Área muscular da coxa não prediz altura do salto vertical em atletas de futebol profissional

  • Márcio Ricardo Vitória Programa de Pós-Graduação em Fisiologia do Exercício e Nutrição Esportiva, Faculdade SOGIPA de Educação Fí­sica, Porto Alegre-RS, Brasil
  • André Luiz Lopes Faculdade SOGIPA de Educação Fí­sica, Porto Alegre-RS, Brasil
  • Daniel C Garlipp Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Porto Alegre-RS, Brasil
  • Gustavo dos Santos Ribeiro Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Porto Alegre-RS, Brasil
Palavras-chave: Futebol, Desempenho atlético, Potência muscular, Salto vertical, Antropometria

Resumo

Futebol é um esporte intermitente caracterizado por ações de alta intensidade. Um método comumente usado para predizer a potência muscular é a aferição da massa muscular. O presente estudo visa analisar a relação entre a área muscular da coxa (AMC) e a altura do teste de salto vertical contra movimento (CMJ) em um grupo de jogadores profissionais de futebol. Foram avaliados 29 atletas. A AMC foi predita usando o protocolo de Frisancho e o CMJ foi feito em plataforma de força portátil. A correlação entre as variáveis dependente e independente foi testada pelo coeficiente de Spearman (rs). O software SPSS 20.0 foi utilizado para análise estatí­stica, sendo significativo p<0,05. Nossos dados mostram que, em média, os atletas apresentaram uma AMC de 201,9 ± 23,8 cm² e a altura média no CMJ de 44,1 ± 3,9 cm. O grupo de jogadores exibiu baixa variabilidade no CMJ (8,8%) e variabilidade moderada na AMC (11,8%). Não observamos correlação entre AMC e altura do CMJ (rs = -0,103; p = 0,596). Sendo assim, conclui-se que neste grupo de atletas a massa muscular da coxa não consegue predizer a potência de membros inferiores.

Referências

-Andrzejewski, M.; e colaboradores. Analysis of sprinting activities of professional soccer players. Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 27. Num. 8. p. 2134-2140. 2013.

-Anwar, S.; Noohu, M. Correlation of percentage body fat and muscle mass with anaerobic and aerobic performance in collegiate soccer players. Indian Journal of Physiology and Pharmacology. Vol. 60. Num. 2. p. 134-144. 2016.

-Bloomfield, J.; Polman, R.; O'donoghue, P. Physical Demands of Different Positions in Premier League Soccer. Journal of Sports Science & Medicine. Vol. 6. Num. 1. p. 63-70. 2007.

-Booth, F. Effects of endurance exercise on cytochrome C turnover in skeletal muscle. Annals of the New york Academy of Sciences. Vol. 301. p. 431-439. 1977.

-Camarda, S.R.A.; Barros Neto, T.L. Novo teste de estágios tipo vai e vem, máximo e submáximo, para predizer o consumo máximo de oxigênio. Revista Brasileira de Ciância e Movimento. Vol. 13. Num. 2. p. 7-15. 2005.

-Dal Pupo, J.; e colaboradores. Potência muscular e capacidade de sprints em jogadores de futebol. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol. 12. Num. 4. p. 255-261. 2010.

-Ferrari, G. L.; Hespanhol; J. E.; Arruda, M. Associação dos indicadores da composição corporal com a maturação sexual em jovens atletas futebolistas. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. Vol. 5. Num. 11. p.3-7. 2007.

-Fleck, S.; Kraemer; W. Fundamentos do treinamento de força muscular. 4 Ed. Porto Alegre: ARTMED, 2017.

-Frisancho, A. R. New norms of upper limb fat and muscle areas for assessment of nutritional status. American Journal of Clinical Nutrition. Vol. 34. Num. 11. p. 2540-2545. 1981.

-Gurney, J. M.; Jelliffe, D. B. Arm anthropometry in nutritional assessment: nomogram for rapid calculation of muscle circumference and cross-sectional muscle and fat areas. American Journal of Clinical Nutrition. Vol. 26. Num. 9. p. 912-915. 1973.

-Hespanhol, J.; Silva, R.; Arruda; M.; Bolaños, M.; Campos, R. O relacionamento entre os testes de saltos verticais e de agilidade em futebolistas sub-20. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 6. Num. 21. p. 217-225. 2014. Disponível em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/290/240>

-Gligoroska, J.; Manchevska, S.; Efemova, L.; Todorovska, L.; Nikolic, S. Body composition and maximal oxygem consumption in adult soccer players in the Replubic of Macedonia. Journal of Health Sciences. Vol. 5. Num. 3. p. 85-92. 2015.

-Keiner, M.; Sander, A.; Hartmann, H. Differences in the performance tests of the fastand slow stretch and shortening cycle among professional, amateur and elite soccer players. Journal of Human Sport & Exercise. Vol. 10. Num. 2. p.563-570. 2015.

-Los Arcos, A.; Yanc, J.; Mendiguchia, J.; Salinero, J.; Brughellli, M.; Castagna, C. Short-term training effects of vertically and horizontally exercises on neuromuscular performance in professional soccer players. International Journal of Sports Physiology and Performance. Vol. 9. Num. 3. p. 480-488. 2014.

-Loturco, I.; Pereira; L.; Kobal, R.; Zanetti, V.; Kitamura, K.; Cavinato, C.; Cal Abad; C.; Nakamura, F. Transference effect of vertical and horizontal plyometrics on sprint performance of high level u-20 soccer players. Journal of Sports Sciences. Vol. 33. Num. 20. p. 2182-2191. 2015.

-Nicolaidis, P. Age-related differences in countermovement vertical jump in soccer players 8-31 years old: the role fat-free mass. American Journal of Sports Science and Medicine. Vol. 2. Num. 2. p. 60-64. 2014.

-Oda, K.; e colaboradores. Relationship between peak oxygen uptake and regional body composition in Japanese subjects. Journal of Sport and Health Siciense. Vol. 3. Num. 3. p. 233-238. 2014.

-Pupo, J. D.; Detanico, D.; Santos, S. G. D. Parâmetros cinéticos determinantes do desempenho nos saltos verticais. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol. 14. Num. 1. p. 41-51. 2012.

-Quagliarella, L.; e colaboradores. Evaluation of counter movement jump parameters in young male soccer players. Journal of Applied Biomaterials & Biomechanics. Vol. 9. Num. 1. p. 40-46. 2011.

-Silva, J.; Freitas, C. Correlação entre a área muscular da coxa e a altura máxima alcançada por atletas juvenis de futebol em teste de salto vertical. Revista Mineira de Educação Física. Vol. Especial. Num. 9. p. 633-638. 2013.

-Stewart, A.; Marfell-Jones, M.; Olds, T.; De Ridder, H. International Standards for Anthropometric Assessment. A manual for teaching materials for accreditation. 3nd ed. South Africa: ISAK, 2011.

-Turner, A.; Stwart, P. Strength and conditioning for soccer players. Strength and Conditioning Journal. Vol. 36. Num. 4. p.1-13. 2014.

-Wirth, K.; e colaboradores. Effect of 8 weeks of free-weight and machine-based strength training on strength and power performance. Journal of Human Kinetics. Vol. 53. p. 201-210. 2016.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
Vitória, M. R., Lopes, A. L., Garlipp, D. C., & Ribeiro, G. dos S. (2018). Área muscular da coxa não prediz altura do salto vertical em atletas de futebol profissional. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 10(40), 577-582. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/634
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original