Aspectos cinético-funcionais associados a dor lombar em praticantes de futevôlei

  • Wellington Danilo Soares Doutor em ciências da saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes; Docente no curso de Nutrição na Faculdade de Saúde e Humanidades Ibituruna-FASI, Montes Claros-MG, Brasil.
  • Tiarley Patrick Evangelista Antunes Acadêmico do curso de Fisioterapia nas Faculdades Unidas do Norte de Minas-Funorte, Montes Claros-MG, Brasil.
  • Warley Pereira Moraes Júnior Acadêmico do curso de Fisioterapia nas Faculdades Unidas do Norte de Minas-Funorte, Montes Claros-MG, Brasil.
  • Jomar Luiz Santos Almeida Acadêmico do curso de Fisioterapia nas Faculdades Unidas do Norte de Minas-Funorte, Montes Claros-MG, Brasil.
Palavras-chave: Curvatura da coluna vertebral, Dor lombar, Lesões em atletas, Lordose

Resumo

Introdução: Uma região com importantes números de lesões em atletas do futevôlei é a coluna vertebral, onde que, predominantemente, será instalada na coluna lombar. Objetivo: O presente estudo tem o objetivo de analisar os aspectos cinético- funcionais em atletas de futevôlei de dois clubes, em Montes Claros-MG. Materiais e métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, transversal e correlacional, sendo uma amostra formada por praticantes de futevôlei de dois clubes da cidade de Montes Claros-MG. Para a avaliação do percentual de gordura foi utilizado o protocolo de Jackson e Pollock 3 dobras cutâneas. Avaliação postural com simetrógrafo e o fio de prumo. O nível de atividade física foi investigado pelo International Physical Activity Questionnaire (IPAQ, versão curta). Na avaliação da flexibilidade foi realizado o teste de sentar e alcançar com o Banco de Wells, que foi confeccionado pelos próprios pesquisadores, tendo como base o Banco de Wells. O teste de Thomas foi realizado com o participante em decúbito dorsal na marquesa, que executa flexão da anca contralateral ao membro inferior em teste, com o objetivo de diminuir a curvatura lombar e estabilizar a pelve. Resultados e Discussão: Houve um predomínio do sexo feminino (61%) e a média de idade da amostra foi 24,6 anos. A dor esteve presente em 50% dos avaliados da amostra pesquisada. Não foram encontradas correlações significativas nos participantes com e sem dor. Conclusão: Nesta pesquisa não foram encontradas correlações entre as variáveis pesquisadas e dor lombar em praticantes de futevôlei. 

Referências

-Alves, A. T.; Oliveira, D. M.; Valença, J. G. S.; Macedo, O. G.; Matheus, J. C. Lesões em atletas de futevôlei. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 37. Num. 2. 2015. p.185-190.

-Barros, F. P.; Bastos, R. F. N.; Lopes, R. L. Prevalência de lombalgia em motoristas de caminhão da rede privada. Hígia-Revista de Ciências da Saúde e Sociais Aplicadas do Oeste Baiano. Vol. 5. Num. 1. 2020. p. 20-35.

-Bazanella, N. V.; Garret, J. Z. D.; Gomes, A. S.; Novack, L. F.; Osiecki, R.; Korelo, R. I. G. Associação entre dor lombar e aspectos cinético-funcionais em surfistas: incapacidade, funcionalidade, flexibilidade, amplitude de movimento e ângulo da coluna torácica e lombar. Fisioterapia e Pesquisa. Vol. 23. Num. 4. 2016. p. 394-401.

-Cardoso, J. R.; Azevedo, N. C. T.; Cassano, C. S.; Kawano, M. M.; Âmbar, G. Confiabilidade intra e interobservador da análise cinemática angular do quadril durante o teste sentar e alcançar para mensurar o comprimento dos isquiotibiais em estudantes universitários. Revista Brasileira de Fisioterapia. Vol. 11. Num. 2. 2007. p. 133-138.

-Furtado, R. N. V.; Ribeiro, L. H.; Abdo, B. A.; Descio, F. J.; Martucci Junior, C. E.; Serruya, D. C. Dor lombar inespecífica em adultos jovens: fatores de risco associados. Revista Brasileira de Reumatologia. Vol. 54. Num. 5. 2014. p. 371-377.

-Kendall, F. P.; McCreary, E. K.; Provance, P. G.; Rodgers, M. M.; Romani, W. A. Músculos provas e funções. São Paulo. Manole. 2007. p. 378-380.

-Margoti, T. Comparação de resultado entre as equações de composição corporal de Jackson & Pollock de três e sete dobras cutâneas. Fitness & Performance Journal. Vol. 8. Num. 3. 2009. p. 191-198.

-Matsudo, S.; Araújo, T.; Matsudo, V.; Andrade, D.; Andrade, E.; Oliveira, L. C.; Braggion, G. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 6. Num. 2. 2001. p. 5-18.

-Ribeiro, R. P.; e colaboradores. Relação entre a dor lombar crônica não específica com a incapacidade, a postura estática e a flexibilidade. Fisioterapia e Pesquisa. Vol. 25. Núm. 4. p. 425-431. 2018.

-Santos, J. B.; Moro, A. R. P.; Cezar, M. R.; Reis, P. F. R.; Luz, J. D.; Reis, D. C. Descrição do método de avaliação postural de Portland State University. Fisioterapia Brasil. Vol. 6. Num. 5. 2018. p. 392-395.

-Silva, C. S.; Fiuza, T. S.; Strini, P. J. S. A.; Strini, P. J. S. A. Análise morfofuncional dos movimentos executados no futevôlei. Revista Extendere. Vol.5. Num.2. 2017. p.37-47.

-Silva, M. R.; Ferretti, F.; Lutinski, J. A. Dor lombar, flexibilidade muscular e relação com o nível de atividade física de trabalhadores rurais. Saúde em Debate. Vol. 41. 2017. p. 183-194.

-Silva, R. A.; Capelari, J. B. Análise da Fisioterapia Preventiva no esporte: o que os corredores de rua de Maringá conhecem sobre a prevenção de lesões? Artigo de graduação. Centro Universitário de Maringá. Maringá. 2017. Disponível em: <http://rdu.unicesumar.edu.br//handle/123456789/392>. Acesso em: 01/04/20.

-Soares, R. S.; e colaboradores. Relação entre incapacidade funcional, amplitude de movimento e dor em indivíduos com e sem lombalgia. Terapia Manual. 2013. p. 43-47.

-Sousa, D. P. Caracterização das lesões musculoesqueléticas em praticantes de futevôlei em Brasília-DF. Monografia. Centro Universitário de Brasília. Brasília. 2014. Disponível em: <https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/7865>. Acesso em: 02/04/20.

-Souza, A. V. R.; Cardoso, J. P.; Rocha, S. V.; Amorim, C. R.; Carneiro, L. R. V.; Vilela, A. B. A. Nível de atividade física e lombalgia entre funcionários de uma instituição de ensino superior no nordeste do Brasil. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. Vol. 24. Num. 3. 2011. p. 199-206.

-Vieira, R. C.; Silveira, T.; Melo, M. O.; Candotti, C. T. Associação entre amplitude de movimento da articulação coxo-femoral e comprimento dos músculos isquiotibiais com a dor lombar. Revista Brasileira Corpo e Movimento. Vol. 6. 2008. p. 123-131.

Publicado
2021-07-17
Como Citar
Soares, W. D., Antunes, T. P. E., Moraes Júnior , W. P., & Almeida, J. L. S. (2021). Aspectos cinético-funcionais associados a dor lombar em praticantes de futevôlei. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 13(52), 185-192. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/1097
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original