Perfil do estilo de vida de atletas amadores de Futebol 7 de um clube social de Santa Cruz do Sul-RS

João Francisco de Castro Silveira, Cézane Priscila Reuter, Leandro Tibiriçá Burgos, Miria Suzana Burgos

Resumo


O presente estudo teve como objetivo descrever o perfil do estilo de vida dos sócios inscritos como atletas em um campeonato de Futebol 7 de um clube de Santa Cruz do Sul (RS). Participaram do estudo 113 sujeitos, entre 18 e 46 anos, que, através de questionário, responderam questões sobre os seguintes temas: nutrição, atividade física, comportamento preventivo, relacionamento e controle de estresse. Os resultados demonstraram que o perfil do sócio é caracterizado por buscar, através da prática esportiva, momentos de descontração e lazer entre amigos, de forma que se sinta ativo em seu meio social, embora peque em aspectos alimentares, alcoólicos e comportamentos preventivos relacionados à saúde.

 

ABSTRACT 

Lifestyle profile of soccer 7’s amateur players from a social club of Santa Cruz do Sul-RS 

The present study aimed to describe the lifestyle of club’s members enrolled as athletes of a soccer championship in Santa Cruz do Sul (RS). A total of 113 subjects, aged between 18 and 46 years, answered, using questionnaires, questions about the following subjects: nutrition, exercise, preventive behavior, relationship and stress management. The results showed that the partner’s profile is characterized by seeking, through the sports’ practice, moments of relaxation and leisure among friends, that provides them to feel active in their social environment, although they sometimes don’t care about healthy food, alcohol consumption and preventive behaviors related to health way of life.


Palavras-chave


Estilo de vida; Atividade física; Futebol

Texto completo:

PDF

Referências


-Alves, W. E. Hábitos alimentares e composição corporal de jogadores amadores de futebol: estudo realizado com atletas “veteranos”. 2016. 32f. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2016.

-Barros, M. V. G.; Nahas, M. V. Medidas da atividade física: teoria e aplicação em diversos grupos populacionais. Londrina: Miodiograf, 2003.

-Barroso, W. K. S.; e colaboradores. Influência de atividade física programada na pressão arterial de idosos hipertensos sob tratamento não farmacológico. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 54, n. 4, p. 328-333, 2008.

-Batty, G. D. Physical activity and coronary heart disease in older adults. European Journal of Public Health, v. 12, n. 3, p. 171-176, 2002.

-Caballero, L. G. R.; Delgado, E. M. G.; López, A. L. M. Prevalencia de factores de riesgo comportamentales modificables associados a enfermidades no transmisibles em estudiantes universitários latino-americanos: una revisión sistemática. Nutrición Hospitalaria. Vol. 24. Num. 34. p. 1185-1197. 2017.

-Camelo, L. V.; e colaboradores. Comportamentos saudáveis e escolaridade no Brasil: tendência temporal de 2008 a 2013. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 21. Num. 3. p. 1011-1021. 2016.

-Castanho, G. K. F.; e colaboradores. Consumo de frutas, verduras e legumes associado à Síndrome Metabólica e seus componentes em amostra populacional adulta. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 18. Num. 2. p. 385-392. 2013.

-Farias Junior, J. C. (In) Atividade Física e Comportamento Sedentário: estamos caminhando para uma mudança de paradigma? Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 16. Num. 4. p. 279-280. 2011.

-França, E. B.; e colaboradores. Cause-specific mortality for 249 causes in Brazil and states during 1990-2015: a systematic analysis for the global burden of disease study 2015. Population Health Metrics. Vol. 15. Num. 39. 2015.

-Franco, M. R.; e colaboradores. Older people’s perspectives on participation in physical activity: a systematic review and thematic synthesis of qualitative literature. British Journal of Sports Medicine. Vol. 49. Num. 19. p. 1268-1276. 2015.

-Freire, R. S.; e colaboradores. Prática regular de atividade física: estudo de base populacional no Norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 20. Num. 5. p. 345-349. 2014.

-GBD. Global Burden of Disease. Global, regional, and national comparative risk assessment of 79 behavioural, environmental and occupational, and metabolic risks or clusters of risks in 188 countries, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. Vol. 386. Num. 10010. p. 2287-2323. 2015.

-Hallal, P. C.; e colaboradores. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. Vol. 380. Num. 9838. p. 247-257. 2012a.

-Hallal, P. C.; e colaboradores. Physical activity: more of the same is not enough. Lancet. Vol. 380. Num. 9838. p. 190-191. 2012b.

-Jaime, P. C.; e colaboradores. Ações de alimentação e nutrição na atenção básica: a experiência de organização no Governo Brasileiro. Revista de Nutrição. Vol. 24. Num. 6. p. 809-824. 2011.

-Joia, L. C. Perfil do estilo de vida entre estudantes universitários. Revista Movimenta. Vol. 3. Num. 1. p. 16-23. 2010.

-Khayat, S.; e colaboradores. Lifetyles in suburban populations: A systematic review. Eletronic Physician Journal. Vol. 9. Num. 7. p. 4791-4800. 2017.

-Kohl, H. W.; e colaboradores. The pandemic of physical inactivity: global action for public health. Lancet. Vol. 380. Num. 9838. p. 294-305. 2012.

-Laurindo, F. B. Perfil do estilo de vida dos professores de academias da cidade de Sombrio (SC). 2015. 10 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2015.

-Malta, D. C.; Silva Junior, J. B. Policies to promote physical activity in Brazil. Lancet. Vol. 380. Num. 9838. p. 195-196. 2012.

-Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2015/2016 – Uma análise da situação de saúde e da epidemia pelo vírus Zika e por outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Brasília, 2017. Disponível em . Acesso em 12.12.2017.

-Monteiro, R.; e colaboradores. Qualidade de vida em foco. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. Vol. 25. Num. 4. p. 568-574. 2010.

-Nahas, M. V. Atividade Física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf, 2013.

-Neutzling, M. B.; e colaboradores. Fatores associados ao consume de frutas, legumes e verduras em adultos de uma cidade no Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 25. Num. 11. p. 2365-2374. 2009.

-Nicklett, E. J.; Kadell, A. R. Fruit and vegetable intake among older adults: a scoping review. Maturitas. Vol. 75. Num. 4. p. 305-312. 2013.

-Olinto, M. T.; e colaboradores. Major dietary patterns and cardiovascular risk factors among Young Brazilian adults. European Journal of Nutrition. Vol. 51. Num. 3. p. 281-291. 2012.

-Oliveira-Campos, M.; e colaboradores. Impacto dos fatores de risco para as doenças crônicas não transmissíveis na qualidade de vida. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 18. Num. 3. p. 873-882. 2013.

-Powell, K. E.; Paluch, A. E.; Blair, S. N. Physical activity for health: What king? How much? How intense? On top of what? Annual Review of Public Health. Vol. 32. p. 349-365. 2011.

-Pulcenio, D. G. Hábitos alimentares de praticantes de atividade física de uma academia de ginástica de Criciúma (SC). 2009. 60 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2009.

-Román, P. A. L.; Sánchez, J. S.; Hermoso, V. M. S. Composición corporal relacionada con la salud en atletas veteranos. Nutrición Hospitalaria. Vol. 27. Num. 4. p. 1236-1243. 2012.

-Serrano-Sánchez, J. A.; e colaboradores. Lack of exercise of ‘moderate to vigorous’ intensity in people with levels of physical activity is a major discriminate for sociodemographic factors and morbidity. Plos One. Vol. 9. Num. 12. p. 1-19. 2014.

-WHO. World Health Organization. A glossary of terms for community health care and services for older persons. WHO Centre for Health Development, Ageing and Health Technical Report, 2004. Disponível em . Acesso em 06.12.2017.

-WHO. World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. 2010. Disponível em: Acesso em: 11.12.2017.

-WHO. World Health Organization. Global status report on non-communicable diseases 2014. (Internet) Geneva: World Health Organization, p. 14, 2014. Disponível em . Acesso em 12.12.17.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBFF - Revista Brasileira de Futsal e Futebol

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Antonio Coppi Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui