Características perceptuais e de carga de treinamento de jovens atletas de Futebol

Thiago Aurélio Simoni, Tiago Augusto Andrade, Alexandre Oliveira, Rosimeide Legnani, Elto Legnani

Resumo


Objetivo: analisar e descrever as cargas de treinamento de jovens atletas de futebol. Metodologia: foram avaliados 11 participantes com média de idade de 15,9 (± 0,56) anos, 63,41 kg (± 6,19), 175,82 cm (±5,46) e 11,87 % (± 2,64) de gordura. Após 30 minutos de cada sessão de treino os atletas reportavam a Percepção subjetiva de esforço (PSE). Os valores foram armazenados no aplicativo “E-trimp”. Foram avaliadas 28 sessões de treinamento e a partir desses dados, o aplicativo calculou automaticamente a média da PSE das sessões de cada atleta, a carga semanal, a monotonia, o strain e a carga semanal nas 28 sessões avaliadas. Análises adicionais foram realizadas no programa SPSS 20.0. Resultado: as 28 sessões de treino avaliadas, 4 foram na segunda-feira ( PSE=6,3), 7 na terça-feira ( PSE=5,3), 5 quartas-feiras ( PSE=6,16), 8 quintas-feiras ( PSE=6,0) e 5 sextas-feiras ( PSE=5,5). A menor carga de treino foi 1409,09 U.A (semana 1) e a maior 3100 U.A (semana 8). As maiores monotonias de carga foram observadas entre a 3ª e a 5ª semana (5,31 U.A - 6,06 U.A). Os maiores indicadores de strain foram 14970,2 U.A (semana 3) e 14300,5 U.A (semana 6). Conclusão: O método da PSE da sessão pode ser uma boa opção para a gestão e o controle das cargas perceptuais de treinamento em jovens atletas.

 

ABSTRACT 

Perceptual characteristics and training load of young football athletes 

Objective: This study was to analyze and describe the training loads of young football players. Methods: Eleven participants with mean age of 15.9 (± 0.56) years, 63.41 kg (± 6.19), 175.82 cm (± 5.46) and 11.87% (± 2.64) of fat. After 30 minutes of each training session the athletes reported the Subjective Perceived Effort (PSE). The values were stored in the "E-trimp" application. Were evaluated 28 training sessions and from these data, the application automatically calculated the average of the PSE of the sessions of each athlete, the weekly load, the monotony, the strain and the weekly load in the 28 sessions evaluated. Additional analyzes were performed in the program "SPSS 20.0. Results: of the 28 training sessions evaluated, 4 were on Monday ( PSE=6,3), 7 on Tuesday ( PSE=5,3), 5 Wednesdays  ( PSE=6,16), 8 Thursdays ( PSE=6,0) and 5 Fridays ( PSE=5,5) The lowest training load was 1409.09 U.A (week 1) and the highest 3100 U.A (week 8). The largest load monotonies were observed between the 3rd and 5th week (5.31 U.A - 6.06 U.A). The highest strain indicators were 14970.2 U.A (week 3) and 14300.5 U.A (week 6). Conclusion: the PSE method of the session can be a good option for the management and control of the perceptual loads of training in young athletes.


Palavras-chave


Futebol de base; PSE; Controle de carga

Texto completo:

PDF

Referências


-Andrade, T. A.; Oltmann, C.; Legnani, E. Validade e Aplicabilidade de um Sistema Web e Mobile para Controle das Cargas de Treinamento Físico em Atletas. V Congresso Brasileiro de Eletromiografia e Cinesiologia e X Simpósio de Engenharia Biomédica, 2017. Uberlândia.

-Aughey, R.J.; Falloon, C. Real-time versus post-game GPS data in team sports. J Sci Med Sport. 2009.

-Borin, J.P.; Gomes, A.C.; Leite, G.S. Preparação desportiva: aspectos do controle da carga de treinamento nos jogos coletivos. Revista da Educação Física. Maringá. Vol. 18. Num. 1. p. 97-105. 2007

-Campos, E.; Pereira, R.; Alves, I; Mineiro, A.S.; Scorcine, C.; Madureira, F. Análise físicas e comportamentais de jovens atletas praticantes de futebol de campo, durante diferentes designe de treinamento. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 9. Num. 32. 2017. Disponível em:

-Foster, C.; Daines, E.; Hector, L.; Snyder, A.C.; Welsh, R. Athletic performance in relation to training load. Wisconsin Medical Journal. Wisconsin. Vol. 95. Num. 6. 1996. p. 370-374.

-Foster, C. Monitoring training in athletes with reference to overtraining syndrome. Medicine and Science in Sports and Exercise, Hagerstown. Vol. 30. Num. 7. 1998. p. 1164-1168.

-Foster, C.; Florhaug, J.A.; Franklin, J.; Gottschall, L.; Hrovatin, L.A.; Parker, S.; Doleshal, P.; Dodge, C. A new approach to monitoring exercise training. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 15. Num. 1. 2001. p. 109-115.

-Freitas, V.H; Miloski, B; Bara Filho, M.G. Monitoramento da carga interna de um período de treinamento em jogadores de voleibol. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 29. Num. 1. 2015. p. 5-12.

-Gomes, A.C. Treinamento Desportivo: Estrutura e Periodização. Porto Alegre. Artmed. 2002.

-Impellizzeri, F.M.; Rampinini, E.; Coutts, A.J.; Sassi, A.; Marcora, S.M.; Use of RPE- Based Training Load in Soccer. Medicine and Science in Sports and Exercise. Hagerstown. Vol. 36. Num. 6. 2004. p. 1042-1047.

-Lazarim, F. L.; e colaboradores. The upper values of plasma creatine kinase of professional soccer players during the Brazilian National Championship. Journal of Science and Medicine in Sport. Vol. 12. Num. 1. 2009. p. 85-90.

-Manzi, V.; D’ottavio, S.; Impellizzeri, F.M.; Chaouachi, A.; Chamari, K.; Castagna, C. Profile of Weekly Training Load in Elite Male Professional Basketball Players. J Strength and Cond Res. Vol. 24. Num. 5. 2010. p. 1399-1406.

-Milanez, V.F.; Pedro, R.E. Aplicação de diferentes métodos de quantificação de cargas durante uma sessão de treinamento de karatê. Rev Bras Med Esporte. Vol. 18. Num. 4. 2012.

-Milanez, V.F.; Evangelista, R.P.; Moreira, A.; Boullosa, D.A.; Salle-Neto, F.; Nakamura, F.Y. The role of aerobic fitness on session-rating of perceived exertion in futsal players. Int Journal Sport Phys and Perf. Vol. 6. Num. 3. 2011. p. 358-366.

-Miloski, B.; Freitas, V. H.; Filho, M. B. Monitoramento da carga interna de treinamento em jogadores de futsal ao longo de uma temporada Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 14. Num. 6. 2012. p. 671-679.

-Nakamura, F.Y.; Moreira, A.; Aoki, M.S. Monitoramento da carga de treinamento: a percepção subjetiva do esforço da sessão é um método confiável? Revista da Educação Física/UEM, Maringá. Vol. 21. Num. 1. 2010. p. 1-11.

-Pelegrinotti, I. L.; Braghin, R. S.; Stanganelli, L. C. R.; da Mota, G. R.; Lopes, C. R. Comparação das respostas da frequência cardíaca de futebolistas juvenis em jogos oficiais com testes de esforço. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 5. Num. 17. 2013. Disponível em:

-Silva, P. R. S.; e colaboradores. Níveis de lactato sanguíneo, em futebolistas profissionais, verificados após o primeiro e o segundo tempos em partidas de futebol. Acta fisiátrica. Vol. 7. Num. 2. 2016. p. 68-74.

-Soares, B.; Tourinho Filho, H. Análise da distância e intensidade dos deslocamentos numa partida de futsal, nas diferentes posições de jogo. Revista Brasileira de Educação Física e Esportes. Vol. 20. Num. 2. 2006. p. 93-101.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui