Intensidade de trabalho durante dois jogos amistosos de futsal profissional: um estudo de caso

  • Fernando Matzenbacher Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil.
Palavras-chave: Atletas, Futsal, Frequência cardíaca, Intensidade, Percepção Subjetiva de Esforço

Resumo

O objetivo do presente estudo foi verificar a intensidade de dois jogos amistosos de atletas profissionais de futsal, por meio da frequência cardíaca (FC), somente no tempo de permanência em quadra e da percepção subjetiva de esforço (PSE), pós jogo. Fizeram parte do estudo dez atletas profissionais de futsal com 28,4 ± 3,8 anos de idade, massa corporal de 79,3 ± 9,4 kg, estatura de 176,7 ± 0,5 cm, % gordura de 11,6 ± 2 % e distância média percorrida no Yo - Yo Intermittent Recovery Test Level 1 (YYIR1) de 1.388 ± 291 metros. Foram monitoradas duas partidas amistosas, durante o período preparatório, de uma equipe de futsal visando à preparação para Liga Gaúcha 2020. A intensidade média dos jogos foi de 89 ± 3,6 % FCmáx e PSE de 8,32 ± 1,3. Os atletas permaneceram 92,4 ± 7,6 % do tempo acima dos 80 % FCmáx. A intensidade do primeiro jogo foi superior a do segundo jogo (92 ± 1,1 x 86 ± 2,2 % FCmáx, p<0,001) e PSE de 8,6 ± 1 x 8,05 ± 1,05 (p<0,001), sendo que a equipe ficou em desvantagem no placar no primeiro jogo. O futsal é um esporte intermitente que exige dos atletas altas demandas físicas, pois as intensidades das partidas analisadas foram elevadas. A intensidade do jogo parece ser mais elevada quando a equipe está em desvantagem no placar.

Referências

-ACSM. American College of Sports Medicine -Position Stand. Quantify and quality of exercise for developing maintaining cardiorespiratory, musculoskeletal, and neuromotor fitness in apparently healthy adults: Guidance for prescribing exercise. Med Sci Sports Exer. Vol. 43. Núm. 7. p. 1334-59. 2011.

-Bangsbo, J. Yo - Yo Tests. 1ª. Copenhagen. HQ + Storm. 1996.

-Barra Filho, M.; Matta, M.; Freitas, D.S.; Miloski, B. Quantificação da carga de diferentes tipos de treinamento no futebol. Rev Educ Fís UEM. Vol. 22. Núm. 2. p. 239-46. 2011.

-Barbero, A.J.C.; Soto, V.M.; Barbero, A.V.; Granda, V. J. Match analysis and heart rate of futsal players during competition. J Sports Sci. Vol. 26. Núm. 1. p.63-73. 2008.

-Borressen, J.; Lambert, M.I. The quantification of training load, the training response and the effect on performance. Sports Med. Vol. 39. Núm. 9. p.779-95. 2009.

-Castagna, C.; D’ottavio, S.; Granda, V.J.; Barbero, A.J.C. Match demands of professional Futsal: A case study. J Sci Med Sport. Vol. 12. p. 490-94. 2009.

-CBFS. Confederação Brasileira de Futsal. Disponível em: www.futsaldobrasil.com.br. Acessado em: 10/03/2021.

-Foster, C.; Florhaug, J.A.; Franklin, J.; Gottschall, L.; Hrovatin, L.A.; Parjer, S.; Doleshal, P.; Dodge, C. A new approach to monitoring exercise training. J Strength Cond Res. Vol. 15. Núm. 1. p. 109-15. 2001.

-Freitas, V.H.; Miloski, B.; Filho, M.G.B. Quantificação da carga de treinamento através da percepção subjetiva de esforço da sessão e desempenho no futsal. Rev Bras Cine Des Hum. Vol. 14. Núm. 1. p.73-82. 2012.

-Gomes, A.C. Treinamento Desportivo Estruturação e Periodização. 2ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2009.

-Impellizzeri, F.M.; Rampinini, E.; Coutts, A.J.; Sassi, A.; P.; Marcora, S.M. Use of RPE- Based Training load soccer. Med Sci Sports Exerc. Vol. 36. Núm. 6. p.1042-47. 2004.

-Impellizzeri, F.M.; Rampinini, E.; Marcora, S. Physiological assessment of aerobic training in soccer. J Sci Sports. Vol. 23. Núm. 6. p. 583-92. 2005.

-Matzenbacher, F.; Durigan, J.Z.; Ramos, M.S.; Stanganelli, L.C.R. Intensidade de um trabalho durante um jogo amistoso de futsal: um estudo de caso em jovens atletas. Revista Mineira de Educação Física. Viçosa. Edição Especial. Núm. 9. p. 386-390. 2013.

-Matzenbacher, F.; Pasquarelli, B.N.; Rabelo, F.N.; Dourado, A.C.; Durigan, J.Z.; Rossi, H.G.; Stanganelli, L.C.R. The use of the of perceived exertion to monitor and control the training load in futsal. J Exer Physhi. Vol. 19. Núm. 4. p. 42-52. 2016.

-Milanez, V.F.; Pedro, R.E.; Moreira, A.; Boullosa, D.A.; Salle-Neto, Nakamura, F.Y. The role of aerobic fitness on session rating of perceived exertion in futsal players. Int J Sports Phy Perf. Vol. 6. p. 358-66. 2013.

-Rabelo, F.N.; Pasquarelli, B.N.; Gonçalves, B.; Matzenbacher, F.; Campos, F.A.D.; Sampaio, J.; Nakamura, F.Y. Monitoring the intended and perceived training load of professional futsal team over 45 weeks: A case study. J Strength Cond Res. Vol. 30. Núm. 1. p.134- 140. 2015.

-Rodrigues, V.M.; Ramos, G.P.; Mendes, T.T.; Cabido, C.E.T.; Melo, E.S.; Condessa, L.A.; Coelho, D.B.; Garcia, E.S. Intensity of official futsal matches. J Strength Cond Res. Vol. 25. Núm. 9. p. 2482- 87. 2011.

-Santa Cruz, R.A.R.; Campos, F.A.D.; Gomes, I.C.B.; Pellegrinotti. Percepção subjetiva de esforço em jogos oficiais de futsal. Revista Brasileira Ciência e Movimento. Vol. 24. Núm. 1. p. 80-85. 2016.

-Santos, J.W.; Silva, H.S.; Silva Junior, O.T.; Barbieri, R.A.; Penafiel, M.L.; Silva, R.N.B.; Miloni, F.; Vieira, L.H.P.; Coledam, D.H.C.; Santiago, P.R.P; Papoti, M. Physiology responses and players stay on the court during a futsal match. A case study with professional players. Front. Physiology. Vol. 11. 2020.

-Tritschler, K.A. Medidas e avaliação em Educação Física. Manole. 2003.

-Wallace, L.; Coutts, A.; Bell, J.; Simpson, N.; Slaterry, K. Using Session- RPE to monitor training load in Swimmers. J Strength Cond Res. Vol. 30. Núm. 6. p. 72-76. 2008.

-Wilke, C.F.; Pacheco, D.A.S.; Ramos, G.; Santos, W. Metabolic demand and internal traning load in technical - tactical training sessions of professional futsal players. J Strength Cond Res. Vol. 30. Núm. 8. p. 2330-40. 2016.

Publicado
2022-03-24
Como Citar
Matzenbacher, F. (2022). Intensidade de trabalho durante dois jogos amistosos de futsal profissional: um estudo de caso. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 13(56), 692-699. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/1184
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original