Perfil do estilo de vida de atletas amadores de Futebol 7 de um clube social de Santa Cruz do Sul-RS

  • João Francisco de Castro Silveira Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • Cézane Priscila Reuter Departamento de Educação Fí­sica e Saúde. Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • Leandro Tibiriçá Burgos Departamento de Educação Fí­sica e Saúde. Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • Miria Suzana Burgos Departamento de Educação Fí­sica e Saúde. Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde-Mestrado. Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
Palavras-chave: Estilo de vida, Atividade física, Futebol

Resumo

O presente estudo teve como objetivo descrever o perfil do estilo de vida dos sócios inscritos como atletas em um campeonato de Futebol 7 de um clube de Santa Cruz do Sul (RS). Participaram do estudo 113 sujeitos, entre 18 e 46 anos, que, através de questionário, responderam questões sobre os seguintes temas: nutrição, atividade fí­sica, comportamento preventivo, relacionamento e controle de estresse. Os resultados demonstraram que o perfil do sócio é caracterizado por buscar, através da prática esportiva, momentos de descontração e lazer entre amigos, de forma que se sinta ativo em seu meio social, embora peque em aspectos alimentares, alcoólicos e comportamentos preventivos relacionados à saúde.

Referências

-Alves, W. E. Hábitos alimentares e composição corporal de jogadores amadores de futebol: estudo realizado com atletas “veteranosâ€. 2016. 32f. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2016.

-Barros, M. V. G.; Nahas, M. V. Medidas da atividade física: teoria e aplicação em diversos grupos populacionais. Londrina: Miodiograf, 2003.

-Barroso, W. K. S.; e colaboradores. Influência de atividade física programada na pressão arterial de idosos hipertensos sob tratamento não farmacológico. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 54, n. 4, p. 328-333, 2008.

-Batty, G. D. Physical activity and coronary heart disease in older adults. European Journal of Public Health, v. 12, n. 3, p. 171-176, 2002.

-Caballero, L. G. R.; Delgado, E. M. G.; López, A. L. M. Prevalencia de factores de riesgo comportamentales modificables associados a enfermidades no transmisibles em estudiantes universitários latino-americanos: una revisión sistemática. Nutrición Hospitalaria. Vol. 24. Num. 34. p. 1185-1197. 2017.

-Camelo, L. V.; e colaboradores. Comportamentos saudáveis e escolaridade no Brasil: tendência temporal de 2008 a 2013. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 21. Num. 3. p. 1011-1021. 2016.

-Castanho, G. K. F.; e colaboradores. Consumo de frutas, verduras e legumes associado à Síndrome Metabólica e seus componentes em amostra populacional adulta. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 18. Num. 2. p. 385-392. 2013.

-Farias Junior, J. C. (In) Atividade Física e Comportamento Sedentário: estamos caminhando para uma mudança de paradigma? Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 16. Num. 4. p. 279-280. 2011.

-França, E. B.; e colaboradores. Cause-specific mortality for 249 causes in Brazil and states during 1990-2015: a systematic analysis for the global burden of disease study 2015. Population Health Metrics. Vol. 15. Num. 39. 2015.

-Franco, M. R.; e colaboradores. Older people’s perspectives on participation in physical activity: a systematic review and thematic synthesis of qualitative literature. British Journal of Sports Medicine. Vol. 49. Num. 19. p. 1268-1276. 2015.

-Freire, R. S.; e colaboradores. Prática regular de atividade física: estudo de base populacional no Norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 20. Num. 5. p. 345-349. 2014.

-GBD. Global Burden of Disease. Global, regional, and national comparative risk assessment of 79 behavioural, environmental and occupational, and metabolic risks or clusters of risks in 188 countries, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. Vol. 386. Num. 10010. p. 2287-2323. 2015.

-Hallal, P. C.; e colaboradores. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. Vol. 380. Num. 9838. p. 247-257. 2012a.

-Hallal, P. C.; e colaboradores. Physical activity: more of the same is not enough. Lancet. Vol. 380. Num. 9838. p. 190-191. 2012b.

-Jaime, P. C.; e colaboradores. Ações de alimentação e nutrição na atenção básica: a experiência de organização no Governo Brasileiro. Revista de Nutrição. Vol. 24. Num. 6. p. 809-824. 2011.

-Joia, L. C. Perfil do estilo de vida entre estudantes universitários. Revista Movimenta. Vol. 3. Num. 1. p. 16-23. 2010.

-Khayat, S.; e colaboradores. Lifetyles in suburban populations: A systematic review. Eletronic Physician Journal. Vol. 9. Num. 7. p. 4791-4800. 2017.

-Kohl, H. W.; e colaboradores. The pandemic of physical inactivity: global action for public health. Lancet. Vol. 380. Num. 9838. p. 294-305. 2012.

-Laurindo, F. B. Perfil do estilo de vida dos professores de academias da cidade de Sombrio (SC). 2015. 10 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2015.

-Malta, D. C.; Silva Junior, J. B. Policies to promote physical activity in Brazil. Lancet. Vol. 380. Num. 9838. p. 195-196. 2012.

-Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2015/2016 – Uma análise da situação de saúde e da epidemia pelo vírus Zika e por outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Brasília, 2017. Disponível em <http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/maio/12/2017-0135-vers-eletronica-final.pdf>. Acesso em 12.12.2017.

-Monteiro, R.; e colaboradores. Qualidade de vida em foco. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. Vol. 25. Num. 4. p. 568-574. 2010.

-Nahas, M. V. Atividade Física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf, 2013.

-Neutzling, M. B.; e colaboradores. Fatores associados ao consume de frutas, legumes e verduras em adultos de uma cidade no Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 25. Num. 11. p. 2365-2374. 2009.

-Nicklett, E. J.; Kadell, A. R. Fruit and vegetable intake among older adults: a scoping review. Maturitas. Vol. 75. Num. 4. p. 305-312. 2013.

-Olinto, M. T.; e colaboradores. Major dietary patterns and cardiovascular risk factors among Young Brazilian adults. European Journal of Nutrition. Vol. 51. Num. 3. p. 281-291. 2012.

-Oliveira-Campos, M.; e colaboradores. Impacto dos fatores de risco para as doenças crônicas não transmissíveis na qualidade de vida. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 18. Num. 3. p. 873-882. 2013.

-Powell, K. E.; Paluch, A. E.; Blair, S. N. Physical activity for health: What king? How much? How intense? On top of what? Annual Review of Public Health. Vol. 32. p. 349-365. 2011.

-Pulcenio, D. G. Hábitos alimentares de praticantes de atividade física de uma academia de ginástica de Criciúma (SC). 2009. 60 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2009.

-Román, P. A. L.; Sánchez, J. S.; Hermoso, V. M. S. Composición corporal relacionada con la salud en atletas veteranos. Nutrición Hospitalaria. Vol. 27. Num. 4. p. 1236-1243. 2012.

-Serrano-Sánchez, J. A.; e colaboradores. Lack of exercise of ‘moderate to vigorous’ intensity in people with levels of physical activity is a major discriminate for sociodemographic factors and morbidity. Plos One. Vol. 9. Num. 12. p. 1-19. 2014.

-WHO. World Health Organization. A glossary of terms for community health care and services for older persons. WHO Centre for Health Development, Ageing and Health Technical Report, 2004. Disponível em <http://www.who.int/kobe_centre/ageing/ahp_vol5_glossary.pdf>. Acesso em 06.12.2017.

-WHO. World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. 2010. Disponível em: <http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_recommendations/en/> Acesso em: 11.12.2017.

-WHO. World Health Organization. Global status report on non-communicable diseases 2014. (Internet) Geneva: World Health Organization, p. 14, 2014. Disponível em <http://www.who.int/nmh/publications/ncd-status-report-2014/en/>. Acesso em 12.12.17.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
Silveira, J. F. de C., Reuter, C. P., Burgos, L. T., & Burgos, M. S. (2018). Perfil do estilo de vida de atletas amadores de Futebol 7 de um clube social de Santa Cruz do Sul-RS. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 10(40), 596-603. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/639
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original