepção do corpo na performance esportiva - Pecopes. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 39. Núm. 4. p. 389-397. 2017.

-Soares, A. J. G.; Melo, L. B.; Costa, F. R.; Bartholo, T. L.; Bento, J. O. Jogadores de futebol no Brasil: mercado, formação de atletas e escola. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 33. Núm. 4. p.905-921. 2011.

-Takase, E. Neurociência do esporte e do exercício. Neurociências. Vol. 2. Núm. 5. p. 1-07. 2005.

-Weinberg, R. S.; Gould, D. Fundamentos da Psicologia do Esporte e do Exercício. 2ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2001.

-Wiese-Bjornstal, D. M. Psychology and socioculture affect injury risk, response, and recovery in high-intensity athletes: a consensus statement. Scandinavian journal of medicine and science in sports. Vol. 20. suppl. 2. p.103-111. 2010.

Publicado
2022-03-24
Como Citar
Martinez, V. M. L., & Greggio, S. (2022). A percepção da dor e a motivação em jogadores de futebol: contribuições da neurociência. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 13(56), 780-790. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/1179
Seção
Artigos Científicos - Revisão