Sarriá 82: o que faltou ao Futebol arte

  • José Dantas de Sousa Junior Programa de pós-graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal-RN, Brasil.

Resumo

Procuramos aqui fazer uma análise sobre o livro “Sarriá 82: O que faltou ao futebol arte”, do jornalista Renato Zanata junto com o colecionador de jogos Gustavo Roman. Temos o objetivo de desmascarar alguns mitos existentes na historia do esporte brasileiro, especificamente o Futebol, aproveitando o trabalho aqui analisado. Esse esporte, a maior paixão do povo brasileiro, o mais praticado de todo o mundo, não apenas neste século, mas desde o século passado. Podemos dizer que no final da década de 50, até o início dos anos 80, o Brasil teve os melhores jogadores do mundo, o que trouxe ao brasileiro um complexo de superioridade e de “já ganhou” nos eventos que iria disputar. Conseqüentemente, com algumas derrotas ao longo da história, surgiram vilões, responsáveis e “bode expiatórios”. Exemplos, Barbosa em 1950 e Toninho Cerezo em 1982. Muito mais fácil colocar a culpa de uma derrota em um cidadão que não é bonito, de cor escura e de bigode, em vez de lançar sobre um treinador com outro perfil, mais simpático e carismático, mas que comandava o time da forma como queria, sem ouvir ninguém e recusar um empate por puro orgulho, não somente seu como também representando a sensação de um povo, ou de sua maior parte.

Biografia do Autor

José Dantas de Sousa Junior, Programa de pós-graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal-RN, Brasil.

doutor em ciencias sociais pela ufrn

Referências

- Roman, G.; Zanata, R. Sarriá 82: O que faltou ao futebol arte? Rio de Janeiro. Maquinária. 2012.

Publicado
2020-09-07
Como Citar
Sousa Junior, J. D. de. (2020). Sarriá 82: o que faltou ao Futebol arte. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 12(48), 323-326. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/936
Seção
Artigos Científicos - Opinião