Relação entre nível de aptidão física e motivação na prática do Futebol feminino

  • Jéssica de Sousa Pereira Centro Universitário de Anápolis (UniEVANGÉLICA), Anápolis-GO, Brasil
  • Patrícia Espíndola Mota Venâncio Centro Universitário de Anápolis (UniEVANGÉLICA), Anápolis-GO, Brasil
  • Iransé Oliveira-Silva Centro Universitário de Anápolis (UniEVANGÉLICA), Anápolis-GO, Brasil
Palavras-chave: Motivação, Futebol, Aptidão física

Resumo

Introdução: Dentre as várias situações envolvidas no esporte, as técnicas motivacionais tendem a melhorar a motivação intrínseca e extrínseca do atleta. Objetivo: Identificar a relação entre o nível de aptidão física e a motivação na prática de futebol feminino. Materiais e Métodos: participaram do estudo Vinte e duas mulheres adolescentes saudáveis com idade média de 15,9 ± 1,3 anos participantes de uma equipe de futebol feminino a mais de um ano, as quais responderam a Escala de Motivação no Esporte - versão brasileira (EME-BR), que avalia os níveis de motivação intrínseca e extrínseca. Foi aplicado também os Testes de aptidão física: composição corporal por meio do protocolo de Pollock e Wilmore (1997); resistência abdominal flexibilidade com o Banco de Wells e classificadas segundo os critérios estabelecidos por Costa e Pires Neto (2009); o consumo máximo de oxigênio (VO2 máx) foi determinada através do teste de campo “Université de Montréal Track Test” (UMTT); a força de preensão foram realizadas por meio de um dinamômetro hidráulico. Resultados: Existe estreita relação entre componentes específicos da aptidão física e a motivação de atletas de futebol feminino, com destaque à relação entre percentual de gordura e desmotivação (r=0,631 p=0,00); flexibilidade e força com a motivação intrínseca (r=-0,533 p=0,01; r=-0,423 p=0,05); velocidade aeróbia máxima e motivação intrínseca (r=0,506 p=0,05). Conclusão: O nível de aptidão física das atletas de futebol apresenta estreita relação com a motivação observada, indicando que quanto maior composição corporal, maior a desmotivação; quanto maior a flexibilidade e força, menor a motivação intrínseca, e quanto melhor a capacidade aeróbia maior a motivação intrínseca.

 

ABSTRACT 

Relationship between level of physical fitness and motivation in the practice of female football

Introduction: Among the various situations involved in sports, motivational techniques tend to improve the athlete's intrinsic and extrinsic motivation. Aim: To identify the relationship between physical fitness level and motivation in female football practice. Materials and Methods: Twenty-two healthy adolescent women with a mean age of 15.9 ± 1.3 years who participated in a women's football team for more than one year answered the Sports Motivation Scale (EME) -BR), which evaluates levels of intrinsic and extrinsic motivation. The physical fitness tests were also applied: body composition through the protocol of Pollock and Wilmore (1997); abdominal resistance; flexibility with the Wells Bank and classified according to the criteria established by Costa and Pires Neto (2009); the maximum oxygen consumption (VO2 max) was determined through the "Université de Montréal Track Test" (UMTT) field test; the grip strength was performed by means of a hydraulic dynamometer. Results: There is a close relationship between specific components of physical fitness and the motivation of female football players, with emphasis on the relationship between fat percentage and demotivation (r = 0.631 p = 0.00); flexibility and strength with intrinsic motivation (r = -0.533 p = 0.01; r = -0.423 p = 0.05); maximal aerobic velocity and intrinsic motivation (r = 0.506 p = 0.05). Conclusion: The level of physical fitness of football athletes is closely related to the observed motivation, indicating that the greater the body composition, the greater the demotivation; the greater the flexibility and strength, the lower the intrinsic motivation, and the better the aerobic capacity the greater the intrinsic motivation.

Biografia do Autor

Jéssica de Sousa Pereira, Centro Universitário de Anápolis (UniEVANGÉLICA), Anápolis-GO, Brasil
Acadêmica do Curso de Educação Física
Patrícia Espíndola Mota Venâncio, Centro Universitário de Anápolis (UniEVANGÉLICA), Anápolis-GO, Brasil
Dra. Em Educação Física
Iransé Oliveira-Silva, Centro Universitário de Anápolis (UniEVANGÉLICA), Anápolis-GO, Brasil
Dr em Educação Física

Referências

-Balardin, G. F. O futebol feminino no Brasil e nos Estados Unidos: semelhanças e diferenças no esporte. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física. Licenciatura. 2016.

-Bock, A. M. B. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. Ana Mercês Bahia Bock, Odair Furtado, Maria de Lourdes Trassi Teixeira. 14ª edição. São Paulo. Saraiva. 2008. p. 137-138.

-Boullosa, D. A.; Tuimil, J. L. Postactivation potentiation in distance runners after two different field running protocols. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol 23. Num. 5. 2009. p. 1560-1565.

-Braz, T. V.; Domingos, M. M.; Flausino, N. H.; Freitas, W.; Messias, M. Análise do desenvolvimento das capacidades físicas potência anaeróbica, potência aeróbica, velocidade e força explosiva durante período preparatório de 6 semanas em futebolistas profissionais. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 6. Num. 1. 2007. p. 61-66.

-Costa, V. T.; Albuquerque, M. R.; Lopes, M. C.; Noce, F.; Costa, I. T.; Ferreira, R. M.; Samulski, D. M. Validação da escala de motivação no esporte (SMS) no futebol para a língua portuguesa brasileira. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 25. Num. 3. 2011. p.537-546.

-Costa, L. M. O que é uma torcedora? Notas sobre a representação e auto-representação do público feminino de futebol. Esporte e Sociedade. Vol. 2. Num. 4. 2007.

-Dias, R. G.; Gonelli, P. R. G.; Cesar, M. C.; Verlengia, R.; Pellegrinotti, I. L.; Lopes, C. R. Efeito da pré-temporada no desempenho de atletas de futebol feminino. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 22. Num. 2. 2016. p. 138-141.

-Fidelix, Y. L.; Farias Júnior, J. C.; Lofrano-Prado, M. C.; Guerra, R. L. F.; Cardel, M.; Prado, W. L. Multidisciplinary intervention in obese adolescents: predictors of dropout. Einstein (São Paulo). Vol. 13. Num. 3. 2015. p. 388-394.

-Goellner, S. V. Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a prática. Vol .8 Num. 1. 2005. p. 85-100.

-Hirota, V. B.; Schindler, P.; Villar, V. Motivação em atletas universitárias do sexo feminino praticantes de futebol de campo: um estudo piloto. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 5. Num. 3. 2006. p. 135-142.

-Hirota, V. B.; Tragueta, V. A. Verificação do clima motivacional em atletas femininas do futsal: um estudo com o questionário de orientação para tarefa ou ego (TEOSQ). Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 6. Num. 3. 2007. p. 207-213.

-Lima, E. M. R. Motivação em jovens jogadores de futebol para as partidas decisivas: um estudo da psicologia do esporte. 2013.

-Lohman, T.; Roache, A.; Martorell, R. Anthropometric standardization reference manual. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol .24. Num. 8. 1992. p. 952.

-Lopes, C. R.; Hohl, R.; Crisp, A. H.; Tessutti, L. S.; Bulgarelli, P. L.; Mota, G. R.; Macedo, D. V. O efeito do período competitivo e novo ciclo de periodização nas capacidades físicas de jogadores de futebol. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 3. Num. 9. 2012. p. 236-241. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/107>

-Mercier, D.; Léger, L. Prédiction de la performance en course à pied a partir de la puissance aérobie maximale. STAPS. Vol. 7. Num.14. 1986. p. 14-28.

-Netemeyer, R. G.; Bearden, W. O.; Sharma, S. Scaling procedures: Issues and applications: Sage Publications. 2003.

-Oliveira-Silva, I.; Leicht, A. S.; Moraes, M. R.; Simões, H. G.; Del Rosso, S.; Córdova, C.; Boullosa, D. A. Heart Rate and Cardiovascular Responses to Commercial Flights: Relationships with Physical Fitness. Frontiers in Physiology. Vol. 7. 2016. p. 648.

-Origuela, M. A.; Da SIlva, C. L. Futebol e o bar: assistência ao esporte nacional brasileiro. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 22. Num. 4. 2014. p.55-67.

-Pollock, M. L.; Wilmore, J. H. Exercício na saúde e na doença. Rio de Janeiro: Medsi. 1993.

-Ramírez-Campillo, R.; González-Jurado, J. A.; Martínez, C.; Nakamura, F. Y.; Peñailillo, L.; Meylan, C. M.; Alonso-Martínez, A. M. Effects of plyometric training and creatine supplementation on maximal-intensity exercise and endurance in female soccer players. Journal of science and medicine in sport. Vol. 19. Num. 8. 2016. p. 682-687.

-Robbins, S. Comportamento organizacional. Reynaldo Marcondes (Tradução). In: São Paulo: Pearson Prentice Hall. 2005. p. 131.

-Rossi, M. R.; Vitorino, L. M.; Salles, R. P.; Cortez, P. J. O. Estratégias De Coping Em Atletas De Futebol Feminino: Estudo Comparativo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 22. Num. 4. 2016. p. 282-286.

-Samulski, D. Psicologia do esporte: um manual para a educação física, fisioterapia e psicologia. Psicologia do esporte: um manual para a educação física, fisioterapia e psicologia. 2002. p. 104-106.

-Santos, L. B.; Da Silva, T. D.; Hirota, V. B. Mulher no esporte: uma visão sobre a prática no futebol. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 7. Num. 3. 2009. p. 119-125.

-Santos Teixeira, F. L.; de Oliveira Caminha, I. Preconceito no futebol feminino brasileiro: uma revisão sistemática. Movimento. Vol. 19. Num.1. 2013. p. 265-287.

-Slaughter, M. H.; Lohman, T. G.; Boileau, R. A.; Horswill, C. A.; Stillman, R. J.; Vanloan, M. D.; Bemben, D. A. Skinfold Equations for Estimation of Body Fatness in Children and Youth. Human Biology. Vol. 60. Num.5. 1988. p. 709-723.

-Souza, M. T. O. Da visão que eu tenho, do que eu vivi, não sei muito no que acreditar: atletas da seleção brasileira feminina e as memórias de um futebol desamparado. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Curitiba. 2017.

-Venancio, P. E. M.; Souza Silva, J. P.; Ribeiro, H. L.; Soares, V.; Santana, F.; Tolentino, G. P. Aptidão física em adolescentes praticantes de Futebol. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 10. Num. 36. 2018. p. 41-48. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/536>

-Vidual, M. B.P. Características psicológicas de atletas de modalidades coletivas. 2017.

-Zamuner, L. F. A influência da torcida na motivação de jogadores de futebol profissional. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 9. Num.33. 2017. p. 113-119. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/462>

Publicado
2019-01-15
Como Citar
Pereira, J. de S., Venâncio, P. E. M., & Oliveira-Silva, I. (2019). Relação entre nível de aptidão física e motivação na prática do Futebol feminino. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 10(40), 627-633. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/649
Seção
Artigos Científicos - Original