Análise das ações ofensivas e defensivas dos finalistas (França e Portugal) da UEFA Euro 2016

  • Lincoln Cruz Martins Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil
  • Heloise Elena de Simas Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil
  • Moacir Pereira Junior Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil
Palavras-chave: Futebol, Esportes, Avaliação de desempenho profissional

Resumo

Objetivo: identificar ações ofensivas e defensivas dentro do modelo de jogo das equipes finalistas da UEFA Euro 2016 (França e Portugal) e relacionar a forma de ataque que mais concluiu em finalização com os gols marcados pelas mesmas. Método: Esta pesquisa é do tipo descritivo de caráter quantitativo. Foram assistidos na integra e analisados todos os jogos dos finalistas da UEFA Euro 2016. Coletou-se dados referentes a qual momento do jogo ocorreu os gols das equipes, quais formas de ataque que mais terminaram em finalização, em qual setor do campo as seleções mais recuperaram a posse de bola, qual o comportamento defensivo adotado por ambas. os dados foram catalogados e colocados no programa Microsoft Excel, onde se obteve o percentual dos mesmos. Resultados: Em relação aos gols marcados as duas equipes obtiveram resultados iguais para organização ofensiva. Identificou-se como ação ofensiva que mais terminou em finalização o ataque posicional em ambas. O setor do campo que as equipes mais recuperaram a posse de bola foi o setor médio defensivo. No que diz respeito ao comportamento defensivo, a França exerceu mais a zona pressing, enquanto Portugal a zona passiva. Conclusão: No âmbito da fase ofensiva observou-se uma relação entre os gols marcados e as ações ofensivas terminadas em finalização, devido a serem compostas por um tempo grande de realização e com longa troca de passes. Em carácter defensivo foi observado que equipes que utilizam a zona pressing tendem a recuperar a bola mais rápido e próximo do gol que está atacando.

Biografia do Autor

Lincoln Cruz Martins, Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil

Bacharel em Educação Fí­sica do Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), Florianópolis-SC, Brasil.

Heloise Elena de Simas, Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil

Bacharel em Educação Fí­sica do Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), Florianópolis-SC, Brasil.

Moacir Pereira Junior, Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil

Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Especialista em Fisiologia do Exercí­cio, Especialista em Nutrição Esportiva, Especialista em Treinamento Desportivo, Especialista em Educação a Distância: Gestão e Tutoria e graduado em Educação Fí­sica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Experiência na área de Educação Fí­sica e Saúde, com ênfase em Fisiologia, Nutrição e Treinamento Esportivo. Atualmente é professor convidado nos cursos de Pós Graduação pelo Centro Sul Brasileiro de Pesquisa, Extensão e Pós Graduação (CENSUPEG); professor Adjunto do Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF) nos cursos de Educação Fí­sica, Fisioterapia e Nutrição e membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso de Educação Física do IESGF; Conteudista de Educação A Distância (EAD) pela empresa FabriCO Educare. Oficial de Arbitragem da Confederação Brasileira de Basquetebol e da Federação Catarinense de Basquetebol. Além disso, é criador de conteúdo online, com canal verificado em youtube.com/c/MoacirPereiraJunior.

Referências

-Andújar, P.S.B. Eurocopa 2000: Análisis de Portero. El Entrenador Español. 2002. p. 47-57.

-Carling, C. Applying match analysis to improve defending performance. Insight Live, [S.l.], 15 nov. 2005. Choosing a computerised match analysis system. Insight, [S.l.]. 2001. p. 30-31.

-Collet, C., Nascimento, J.V., Ramos, V., Stefanello, J.M.F. Construção e validação do instrumento de avaliação do desempenho técnico-tático no voleibol. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desenvolvimento Humano. 2011. p. 43-51.

-Frattini, E.T. A observação do adversário no futebol: aspectos táticos importantes para uma boa análise. Universidade Estadual de Campinas. Campinas. 2010.

-Garganta, J.M. A análise da performance nos jogos desportivos. Revisão acerca da análise do jogo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2001. p. 57-61.

-Garganta, J.M. Modelação Tática do jogo de Futebol: Estudo da organização da fase ofensiva em equipas de alto rendimento. Tese de Doutorado. Universidade do Porto. Porto. 1997.

-Gil, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo. Atlas. 2010.

-Grant, A.; Williams, M.; Reilly, T.; Borrie, T. Analysis of the successful and unsuccessful teams in the 1998 World Cup. Coaching. 1998.

-Gréhaigne, J.F; Mahut, B.; Fernandez, A. Qualitative observation tools to analyse soccer. Int J Perform Anal Sport. 2001. p. 52-61.

-Hughes, M.; Franks, I. Analysis of passing sequences, shots and goals in soccer. J Sports Sci. 2005. p. 509-514.

-Hughes, M.; Robertson, K.; Nicholson, A. Comparison of patterns of play of successful and unsuccessful teams in the 1986 World Cup for soccer. In: Reilly, T.; Lees, A.; Davids, K.; Murphy, W.J. Organizers. Science and football. Liverpool: E & FN Spon. 1988. p. 363-367.

-Leitão, R.A.A. Futebol: análises qualitativas e quantitativas para verificação e modulações de padrões e sistemas complexos de jogo. Dissertação de Mestrado. Unicamp. Campinas. 2004.

-Leitão, R.A.A. O jogo de futebol: investigação de sua estrutura, de seus modelos e da inteligência de jogo, do ponto de vista da complexidade. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas. 2009.

-Leocini, M.P.; Silva, M.T. Entendo o futebol como um negócio: um estudo exploratório. Revista Gestão & Produção. 2005. p.11-23.

-Luhtanen, P.H.; Korhonen, V.; Ilkka, A. A New notational analysis system with special reference to the comparison of Brazil and its opponents in the World Cup 1994. Reilly, T.; Bangsbo, J.; Hughes, M. Science and football III. London: E & FN Spon; 1997. p. 229-232.

-Machado, J.C; Barreira, D.; Garganta, J. Eï¬cácia ofensiva e variabilidade de padrões de jogo em futebol. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2013. p. 667-677.

-Molina, F.J.C. Estudio de las variables relacionadas con la técnica utilizada en la consecución de los goles en la Eurocopa 2000. Aplicación práctica al entrenamiento. El Entrenador Español. 2001. p. 32-44.

-Moutinho, C. A importância da análise do jogo no processo de preparação desportiva nos jogos desportivos colectivos: o exemplo do voleibol. As ciências do desporto e a prática desportiva. Porto: FCDEF-UP. 1991. p. 265-75.

-Oliveira, J.G.G. Conhecimento específico em Futebol: Contributos para a definição de uma matriz dinâmica do processo ensino-aprendizagem /treino do jogo. Tese de Mestrado. Universidade do Porto. Porto. 2004.

-Pivetti, B. Periodização tática: o futebol arte alicerçado em critérios. São Paulo. Phorte. 2012.

-Ramos, A.T. Uma “(des)baromatriz(acção)†concepto-comportamental da(s) zona(s) pressing. Dissertação de Mestrado. Universidade do Porto. Porto. 2005.

-Ramos, M.J.A. Modelação Tática do jogo de Futebol: Estudo da organização da fase ofensiva em equipes de alto rendimento. Dissertação de Licenciatura. Universidade do Porto. Porto. 2009.

-Ruano, M.A.G., Calvo, A.L. Análisis discriminante de lãs estadísticas de juego entre bases, aleros y pivots em baloncesto masculino. Apunts: Educación Física y Deportes. 2007. p. 86-92.

-Santos, R.M.M; Moraes, E.L; Costa, I.T. Análise de padrões de transição ofensiva da Seleção Espanhola de Futebol na Copa do Mundo FIFA 2010. Revista Brasileira Educação Física e Esporte. 2015. p. 119-126.

-Silva, F.; Américo, H.; Santos, R.; Teoldo. I. Análise dos padrões de recuperação da posse de bola da seleção brasileira de futebol na copa do mundo FIFA 2014. Anais do 5º Congresso Internacional dos Jogos Desportivos. 2015.

-Silva, P. A análise do jogo em Futebol. Um estudo realizado em clubes da Liga Betandwin. Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa. Lisboa. 2006.

-Szwarc, A. The efficiency model of soccer player’s actions in cooperation with other tem players at the Fifa World Cup. Humam Movement. 2008. p. 56-61.

-UEFA Euro. O formato de competição da UEFA Euro 2016. Disponível em: http://pt.uefa.com/uefaeuro/about-euro/format/index.html. Acesso em: 07 dez 2017.

-Universidade do Futebol. Futebol: um jogo também de ocupação de espaço. 2009. Disponível em: <https://universidadedofutebol.com.br/futebol-um-jogo-tambem-de-ocupacao-de-espaco/>. Acesso em: 31 out 2017.

-Universidade do Futebol. Linhas verticais de marcação; Princípios operacionais de ataque e defesa; e as coisas que Claud Bayer não escreveu. 2008. Disponível em: <https://universidadedofutebol.com.br/linhas-verticais-de-marcacao-principios-operacionais-de-ataque-e-de-defesa-e-as-coisas-que-claude-bayer-nao-escreveu/>. Acesso em: 31 out 2017.

Publicado
2018-12-18
Como Citar
Martins, L. C., de Simas, H. E., & Pereira Junior, M. (2018). Análise das ações ofensivas e defensivas dos finalistas (França e Portugal) da UEFA Euro 2016. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 10(40), 564-571. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/630
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original