Capacidade aeróbia de praticantes universitários regulares de futsal pode ser melhorada com treinamento aeróbio concomitante?

  • Douglas Joaquim de Oliveira Universidade do Oeste Paulista-UNOESTE, Presidente Prudente, São Paulo, Brasil.
  • Anderson dos Santos Carvalho Universidade Paulista-UNIP, São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil.
  • Pedro Pugliesi Abdalla Universidade de São Paulo-USP, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.
  • Jair Rodrigues Garcia Junior Universidade do Oeste Paulista-UNOESTE, Presidente Prudente, São Paulo, Brasil.
Palavras-chave: Antropometria, Futsal, Saúde

Resumo

A modalidade esportiva futsal pode ser praticada com diferentes objetivos por pessoas de ambos os sexos e variadas idades. Pode ser utilizada para melhora do condicionamento aeróbio, que está diretamente relacionado com a saúde. No entanto, o praticante mesmo que assíduo pode não atingir os níveis recomendados para saúde somente pela prática da modalidade, podendo o treinamento aeróbio auxiliar nessa questão. O objetivo deste estudo foi avaliar o condicionamento aeróbio de adultos universitários praticantes de futsal antes e depois de um treinamento aeróbio concomitante. Materiais e Métodos: Participaram do estudo 14 voluntários (11 do sexo masculino) com idade média de 23,1±3,8 anos, praticantes regulares de futsal a pelo menos um ano. A prática do esporte era de duas vezes semanais. Além do treinamento específico do futsal, os voluntários realizaram em uma das duas sessões um treinamento aeróbio intervalado concomitante durante oito semanas (uma vez por semana, 30 minutos/dia). Foram realizadas medidas de antropometria e testada a capacidade aeróbia com o Teste de Leger antes e após o período de treinamento. Todas as análises foram realizadas com nível de significância pré-estabelecido (α = 5%).  Resultados: Após o treinamento foi observado aumento significativo nos perímetros dos membros e no consumo máximo de oxigênio (VO2máx) e houve tendência a diminuição das dobras cutâneas. Conclusão: O treinamento proposto atendeu às expectativas, com melhora no condicionamento aeróbio e em parâmetros antropométricos dos participantes, mesmo em praticantes regulares da modalidade do futsal.

Referências

-American College of Sports Medicine. ACSM's health-related physical fitness assessment manual: Lippincott Williams & Wilkins.Indianápolis. 2013.

-Araújo, C.G.S.D.; Herdy, A.H.; Stein, R. Medida do consumo máximo de oxigênio: valioso marcador biológico na saúde e na doença. Arquivos brasileiros de cardiologia. Vol. 100. Num. 1. 2013. p. e51-53.

-Baroni, B.M.; Leal junior, E.C. Aerobic Capacity of Male Professional Futsal Players. Journal Sports Medicine Physical Fitness. Vol. 50. Num. 4. 2010. p. 395-399.

-Cruz, R.A.R.S. Parâmetros para Determinação das Demandas Fisiológicas no Futsal Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 13. Num. 1. 2014. p. 165-177.

-Cyrino, E.S.; Altimari, L.R.; Okano, A.H.; Coelho, C.D.F. Efeitos do treinamento de futsal sobre a composição corporal e o desempenho motor de jovens atletas. Revista Brasileira Ciência e Movimento. Vol. 10. Num. 1. 2002. p. 41-46.

-Floriano, L.T. Avaliação Aeróbica em Jogadores de Futsal: Determinação e Comparação do VO2 máx em Protocolo de Campo (T-CAR) e Laboratório. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. 2012. p. 69.

-Jones, R.M.; Cook, C.C.; Kilduff, L.P.; Milanović, Z.; James, N.; Sporiš, G.; Fiorentini, B.; Fiorentini, F.; Turner, A.; Vučković, G. Relationship Between Repeated Sprint Ability and Aerobic Capacity in Professional Soccer Players. The Scientific World Journal. Vol.1. Num.1. 2013. p. 1-6.

-Lizana, C.J.R.; Belozo, F.; Lourenço, T.; Brenzikofer, R.; Macedo, D. V.; Shoitimisuta, M.; Scaglia, A. J. Análise da Potência Aeróbia de Futebolistas por meio de Teste de Campo e Teste Laboratorial. Revista Brasileira Medicina do Esporte. Vol. 20. Num. 6. 2014. p. 437-440.

-Lohman, T.; Roche, A.; Martorell, R. Anthropometric standardization reference manual. Champaign. Human Kinetics. 1988. p. 177.

-Martins, A.S.; Azevedo, A.D.M.; Schultz, R.V.; Felin, R.P.; Schirmer, F.R.; Frasson, M.B.; Portela, L.O.C. Capacidade aeróbia de futebolistas da segunda divisão do campeonato gaúcho. Buenos Aires. Ensenada. 2015. p. 1-7.

-Matos, C.A.R.S.P.; Fernandes, D.F.; Materko, W. Efeito da Aptidão Aeróbica na Bradicardia e na Recuperação da Frequência Cardíaca no Teste Cardiopulmonar Máximo em Jogadores de Futebol. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 12. Num. 47. 2020. p. 122-129.

-Matzenbacher, F.; Pasquarelli, B.N.; Rabelo, F.N.; Stanganelli, L.C.R. Demanda Fisiológica no Futsal Competitivo: Características Físicas e Fisiológicas de Atletas Profissionais. Revista Andaluza de Medicina del Deporte. Barcelona. Vol. 7. Num. 3. 2014. p. 122-131.

-Medeiros, J. Capacidade Cardiorrespiratória de Homens Sedentários como Componente da Aptidão Física Relacionada à Saúde. Revista Digital Buenos Aires.Buenos Aires. Ano 16. Num. 157. 2011.

-Milanez, V.F.; Pedro, R.E.; Moreira, A.; Boullosa, D.A.; Salle-neto, F.; Nakamura, F.Y. The Role of Aerobic Fitness on Session Rating of Perceived Exertion in Futsal Players. International Journal of Sports Physiology and Performance. Vol. 6. Num. 3. 2011. p. 358-366.

-Nascimento, M.V. Análise da Influência de Ações Técnico-Táticas no Desempenho de Equipes de Futsal através do Scout. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 12. Num. 47. 2020. p. 46-51.

-Oliveira, F.B.; Schwanke, N.L.; Moraes, G.G.; Ferreira, P.; Todendi, T.S.B.; Reuter, É.M.; Burgos, L.T. Avaliação e Desenvolvimento do VO2 de Atletas Participantes de uma Escolinha de Futebol. Cinergis. Vol. 13. Num. 1. 2012. p. 2177-4005.

-World Health Organization. Global Recommendations on Physical Activity for Health. 2010.

Publicado
2021-11-07
Como Citar
Oliveira, D. J. de, Carvalho, A. dos S., Abdalla, P. P., & Garcia Junior, J. R. (2021). Capacidade aeróbia de praticantes universitários regulares de futsal pode ser melhorada com treinamento aeróbio concomitante?. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 13(53), 244-250. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/1104
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original