Avaliação dos níveis de potênçia máxima e potênçia média da categoria sub-16 da escola de futebol Unimontes

  • Guilherme Galha Pereira Graduado em Educação Física pela Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes, Montes Claros-MG, Brasil.
  • Jiulliano Carlos Lopes Mendes Professor do Departamento de Educação Física e do Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes, Montes Claros-MG, Brasil.
  • Alexandre Alves Caribé da Cunha Professor do Departamento de Educação Física e do Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes, Montes Claros-MG, Brasil.
  • Geraldo Magela Durães Professor do Departamento de Educação Física e do Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes, Montes Claros-MG, Brasil.
  • Vanine Oliveira Galha Graduada em Educação Física pela Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes, Montes Claros-MG, Brasil.
  • Alex Sander Freitas Professor do Departamento de Educação Física e do Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes, Montes Claros-MG, Brasil.
Palavras-chave: Futebol, Potência, Desempenho, Treinamento

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi avaliar os níveis de potência máxima e potência média, dos atletas da categoria sub-16 da escola de futebol Unimontes, buscando assim identificar as variáveis, e avaliar como estão os níveis para uma equipe que busca sempre um melhor desempenho. Participaram do estudo 22 atletas, com idade entre 14 e 16 anos, da escola de futebol Unimontes da cidade de Montes Claros-MG. Para avaliação dos níveis de potência, além dos índices de fadiga que também foram verificados, foi utilizado o teste R.A.S.T, um teste de campo em que o atleta executa seis tiros em velocidade máxima, em uma distância de 35 metros, com 10 segundos de recuperação entre cada tiro, através deste teste conseguimos todos os valores para avaliar e verificar estes níveis. Os principais resultados nos mostraram um nível abaixo do esperado para o que diz respeito aos níveis de potência máxima e média de toda amostra, com valores médios entre a amostra de 9,24 ±1,72(w/kg) para potência máxima e 7,08 ±1,05(w/kg) para potência media, mais resultados excelentes nos índices de fadiga, com valores de 6,94 ±2,67%. Concluindo assim que a presente amostra possui níveis de desempenho abaixo do esperado no que se diz respeito as variáveis de potência máxima e média, mais com ótimos índices de fadiga, nos mostrando a necessidade de um trabalho voltado a potência.

Referências

-Bangsbo, J. The physiology of soccer - with special reference to intense Intermittent exercise. Acta Physiol Scand.15. suppl 619. p.1-156. 1994.

-Bangsbo, J. Quantification of anaerobic energy production during intense exercise.Medicine e Science In Sports e Exercise. Vol. 30. Núm. 1. p. 47-52. 1998.

-Bompa, T. O. A periodização no Treinamento Esportivo. Manole. 2002.

-Falk, P.R.A.; Pereira, D.P. Mensuração da agilidade de alunos da escola de futebol do grêmio. Núcleo Lages/SC através do teste de shuttle run com bola. Revista Esportes e Recreação. 2009.

-Nunes, R.F.H.; Danieli, A.V.; Flores, L.J.F.; Coelho, T.M.; Cetolin, T.; Carminatti, L.J.; Guglielmo, L.G.A.; Silva, J.F. Potência aeróbia em atletas de futebol e futsal em diferentes níveis competitivos. Rev. bras. Ciência. e Movimento. Vol. 25. Núm. 4. p.5-14. 2017.

-Pavanelli, C. Testes de avaliação no futebol. In Barros, T.L.; Guerra, I. (org.) Ciência do Futebol. Manole. 2004.

-Pellegrinotti, I.L.; Daniel, J.F.; Cielo, F.B.L.; Cavaglieri, C.R.; Neto, J.B.; Montebelo, M.I.L.; Cesar, M.C. Análise da potência anaeróbia de jogadores de futebol de três categorias, por meio do “teste de velocidade para potência anaeróbia†(tvpa) do running based anaerobic sprint test (rast). Arq. Mov. Vol. 2. Núm. 4. p.4-15. 2008.

-Pereira, J.L. Correlação entre desempenho técnico e variáveis fisiológicas em atletas de futebol. Dissertação de Mestrado. Departamento de Educação Física, Setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná. Paraná. 2004.

-Reilly, T.; Thomas, V. A motion analysis of work rate in different positional roles in professional match play. Journal of Human Movement Studies. Vol. 2. p.87-97. 1976.

-Santos, J.S.; Costa, M.C.O.; Sobrinho, C.L.N.; Silva, M.C.M.; Souza, K.E.P.; Melo, B.O. Perfil antropometrico e consumo alimentar de adolescentes de Teixeira de Freitas-Bahia. Rev Nutr. Vol. 18. Núm. 5. p.623-32. 2005.

-Silva, S.G.; Kaiss, L.; Campos, V.; Ladewing, I. Decrease in aerobic power and anaerobic threshold variables with age in Brazilian soccer players. Journal of Sports Science. Vol. 17. p.462-467. 1998.

-Silva, J.F.; Detanico, D.; Floriano, L.T.; Dittrich, N.; Nascimento, P.C.; Santos, S.G.; Guglielmo, L.G.A. Níveis de potência muscular em atletas de futebol e futsal em diferentes categorias e posições. Motricidade. Vol. 8. Núm. 1. p.14-22. 2012.

-Spigolon L.M.P.; Borin, J.P.; Leite, G.S.; Padovani, C.R.P.; Padovani, C.R. Potência anaeróbia em atletas de futebol de campo: diferenças entre categorias. Coleção e Pesquisa em Educação Física. Vol. 6. p.421-428. 2007.

-Stolen, T.; Chamari, K.; Castagna, C.; Wisloof, U. Physiology of Soccer: an update. Sports Med. Vol. 35. Núm. 6. p.501-536. 2005.

-Wuolio, J. Futebol, o Jogo mais Popular. Enciclopédia Salvat da Saúde. Rio de Janeiro. Salvat Editora do Brasil. 1981.

Publicado
2021-07-17
Como Citar
Pereira, G. G., Mendes, J. C. L., Cunha, A. A. C. da, DurãesG. M., Galha, V. O., & Freitas, A. S. (2021). Avaliação dos níveis de potênçia máxima e potênçia média da categoria sub-16 da escola de futebol Unimontes. RBFF - Revista Brasileira De Futsal E Futebol, 13(52), 111-117. Recuperado de http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/1073
Seção
Artigos Científicos - Original