Futebol moderno: representações e reflexões para a história

  • Agnaldo Kupper Universidade Estadual Paulista (UNESP), Assis-SP, Brasil.
Palavras-chave: Futebol, Industrialismo, Ciência histórica

Resumo

Cabe ao historiador buscar o entendimento das formas como os indivíduos produzem as representações de si e do mundo e como tal processo se estrutura dentro de uma dinâmica social. Desta forma, o imaginário envolve as representações que dão sentido ao mundo e como tais representações fixam-se no inconsciente coletivo, o que significa que o imaginário trabalha várias interconexões, como o sonhado e não vivido. Neste sentido, há um tempo a se recuperar nos estudos sobre o futebol, principalmente no que tange a responder em como tal prática esportiva transformou-se rapidamente em mania. Até porque o futebol é espelho dos novos rumos tomados pelas sociedades ocidentais a partir do processo revolucionário industrial.

 

Biografia do Autor

Agnaldo Kupper, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Assis-SP, Brasil.
Professor; historiador; escritor; mestre e doutorando na área de História e Sociedade (Unesp)

Referências

-Aquino, R. S. L. Futebol, uma paixão nacional. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2002.

-Alvito, M. A rainha de chuteiras: um ano de futebol na Inglaterra. Rio de Janeiro: Apicuri. 2014.

-Andersen, B. Nação e consciência nacional. Ática. 1989.

-Boaventura, J. C. Sociologia desportiva: o Taylorismo no futebol. Futebol em Revista. Lisboa. p. 9. s/d.

-Bourdieu, P. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 1997.

-Diem, C. Wesen und lehre des sports und der leibeserzieghung. Berlim. 1960.

-Elias, N.; Dunning, E. A busca da excitação. Lisboa: DIFEL. 1992a.

-Elias, N.; Dunning, E. Deporte e Ocio em eu processo dela civilización. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica. 1992b.

-Elias, N.; Dunning, E. Deporte y ócio em el processo de la civilización. 2ª edição. Cidade do México: Fondo de Cultura Econômica. 1995.

-Franco Júnior, H. A dança dos deuses: futebol, sociedade e cultura. São Paulo: Companhia das Letras. 2007.

-Giulianotti, R. Sociologia do futebol: dimensões históricas e socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alexandria. 2002.

-Herschmann, M.; Lerner, K. Lance de sorte: o futebol e o jogo do bicho na Belle Époque. Rio de Janeiro: Diadorim. 1992.

-Hobsbawm, E. Mundos do trabalho: novos estudos sobre a história operária. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1987.

-Hobsbawm, E. Nações e nacionalismos desde 1780. São Paulo. Paz e Terra. 1991.

-Mandell, R. Sport: the culture history. Nova York: Columbia University Press. 1984.

-Noronha, S. (Org.). Almanaque dos esportes. Rio de Janeiro. Rio Gráfica. 1975.

-Pesavento, S. J. Em busca de uma outra história: imaginando o imaginário. Revista Brasileira de História. São Paulo. Núm. 29. 1995.

-Ramos, R. Futebol e ideologia. Mundo Jovem. ano 22. n. 167. p. 5. 1984.

-Rigauer, B. Sport und Arbeit. 1969.

-Rosanvallon, P. Por uma história do político. Tradução de Chrstian E. Lynch. São Paulo: Alameda. 2010.

-Souza, G. J. C. O futebol nós podemos jogar: uma análise sobre o desenvolvimento do futebol fora dos clubes da elite do Rio de Janeiro. Revista Recorde. Vol. 8. p. 46. 2015.

-Thompson, E. P. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1987. v. 2.

-Thompson, E. P. Tempo, disciplina de trabalho e capitalismo industrial. In: Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras. 1998. p. 267-304.

-Vinnai, G. Futsbollsport als ideologie. Alemanha: Europaische Verlagsanstalt. 1970.

Publicado
2020-01-19
Como Citar
Kupper, A. (2020). Futebol moderno: representações e reflexões para a história. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 11(44), 430-438. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/830
Seção
Artigos Científicos - Revisão