Desempenho físico de atletas de futebol pós-infecção por coronavirus: um estudo de caso

  • Jackson Costa Departamento de Educação Física, Centro Universitário do Rio Grande do Norte, Natal-RN, Brasil; Globo Futebol Clube, Ceará-Mirim-RN, Brasil.
  • Vinicius Rodrigues Departamento de Educação Física, Centro Universitário do Rio Grande do Norte, Natal-RN, Brasil.
  • Heloiana Faro UFPBDepartamento de Educação Física, Centro Universitário do Rio Grande do Norte, Natal-RN, Brasil; Programa Associado de Pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa-PB, Brasil.
Palavras-chave: COVID-19, Futebol, Medição de velocidade, Potência

Resumo

O novo coronavírus provoca a doença COVID-19 que ataca predominantemente pulmões e coração. Atletas infectado se apresentam normalmente como assintomáticos ou com sintomas leves. No entanto, isso não garante que não haja sequelas da doença, nem que isso não afetará o desempenho deles. O objetivo desse estudo de caso foi avaliar o desempenho físico de atletas de futebol que foram infectados pelo novo coronavírus. Cinco atletas de diferentes posições de jogo tiveram sua composição corporal (peso, altura, % de gordura), capacidade aeróbica (VO2 max e distância percorrida), velocidade (tempo de teste e velocidade atingida) e potência de membros inferiores (distância) avaliadas. As avaliações de desempenho foram realizadas em três momentos distintos: 1) antes do diagnóstico de COVID-19; 2) 45 dias após retornarem aos treinamentos (AV2); e 3) 112 dias após o retorno aos treinos (AV3). Os atletas realizaram teste do tipo RT-PCR e, após positivados, foram mantidos em quarentena/isolamento por 15 dias, bem como tiveram seus sintomas monitorados. Todos os parâmetros avaliados apresentaram queda na AV2 em comparação a AV1. Por outro lado, todos os parâmetros apresentaram melhora em AV3 comparado a AV2, e com valores similares ou acima de AV1. Conclui-se que capacidade aeróbica, velocidade e potência são negativamente afetas pela infecção por coronavírus em atletas com sintomas leves. Ademais, a recuperação da performance física foi similar ou superior a nível basal após 112 dias de treinamento pós-infecção e quarentena.

Referências

-Barbosa, B. T.; Lima-Júnior, D.; Silva-Filho, E. The impact of COVID-19 on sporting events and high-performance athletes. Journal of Sports Medicine and Physical Fitness. Vol. 60. Num. 11. p. 1508-1510. 2020.

-Boffa Júnior, C.; Oliveira Filho, J. A.; Marquezi, M. L. Estimativa de VO2 máx, limiar anaeróbico e PCR em jogadores de futebol a partir de dados obtidos no Soccer Test. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 4. Num. 13. p. 187-198. 2020.

-Crameri, G. A. G.; Bielecki, M.; Züst, R.; Buehrer, T. W.; Stanga, Z.; Deuel, J. W.; Reduced maximal aerobic capacity after COVID-19 in young adult recruits, Switzerland, May 2020. Eurosurveillance. Vol. 25. Num. 36. p. 4-7. 2020.

-Dores, H.; Cardim, N. Return to play after COVID-19: A sport cardiologist’s view. British Journal of Sports Medicine. Vol. 54. Num. 19. p.1132-1133. 2020.

-Duthie, G. M.; Pyne, D. B.; Ross, A. A.; Livingstone, S. G.; Hooper, S. L. The reliability of ten-meter sprint time using different starting techniques. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 20. Num. 2. p. 246-251. 2006.

-Fabre, J. B.; Grelot, L.; Vanbiervielt, W.; Mazerie, J.; Manca, R., Martin, V. Managing the combined consequences of COVID-19 infection and lock-down policies on athletes: Narrative review and guidelines proposal for a safe return to sport. BMJ Open Sport and Exercise Medicine. Vol. 6. Num. 1. p.1-7. 2020.

-Freire, L.A.; Tannure, M.; Sampaio, M.; Slimani, M.; Znazen, H.; Bragazzi, N. L., Aedo-muñoz, E.; Soto, D. A. S.; Brito, C. J.; Miarka, B. COVID-19-Related Restrictions and Quarantine COVID-19: Effects on Cardiovascular and Yo-Yo Test Performance in Professional Soccer Players. Frontiers in Psychology. Vol. 11. p. 1-8. 2020.

-Gualano, B.; Brito, G. M.; Pinto, A. J.; Lemes, I. R.; Mator, L. D. N. J.; Pinto, A. L. de S.; Loturco, I.; Coalition SPORT-COVID-19. High SARS-CoV-2 infection rate after resuming professional football in São High SARS-CoV-2 infection rate after resuming professional football in São Paulo, Brazil. British Journal Sport and Medicine. Vol. 0. Num. 7. p.1-4, 2021.

-Korkmaz, S.; Aslan, C. S.; Eyuboğlu, E.; Çelebi, M.; Kir, R.; Karakulak, I.; Akyüz, Ö.; Özer, U.; Geri, S. Impact of detraining process experienced during the COVID-19 pandemic on the selected physical and motor features of football players. Progress in Nutrition. Vol. 22. Num. 4. 2020.

-Jackson, A.S.; Pollock, M.L. Generalized equations for predicting body density of men. British Journal of Nutrition. Vol. 40. Num. 3. 1978. p. 497-504. 1978.

-Latella, C.; Haff, G. G. Global Challenges of Being a Strength Athlete during a Pandemic: Impacts and Sports-Specific Training Considerations and Recommendations. Sports. Vol. 8. Num. 7. p. 1-16. 2020.

-Maulder, P.; Cronin, J. Horizontal and vertical jump assessment: Reliability, symmetry, discriminative and predictive ability. Physical Therapy in Sport. Vol. 6. Num. 2. p.74-82. 2005.

-Moura, D. L.; Dias, A.; Torres, J. P.; Farinha, P.; Ribeiro, B.; Cordeiro, C. R. Pandemia COVID-19 e impacto no desporto. Revista de Medicina Desportiva Informa. Vol. 11. Num. 3. p. 26-33. 2020.

-Nakisa, N.; Ghasemzadeh, M. Evaluating the probable effects of the COVID-19 epidemic detraining on athletes’ physiological traits and performance. Apunts Sports Medicine. Vol. 56. Num. 1. 2020.

-Niess, A. M.; Bloch, W.; Friedmann-Bette, B.; Grim, C.; Hirschmüller, A.; Kopp, C.; Meyer, T.; Niebauer, J.; Reinsberger, C.; Röcker, K.; Scherr, J.; Schneider, C.; Steinacker, J. M.; Urhausen, A.; Wolfarth, B.; Mayer, F. Position stand: Return to sport in the current coronavirus pandemic (SARS-CoV-2 / COVID-19). German Jounal of Sport Medicine. Vol. 71. Num. 5. p. E1–E4. 2020.

-Pan, Y.; Yu, X.; Du, X.; Li, Q.; Li, X.; Qin, T.; Wang, M.; Jiang, M.; Li, J.; Li, W.; Zang, Q.; Xu, Z.; Zhang, L. Epidemiological and clinical characteristics of 26 asymptomatic SARS-CoV-2 carriers. The Journal of infectious diseases. Vol. 22. 2020.

-Sarto, F.; Impellizzeri, F. M.; Spörri, J.; Porcelli, S.; Olmo, J.; Requena, B.; Suarez-Arrones, L.; Arundale, A.; Bilsborough, J.; Buchheit, M.; Clunn, J.; Coutts, A.; Nabhan, D.; Torres-Ronda, L.; Mendez-Villanueva; Mujila, I.; Maffiuletti, N. A., Franchi, M. V. Impact of Potential Physiological Changes due to COVID-19 Home Confinement on Athlete Health Protection in Elite Sports: a Call for Awareness in Sports Programming. Sports Medicine. Vol. 50. Num. 8. p.1417-1419. 2020.

-Silva, J. F.; Dittrich, N.; Guglielmo, L. G. A. Avaliação Aeróbia No Futebol. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 13. Num. 5. p. 384-391. 2011.

-Silva, M. H. A. F.; Liparotti, J. R.; Figueiredo, A. J. Aplicação de um teste de desempenho específico para jovens futebolistas. Annals of Research in Sport and Physical Activity. 2015.

-Teixeira, J. A. C.; Teixeira, M F.; Texeira, P. S.; Jorge, J. G. The Athlete’s Return in the Post-COVID-19. International Journal of Cardiovascular Sciences. 2021.

Publicado
2022-03-24
Como Citar
Costa, J., Rodrigues, V., & Faro, H. (2022). Desempenho físico de atletas de futebol pós-infecção por coronavirus: um estudo de caso. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 13(56), 745-752. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/1197
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original