Análise da visibilidade da seleção brasileira masculina de futsal na folha de S. Paulo em 2008, 2012 e 2016

  • Guilherme Habinoski Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG, Ponta Grossa-PR, Brasil.
  • Edilson de Oliveira Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG, Ponta Grossa-PR, Brasil.
  • Miguel Archanjo de Freitas Junior Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG, Ponta Grossa-PR, Brasil.
Palavras-chave: Futsal, Visibilidade midiática, Folha de S.Paulo

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a visibilidade do Futsal Masculino da Seleção Brasileira no caderno de Esporte da Folha de São Paulo, nos anos de 2008, 2012 e 2016. Para tal, antepôs pelos desígnios metodológicos da Análise de Conteúdo, pois são profícuos na verificação analítica de coberturas jornalísticas esportivas. A partir da metodologia designada, identificou-se uma diminuição no número de textos publicados sobre a equipe brasileira durante os anos determinados, fator que pode interferiro crescimento da modalidade em âmbito nacional e no aumento do seu público.

Biografia do Autor

Edilson de Oliveira , Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG, Ponta Grossa-PR, Brasil.

Atualmente é doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Aplicadas e Professor Colaborador do Departamento de Educação Física, ambos na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG); Possui mestrado em Ciências Sociais Aplicadas (UEPG); especialização em Educação Física Escolar (UEPG) e graduação em Licenciatura em Educação Física (UEPG); Integrante do Núcleo de Estudos, Esporte, Lazer e Sociedade; Tem experiência na área de Educação Física Escolar, com ênfase em pesquisas etnográficas ligadas a questões sociais, culturais e históricas do futebol amador de Ponta Grossa, Paraná, Brasil.

Miguel Archanjo de Freitas Junior, Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG, Ponta Grossa-PR, Brasil.

Possui doutorado em História pela Universidade Federal do Paraná (2009), mestrado em Ciências Sociais Aplicadas pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2000); Professor do Departamento de Educação Física da UEPG, professor do Programa Stricto Sensu em Ciências Sociais Aplicadas (UEPG); Líder do Grupo de Pesquisa Esporte, Lazer e Sociedade; membro do grupo de Pesquisa Futebol e Sociedade; Diretor da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da UEPG; Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em História, Sociologia, Antropologia da Educação Física e do Esporte, atuando principalmente em pesquisas ligadas a questões históricas e sociais do futebol.

Referências

-Amaral, S. C. F. Políticas Públicas. In: Gomes, C. L. (Org.) Dicionário Crítico do Lazer. Belo Horizonte. Autêntica Editora. 2004. p.181-85.

-Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa. Edições 70. 2011.

-Bastos, M. Falcão nega agressor a jogador espanhol. Folha de S. Paulo, São Paulo, 21 out. 2008. Caderno de Esporte. p. D3.

-Bezerra, P. R. M. O futebol midiático: Uma reflexão crítica sobre o jornalismo nos meios eletrônicos. Dissertação de Mestrado em Comunicação. Comunicação Social. Departamento de Comunicação. Faculdade Cásper Líbero. São Paulo. 2008.

-Bolso cheio. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 set. 2008. Caderno de Esporte. p. D2.

-Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília-DF. Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 20/01/2020.

-Caballero, N. A cogestão como administradora do patrocínio esportivo no Brasil: uma análise dos casos Palmeiras-Parmalat e Fluminense Unimed-Rio. Podium Sport, Leisure and Tourism Review. Vol. 3. Núm. 3. p. 36-44. 2014.

-Cavalcanti, E. A.; Capraro, A. M. A mídia e o ídolo Ronaldo: analisando as matérias da Folha online (2002-2009). Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 35. Núm. 3. p.741-755. 2013.

-COM GOL a 19s8 do final, Brasil é penta. Folha de S. Paulo. São Paulo, 19 nov. 2012. Caderno de Esporte. p. D7.

-Couto, J, G.; Armadilhas do fácil. Folha de S. Paulo, São Paulo, 13 out. 2008. Caderno de Esporte. p. D5.

-Dávila, S. Folha explica motivos de nova reestruturação. 2016. Disponível em:<https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2016/09/13/folha-explica-motivos-de-nova-reestruturacao.html>. Acesso em: 13/05/2020.

-Falta de organização deixa público fora e vazios nas arquibancadas. Folha de S. Paulo, São Paulo, 01 out. 2008. Caderno de Esporte. p. D2.

-Falcão. Carreira. 2016. Disponível em: < https://www.falcao12.com/carreira/>. Acesso em: 12/03/2020.

-Folha de S. Paulo. Imagem do Jornal da Folha de São Paulo, edições 31.686, São Paulo, jan. 2016. Disponível em: <https://acervo.folha.com.br/leitor.do?numero=20458&anchor=6012429&origem=busca&pd=b5aa2712b89b0e00f0849c5763a3db9b>. Acesso em: 10/12/2019.

-Folha de S. Paulo. Seções. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/institucional/cadernos_diarios.shtml>. Acesso em: 17/01/2020.

-Freitas Junior, M. A; Gabriel, B. J. Quantas vezes, o que e como a seleção brasileira de futebol feminino foi noticiada? Analisando a cobertura esportiva da Folha de S. Paulo em 2015. Recorde. Rio de Janeiro. Vol. 11. Núm. 1. p. 1-27. 2018.

-Gabriel, B. J.; Freitas Junior, M. A. O discurso acerca da seleção brasileira presente na Folha de S. Paulo durante o ano de realização da “Germany World Cupâ€. Rev Bras Educ Fís Esporte. São Paulo. Vol. 30. Núm. 2. p. 371-383. 2016.

-Gil, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª edição. São Paulo. Atlas. 2008.

-Gol ainda não tem titular definido. Folha de São Paulo, São Paulo, 29 set. 2008. Caderno de Esporte. p. D5.

-Helal, R. Mídia, construção da derrota e o mito do herói. Motus Corporis. Vol. 5. Núm. 2. p. 141-155. 1998.

-Howe, D. Sport, professionalism and pain: ethnographies of injury and risk. New York: Routledge. 2004.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=resultados>. Acessado em 15/12/2019.

-Instituto Verificador de Comunicação. Disponível em: <https://ivcbrasil.org.br/#/home>. Acesso em: 20/09/2019.

-Jorge, T. M. A notícia e os valores-notícia: O papel do jornalista e dos filtros ideológicos no dia a dia da imprensa. Unirevista. Vol. 1. Núm. 3. 2006.

-Marcellino, N. C. Lazer e esporte: políticas públicas. Campinas. Autores Associados. 2001.

-Marques, R. F. R.; Marchi Junior, W. A cobertura midiática sobre o futsal masculino no Brasil: perspectiva dos atletas da seleção brasileira principal. Movimento. Vol. 25. 2019.

-Mezzadri, F. M.; Cavichiolli, F. R.; Souza, D. L. Lazer e esporte: subsídios para o desenvolvimento e a gestão de políticas públicas. Jundiaí. Fontoura. p. 61-74. 2006.

-Ministério do Esporte. Diesporte. Junho, 2015.

-Pacete, L. G. Folha explica motivos de nova reestruturação. 2016. Disponível em:<https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2016/09/13/folha-explica-motivos-de-nova-reestruturacao.html>. Acesso em: 13/05/2020.

-Pires, G. L. Mídia, esporte e ilusão. In: Fórum Internacional de Esporte e Lazer. Rio de Janeiro. SESC. 2006.

-Reis, L. Tem Copa? Folha de S. Paulo, São Paulo, 8 mai. 2011. Caderno de Esporte. p. D8

-Rival celebra não ver anfitrião. Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 out. 2008. Caderno de Esporte. p. D2.

-Sanfelice, G. R. Campo midiático e campo esportivo: suas relações e construções simbólicas. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 31. Núm. 2. p.137-153. 2010.

-Santana, W. C. A Visão Estratégico Tática de Técnicos Campeões da Liga Nacional de Futsal. Tese de Doutorado em Educação Física. Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas. Campinas. 2008.

-Santos, F. M. C.; Ré, A. H. N. Características do futsal e o processo de formação de jogadores. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 6. p. 73-85. 2014.

-Secretaria da Educação e do Esporte (2020). Jogos Escolares do Paraná. Disponível em: <http://www.jogosescolares.pr.gov.br/arquivos/File/2020/REGULAMENTO_GERAL_67_JEPS_2020.pdf>. Acesso em: 27/02/2020.

-Tavares, O. Megaeventos Esportivos. Revista Movimento. Vol. 17. 3. p. 11- 35. 2011.

-Traquina, N. Teorias do Jornalismo - Porque as notícias são como são. 2ª edição. Florianópolis. Insular. 2005.

-Traquina, N. Teorias do Jornalismo, Volume II: A tribo jornalística - uma comunidade interpretativa transnacional. 2ª edição. Florianópolis. Insular. 2008.

-Título no Rio vale R$60 mil. Folha de S. Paulo. São Paulo, 21 out. 2008. Caderno de Esporte. p. D3.

-Voser, R. C. Futsal: Princípios técnicos e táticos. Canoas. Editora da ULBRA. 2003.

-Voser, R. C; Giusti, J. G. O futsal e a escola: uma perspectiva pedagógica. 2ª edição. Porto Alegre. Penso. 2015.

-Wolf, M. Teorias das comunicações de massa. São Paulo. Martins Fortes. 2003.

Publicado
2021-07-17
Como Citar
Habinoski, G., Oliveira , E. de, & Freitas Junior , M. A. de. (2021). Análise da visibilidade da seleção brasileira masculina de futsal na folha de S. Paulo em 2008, 2012 e 2016. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 13(52), 47-59. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/1059
Seção
Artigos Científicos - Original